Filmes por gênero

LILI (1953)

Lili
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Лили (União Soviética, Bulgária)
Karnaval Kizi (Turquia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Musical, Melodrama
Direção: Charles Walters
Roteiro: Helen Deutsch
Produção: Edwin Knopf
Música Original: Bronislau Kaper
Coreografia: Charles Walters
Fotografia: Robert Planck
Edição: Ferris Webster
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Paul Groesse
Figurino: Mary Anne Nyberg
Maquiagem: William Tuttle, Sydney Guilaroff
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1954

Elenco

Leslie Caron Lili Daurier
Mel Ferrer Paul Berthalet
Jean-Pierre Aumont Marc, o Magnífico
Zsa Zsa Gabor Rosalie
Kurt Kasznar Jacquot
Alex Gerry Proprietário da Loja vizinha à Padaria
Amanda Blake Lábios de Pêssego
Ralph Dumke Corvier
Wilton Graff Tonit, agente de teatro
George Baxter Enrique, agente de teatro
Lars Hansen Bailarino
Dorothy Jarnac Dançarina
Dick Lerner Bailarino
Arthur Mendez Bailarino
Eda Reiss Merin Vendedora de frutas
Nolie Miller Dançarina
Frank Radcliffe Bailarino
Charles Walters Bailarino

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Bronislau Kaper)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Roteiro (Helen Deutsch )

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Leslie Caron)

Festival Internacional de Cannes, França

Menção Especial (Atuação do Elenco)

Prêmio Internacional de Melhor Filme de Entretenimento (Charles Walters)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Musical Americano (Helen Deutsch)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Charles Walters)

Oscar de Melhor Atriz (Leslie Caron)

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Robert H. Planck)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Cedric Gibbons, Paul Groesse, Edwin Willis, Arthur Krams)

Oscar de Melhor Roteiro (Helen Deutsch)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme (Estados Unidos)

Festival Internacional de Cannes, França

Grand Prix do Festival (Charles Walters)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Charles Walters)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Lili Daurier é uma doce e inocente jovem francesa de dezesseis anos que, ao se ver órfã, viaja a uma cidade costeira na esperança de encontrar trabalho junto a um padeiro amigo de seu falecido pai.  Uma vez lá, toma conhecimento, através do proprietário de uma loja vizinha à padaria, que a pessoa que ela procura também morreu recentemente.  Ao vê-la desesperada, por não ter para onde ir, este tenta se aproveitar de sua ingenuidade, mas Lili é salva por Marc, o Magnífico, um simpático mágico que vem se apresentando na cidade, juntamente com um teatro mambembe de marionetes.

Ao seguir com Marc, a jovem tem a oportunidade de conhecer dois de seus companheiros, Paul Berthalet e Jacquot, os quais na verdade trabalham com as marionetes.  Com o intuito de ajudá-la, Marc convence Corvier, gerente do restaurante do teatro de variedades, a empregá-la.  Ela, no entanto, perde o emprego depois de sua primeira noite, por não conseguir dar conta do trabalho como garçonete, principalmente por passar grande parte do tempo a observar, encantada, o show apresentado por Marc e sua assistente, Rosalie.

Após ser despedida, Lili vai até Marc, por quem se sente apaixonada, na esperança de que ele a ajude novamente, mas este, mostrando-se arrogante e sem escrúpulos, sugere-lhe que volte para o dono da loja vizinha à padaria onde ele a encontrou.  Arrasada e sem lugar para ir, a jovem coloca suas coisas no chão e começa a subir uma escada com a idéia de cometer suicídio, quando uma das marionetes fala com ela.  É claro que as marionetes estão sendo controladas por Paul que, pressentindo o que Lili estava para fazer, decidiu salvá-la.  As marionetes interagem com a jovem, cantando uma canção que a faz rir e esquecer seus problemas.  O show é testemunhado por outros artistas da trupe. Paul e seu assistente, Jacquot, que apenas mexe uma das marionetes enquanto Paul faz as vozes, decidem pedir à Lili para que ela passe a participar dos shows.

Paul havia sido um grande dançarino antes de ser ferido durante a 2ª Guerra Mundial, quando se tornou manco.  Tal deficiência fez com que ele se dedicasse ao trabalho com marionetes, uma forma de se apresentar para uma platéia escondendo-se por trás das cortinas.

Comovida e agradecida pelo convite recebido, Lili veste-se a cada noite com seu mesmo vestido simples e interage com as marionetes, como se elas fossem pessoas de verdade.  Em sua inocência, que lhe possibilita aceitar os quatro personagens como reais, ela lida com a platéia e faz com que o espetáculo se torne um sucesso e seja reconhecido por dois agentes de Paris, Tonit e Enrique.

Paul apaixona-se perdidamente pela jovem, embora não tenha esperanças em ser correspondido, pois ainda carrega a amargura de ser manco.  Por outro lado, Lili continua a sonhar com Marc, o mágico.  Ela chega a comprar um vestido novo, que a faz aparentar mais velha, e o aborda em seu trailer.  Ao vê-los juntos, Paul fica de coração partido.  Marc, por outro lado, que não demonstra o menor afeto por ela, ao sair correndo, deixa cair algo no chão.  Ao se abaixar para apanhar o objeto caído, Lili descobre que se trata da aliança de casamento do mágico com Rosalie, fato que o casal mantinha em segredo por motivos profissionais.

Lili devolve-lhe a aliança e se prepara para ir embora de vez, mas novamente as marionetes a trazem de volta para que participe do seu próximo número.  De repente, ela percebe que as falas dos bonecos nada mais são do que mensagens de amor a ela dirigidas por Paul, concluindo que ele a ama profundamente, mas que, talvez por ser manco, tenha medo de que ela não o aceite.

imagem

Comentários

Baseado na história "Love of Seven Dolls" de Paul Gallico, "Lili" é um dos mais deliciosos filmes do início da década de 50.  Realizado pelo cineasta Charles Walters, narra a história de uma jovem órfã de dezesseis anos que se junta a um grupo mambembe, onde passa a trabalhar num espetáculo de marionetes.

Walters cria um inesquecível mundo de fantasia, cuja heroína é interpretada pela atriz francesa Leslie Caron, na época com 22 anos de idade.  Sua magnífica atuação a levou a ser indicada ao Oscar de Melhor Atriz, perdendo injustamente a estatueta para Audrey Hepburn, por seu trabalho em "A Princesa e o Plebeu".  A química entre os dois principais personagens é indiscutível.

Na trilha sonora, ganhadora do Oscar, destaca-se a canção Hi Lilli, Hi Lo", interpretada por Leslie Caron e José Ferrer.  Ao clicar acima, em "Cenas do Filme", tem-se a oportunidade de se assistir a esse número.

Embora não se trate de um verdadeiro Musical, Walters consegue inteligentemente inserir algumas seqüências de dança, a título de sonhos, através das quais tira proveito das qualidades da bailarina que Leslie Caron também era.  Numa das seqüências, Lili aparece roubando Marc de Rosalie.  A mais importante é, sem dúvida, o balé que ocorre ao final, quando Caron tem uma melhor oportunidade de mostrar sua graciosa dança.

Finalmente, o filme ainda procura passar uma grande mensagem, qual seja a de quão importante é, ao julgar as pessoas, ter sempre o cuidado de olhar além das aparências.

CAA