Filmes por gênero

O BELO SEXO (1956)

The opposite sex
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Sesso debole? (Itália)
El sexo opuesto (Espanha, Uruguai)
Das schwache geschlecht (Alemanha)
Oss kvinnor emellan (Suécia)
Plec przeciwna (Polônia)
Er kvinder sådan? (Dinamarca)
Heikompi sukupuoli (Finlândia)
Az ellentétes nem (Hungria)
Противоположный пол (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia, Musical
Direção: David Miller
Roteiro: Fay Kanin, Michael Kanin
Produção: Joe Pasternak
Música Original: George Stoll, Robert Van Eps
Direção Musical: George Stoll
Fotografia: Robert J. Bronner
Edição: John McSweeney Jr.
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Daniel B. Cathcart
Guarda-Roupa: Helen Rose
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Wesley C. Miller, Kendrick Kinney, John Lipow
Efeitos Especiais: Warren Newcombe, A. Arnold Gillespie
Nota: 7.9
Filme Assistido em: 1958

Elenco

June Allyson Kay Hilliard
Joan Collins Crystal Allen
Ann Sheridan Amanda Penrose
Ann Miller Gloria Dell
Agnes Moorehead Condessa D'Brion
Dolores Gray Sylvia Fowler
Leslie Nielsen Steve Hilliard
Jeff Richards Buck Winston
Joan Blondell Edith Potter
Charlotte Greenwood Lucy
Carolyn Jones Pat
Sam Levene Mike Pearl
Bill Goodwin Howard Fowler
Alice Pearce Olga
Barbara Jo Allen Dolly
Sandy Descher Debbie
Alan Marshal Ted
Jonathan Hole Phelps Potter
Harry James Harry James
Jim Backus Psiquiatra
Vernon Rich Ralph, advogado de Kay
Janet Lake Srta. Wilson
Karine Nordman Helene
Dick Shawn Cantor
Darlene Engle Chorine
Charlotte Lawrence Manicure
Bess Flower Convidada na festa de aniversário de casamento

Indicações

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Musical ou Comédia

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No salão Sydney, em Manhattan, as senhoras da sociedade podem obter xampu e as últimas fofocas, tudo por uma pequena taxa. Certa tarde, Sylvia Fowler toma conhecimento, através da manicure Olga, que o produtor de teatro Steve Hilliard está tendo um caso com uma corista, Crystal Allen. Apesar de Sylvia e a esposa de Steve, Kay, serem amigas, ela fica surpresa com o escândalo e corre para contar à outra amiga, Edith Potter. Apesar das sugestões subsequentes de Sylvia, Kay permanece alheia aos eventuais problemas com Steve, com quem se acha casada há dez anos.

Horas mais tarde, as senhoras se reúnem no Clube 21 para planejarem a próxima festa beneficente, uma produção teatral. Enquanto Kay, uma ex-cantora, está sendo procurada para retornar ao trabalho por seu antigo agente, Mike Pearl, sua melhor amiga, a escritora Amanda Penrose, repreende Sylvia e Edith por difundirem a fofoca sobre Steve. Quando Kay retorna, no entanto, Sylvia sugere que ela procure Olga, para cuidar de suas unhas, com o que ela inocentemente concorda. Depois do almoço, Sylvia e Edith assistem ao novo show de Steve para conhecerem Crystal e, ao final do show, as três se encontram no Coffee Shop, onde trocam algumas farpas.

Em seguida, Crystal se retira para telefonar para Steve, que recentemente havia rompido com ela, e embora insista em vê-lo, ele se recusa a ir ao seu encontro. Enquanto isso, Kay vai ao salão Sydney, onde Olga, não sabendo quem ela é, repete a fofoca sobre Steve. Embora se sinta arrasada, Kay procura seguir os conselhos de Amanda, fingindo que nada está acontecendo até que ele perceba seu erro e o corrija. Naquela noite, no entanto, na festa de aniversário do casal, Kay tenta manter as aparências, mas quando lhe pedem que cante uma canção de amor, ela se lembra da noite em que conheceu Steve e, sentindo-se incapaz, corre para o quarto. Dias depois, Crystal lê nos jornais que Kay foi para Bermudas e, na esperança de que tal fato sinalize uma ruptura em seu casamento, ela vai ao parque onde Steve costuma ir, e o encontra com sua filha Debbie.

