Filmes por gênero

CINCO DEDOS (1952)

5 fingers
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O caso Cícero (Portugal)
L'affaire Cicéron (França)
Operación Cicerón (Espanha)
Operazione Cicero (Itália)
Der fall Cicero (Austria, Alemanha)
Affären Cicero (Suécia)
Kryptonim Cicero (Polônia)
Operaatio Cicero (Finlândia)
Пять пальцев (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Joseph L. Mankiewicz
Roteiro: Michael Wilson
Produção: Otto Lang
Música Original: Bernard Herrmann
Fotografia: Norbert Brodine
Edição: James B. Clark
Direção de Arte: George W. Davis, Lyle R. Wheeler
Guarda-Roupa: Charles Le Maire
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: Roger Heman Sr., W.D. Flick
Efeitos Especiais: Ray Kellogg, Fred Sersen
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1953

Elenco

James Mason Ulysses Diello (Codinome: Cicero)
Danielle Darrieux Condessa Anna Staviska
Michael Rennie Colin Travers
Walter Hampden Sir Frederic Taylor
Oskar Karlweis L. C. Moyzisch
Herbert Berghof Coronel von Richter
John Wengraf Conde Franz Von Papen
Alfred Zeisler General Joseph Kaltenbrunner
Roger Plowden Keith Macfadden
Richard Loo Embaixador japonês
Nestor Paiva Embaixador da Turquia
Antonio Filauri Embaixador italiano
Salvador Baguez Comandante do navio
Ben Astar Siebert
Hannelore Axman Secretária de Von Papen
Keith McConnell Johnson
Michael Pate Morrison
David Wolfe Da Costa
Faith Kruger Cantora alemã
Alberto Morin Criado da Condessa Anna Staviska

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Roteiro (Michael Wilson )

Prêmios Edgar Allan Poe

Prêmio de Melhor Filme (Michael Wilson, Otto Lang)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Joseph L. Mankiewicz)

Oscar de Melhor Roteiro (Michael Wilson)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Joseph L. Mankiewicz)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Michael Wilson )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Durante a segunda guerra mundial, a Turquia é um país neutro e em 1944, torna-se um viveiro de espionagem para diplomatas aliados e nazistas. Certa noite, durante uma recepção em Ancara, os embaixadores Franz von Papen, da Alemanha, e Sir Frederic Taylor, da Inglaterra, conversam com a Condessa Anna Staviska, viúva francesa de um conde polonês pro-nazista. A outrora rica socialite encontra-se tão pobre que se oferece para espionar a favor de von Papen, mas o embaixador gentilmente não aprova a ideia. Mais tarde, naquela noite, o adido militar alemão, L. C. Moyzisch, é abordado por um homem misterioso, oferecendo fotografias de documentos britânicos ultrassecretos por £20,000. Inicialmente, Moyzisch descarta a ideia, mas promete consultar von Papen. O homem concorda e, em seguida, retorna à embaixada britânica, onde trabalha como empregado de Sir Frederic, com o nome de Ulysses Diello.

Sir Frederic, ciente de que, no passado, Diello trabalhara para o falecido Conde Staviska, discute a pobreza da Anna com ele, sem saber que ele se encontra secretamente apaixonado por ela. Logo depois, von Papen pede permissão à Berlim para comprar os documentos e, uma vez aprovada,  Moyzisch reúne-se com Diello, que recebera o codinome “Cícero”. Na ocasião, ele passa o filme e fica surpreso ao verificar que o mesmo contém a ata da Conferência de Teerã, promovida pelos aliados. Diello exige £15.000 para cada rolo adicional do filme e marca um novo encontro com Moyzisch em uma semana. Em seguida, ele segue para a área decadente da cidade, onde Anna mora. Ao chegar lá, ele lhe promete dar uma vida de luxo se ela esconder £5.000 dele.

Embora ela lhe dê um tapa por admitir seus sentimentos por ela, Anna concorda com sua proposta e, pouco tempo depois, ela se vê instalada em uma bela moradia. Enquanto isso, Moyzisch é chamado à Berlim, onde o General Joseph Kaltenbrunner e o Coronel von Richter, preocupados quanto à validade dos documentos de “Cícero”, decidem testá-los aguardando um próximo bombardeio aliado mencionado em um dos documentos. Por outro lado, quando o bombardeio ocorre, von Papen fica irritado porque os residentes da cidade não foram avisados, e Moyzisch é autorizado a comprar um outro conjunto de documentos de Diello, que os obtém ao roubá-los do cofre de Sir Frederic e fotografá-los.  Quando o Ministério das Relações Exteriores turco começa a suspeitar que von Papen esteja envolvido em espionagem, o agente da contra-inteligência britânica, Colin Travers, é enviado à Ancara, enquanto os alemães, temendo que “Cícero” esteja trabalhando para os aliados, enviam von Richter para investigar.