Lá, ela o manipula para passarem o dia juntos. Naquela noite, antecipando seu retorno das Bermudas, Kay volta para casa e, ao vê-la, Steve se mostra emocionado. Durante um evento beneficente, no qual Crystal participa de um dos números, Kay vai ao seu camarim e, ao vê-la, comenta que seu vestido é ordinário, barato. Em resposta, a corista lhe diz que, quando Steve não gosta de alguma coisa que ela esteja usando, ela não volta a usá-la. Indignada, Kay lhe dá um tapa e vai embora. Steve tenta segui-la, mas ela se recusa a ouvir suas desculpas. Em seguida, ela pega um trem para Reno a fim de obter o divórcio. Ao longo do caminho, Kay encontra a Condessa D'Brion, uma senhora mais velha que já está em seu quarto divórcio, e a artista Gloria Dell, que a ajuda a celebrar sua nova liberdade.

Uma vez em Reno, as senhoras ficam no rancho de Lucy, onde o vaqueiro playboy Buck Winston distrai Kay e tenta beijá-la. Mais tarde, no rancho, Kay fica chocada ao descobrir que a mais nova pensionista é Sylvia, cujo marido está se separando para viver com outra mulher. Depois de ler um artigo de jornal que Edith havia enviado, Kay deduz que a outra mulher é Gloria, com a qual ela discute e inicia uma briga. Poucas semanas depois, o divórcio de Kay é formalizado. Embora a Condessa e Gloria procurem animá-la, Kay claramente ainda anseia por Steve. Quando Amanda chega ao local, ela insiste para que Kay entre em contato com Steve para tentar uma reconciliação. No entanto, pouco depois, o próprio Steve telefona para comunicar à Kay que vai se casar com Crystal.

Forçada, por razões financeiras, a retomar sua carreira como cantora, Kay, usando o nome de solteira, Ashley, toma conhecimento de que Sylvia havia voltado de Reno com Buck, como seu novo amante, e rapidamente se tornado amiga de Crystal. Enquanto isso, na casa dos Hilliard, Crystal começa a se mostrar entediada com Steve e grosseira com Debbie, além de secretamente passar a ter um caso com Buck, que Sylvia vem treinando para se tornar um cantor, na esperança de estimular o ciúme de seus amigos.

Na noite de estreia de Buck, Kay se recusa a juntar-se à Amanda, à Condessa e à Gloria, no Clube, por saber que Steve estará lá com Crystal. Antes de dormir, no entanto, Debbie inocentemente revela que Steve é infeliz e que Crystal tem visto Buck. Inspirada, Kay coloca seu vestido mais bonito e vai ao Clube, onde cumprimenta Steve e engrossa a lista de fofocas de Dolly. Para tanto, ela segue Sylvia até o banheiro feminino, onde revela que Crystal está se encontrando com Buck. Embora Sylvia não acredite nela, Dolly confirma a notícia.

Quando Buck inicia sua apresentação no palco, Sylvia arrasta Crystal até o banheiro, seguida por Kay, Dolly, Gloria e Amanda. Kay tenta impedir uma briga entre Sylvia e Crystal, que termina quando Dolly ameaça imprimir uma nota sobre o romance, a qual arruinaria a possibilidade de Crystal vir a receber uma pensão alimentícia de Steve. Depois que a Condessa chega para comunicar que Buck conseguiu um grande sucesso no palco, Crystal retruca dizendo que vai fugir com ele, comunicando a Steve que vai deixá-lo. Em seguida, ao informar Buck de sua decisão, este anuncia que não tem a mínima intenção de se casar com ela.

No final, ao encontrar Steve sozinho, Kay o chama e ele, sentindo-se finalmente muito feliz, a toma em seus braços e segue para a pista de dança.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta David Miller, a partir de um roteiro escrito por Fay Kanin e Michael Kanin, “O Belo Sexo” é uma interessante comédia musical norte-americana produzida pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) em 1956. Sua trama, baseada numa peça de Clare Boothe Luce, é na verdade uma nova versão do filme “As Mulheres”, de 1939, dirigido por George Cukor.

A direção de Miller se mostra apenas razoável, pecando principalmente pelo ritmo por ele imposto à narrativa. Na área técnica, destacam-se sua trilha sonora, o belo figurino a cargo de Helen Rose, e a fotografia a cores assinada por Robert J. Bronner.

No elenco, destacam-se as atuações de Joan Collins e Agnes Moorehead, seguidas pelas de Ann Miller, Dolores Gray e Ann Sheridan.

CAA