Diello, que está colhendo grandes somas através de seus roubos, aproveita seus aposentos na Villa de Anna, aprofundando seu relacionamento, mas se mostra alarmado quando as suspeitas de Travers recaem sobre ela. Os alemães, por outro lado, acreditam que Anna favoreça os ingleses e receiam que “Cícero” seja um espião britânico trabalhando ao seu lado. O coronel von Richter encontra-se com Diello, que insiste que seus motivos são puramente monetários e que todos os documentos que ele obteve nas últimas seis semanas são genuínos. Depois que von Richter vai embora, Diello comenta que seu sonho é viver na América do Sul, ocasião em que Anna promete acompanhá-lo. Nas cinco semanas que se seguem, ele habilmente evita as medidas de segurança de Travers e é muito bem pago por novos documentos fotografados, embora os oficiais alemães se recusem a agir com base neles.

Na esperança de testá-lo, von Richter solicita-lhe documentos sobre uma rumorosa operação britânica chamada Overlord e Diello, que apenas fotografa documentos "top secret", compromete-se a procurá-los. Travers, acreditando que os vazamentos são provenientes de descuidados comentários feitos em saraus na Villa de Anna, fica aborrecido ao saber que uma mensagem interceptada de von Papen alega que “Cícero” trabalha dentro da embaixada britânica. Assim, ele instala um novo alarme no cofre do embaixador, e Diello, temendo uma iminente prisão, não atende ao compromisso firmado com von Richter. Em vez disso, ele pede para que Anna obtenha passagens de trem e falsos passaportes para eles. Na manhã em que eles vão viajar, no entanto, ele fica atordoado ao descobrir que ela roubou seu dinheiro e fugiu para a Suíça, deixando para trás uma misteriosa carta endereçada a Sir Frederic Taylor.

Desesperado por dinheiro suficiente para fugir, Diello telefona para Moyzisch, dizendo-lhe que vai entregar os documentos da Operação Overlord em Istambul. Em seguida, ele remove o fusível do sistema de alarme e fotografa os documentos do cofre, mas quando uma mulher da limpeza o recoloca, o alarme soa e Travers vê Diello fugindo. Assim, conhecendo o esquema de Diello, Travers e seus homens o seguem até Istambul, onde pretendem matá-lo antes que ele faça uso das sigilosas informações que detalham os planos dos Aliados para o Dia “D”. Von Richter, que pretende matar Diello, ao invés de deixá-lo cair em mãos britânicas, também envia seus homens à Istambul.

Durante a viagem de trem, Diello lê a carta de Anna, na qual ela informa Sir Frederic que seu criado é um espião alemão. Apesar de sua fúria pela traição, Diello consegue escapar de seus perseguidores e vender os documentos aos alemães por £100.000. Em seguida, ao perceber que os nazistas pretendem matá-lo, ele se rende à Travers, mas logo consegue fugir. De volta à Ancara, von Papen recebe uma carta de Anna, dizendo-lhe que “Cícero” é um espião britânico, o que faz Von Richter descartar as informações sobre os planos de invasão dos aliados.

Mais tarde, Diello, descansando feliz no Rio de Janeiro, é visitado por seu banqueiro brasileiro, acompanhado de um policial. Os homens o informam que seu dinheiro é falso, e que as falsificações também foram encontradas na posse de uma mulher que vive na Suíça. Ao ser preso, ele ri e, arrependido, grita: "pobre Anna !."

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Joseph L. Mankiewicz, a partir de um roteiro escrito por Michael Wilson, “Cinco Dedos” é um brilhante filme de suspense produzido pela Twentieth Century Fox Film Corporation em 1952. Sua trama é baseada em fatos reais, conforme exposto num livro de L. C. Moyzisch, no filme interpretado pelo ator Oskar Karlweis.
 
Na direção, Mankiewicz impõe uma boa dose de tensão, notadamente na segunda parte do filme, beneficiada pela bela fotografia em preto e branco de Norbert Brodine, bem como, pela excelente trilha sonora a cargo de Bernard Herrmann.

No elenco, James Mason brilha no papel de Diello, seguido pelas ótimas atuações de Danielle Darrieux e Herbert Berghof.

Enfim, “Cinco Dedos” é um filme imperdível.

CAA