Filmes por gênero

ULYSSES (1954)

Ulisse
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Ulysse (França, Bélgica)
The loves and adventures of Ulysses (Reino Unido)
Ulises (Espanha)
Die fahrten des Odysseus (Alemanha, Austria)
Odysseus (Finlândia)
Eviga äventyr (Suécia)
Pais: Itália
Gênero: Aventura, Histórico
Direção: Mario Camerini
Roteiro: Franco Brusati, Mario Camerini, Ennio De Concini, Hugh Gray, Ben Hecht, Ivo Perilli, Irwin Shaw
Produção: Dino De Laurentiis, Carlo Ponti
Design Produção: Flavio Mogherini
Música Original: Alessandro Cicognini
Direção Musical: Franco Ferrara
Fotografia: Harold Rosson
Edição: Leo Cattozzo
Figurino: Giulio Coltellacci, Mme. Gres
Maquiagem: Goffredo Rocchetti, Eugen Schüfftan
Efeitos Sonoros: Mario Morigi, Mario Amari
Efeitos Especiais: Eugen Schüfftan
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1957

Elenco

Kirk Douglas Ulisse
Silvana Mangano Penélope / Circe
Anthony Quinn Antinoös
Rossana Podestà Nausicaa
Jacques Dumesnil Rei Alcínoo, pai de Nausícaa
Daniel Ivernel Euriloco
Sylvie Euriclea
Franco Interlenghi Telêmaco, filho de Ulisse
Elena Zareschi Cassandra
Evi Maltagliati Anticlea
Ludmilla Dudarova Rainha Arete
Tania Weber Eucalicanto
Piero Lulli Aquiles
Ferruccio Stagni Mentor
Alessandro Fersen Diomede
Oscar Andriani Calops
Umberto Silvestri Polifemo / Krakos
Gualtiero Tumiati Laerte
Teresa Pellati Melanto
Mario Feliciani Eurimaco
Michele Riccardini Leodes
Andrea Bosic Agamenon
Walter Brandi Agelao
Daniele Dentice Euriade
Giovanni Di Benedetto Demolteleno
Piero Ghione Anfimedonte
Renato Malavasi Medonte
Piero Pastore Leocrito
Goliarda Sapienza Eurimione
Benito Stefanelli Elatos

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na antiga cidade grega de Ithaki, Penélope, esposa dedicada de Ulisse, governante da cidade, lamenta as hordas de pretendentes que fixaram residência em seu palácio desde o desaparecimento de seu marido, dez anos antes. Embora a maioria acredite que Ulisse esteja morto, pressionando-a para que volte a se casar, Penélope se apega à sua crença de que o marido em breve voltará. Ela escuta um contador de histórias antigas, quando este fala da guerra de Troia, na qual, admitindo a derrota, Ulisse presenteia os vencedores com um imenso cavalo de madeira. Continuando, o contador de histórias diz que, ao abrirem os portões de sua cidade murada, para receberem o presente, os troianos foram apanhados de surpresa ao verificarem que o imenso cavalo estava cheio de soldados de Ulisse. Após derrotá-los, Ulisse teria destruído o Templo de Netuno, Deus do Mar. Testemunhando a destruição, a vidente Cassandra teria, então, proferido uma maldição contra ele, condenando-o a sofrer a ira de Netuno. Penélope interrompe o contador de histórias e reclama de seus pretendentes que se mostram perplexos, principalmente quando seu filho Telêmaco exige que eles desocupem o palácio.

Revoltado, Telêmaco diz à mãe que está saindo para procurar o pai, mas ela implora para que ele fique. Penélope, que havia feito um acordo com seus pretendentes de que voltaria a se casar quando terminasse uma tapeçaria retratando as obras de Ulisse, diz que eles poderão descobrir que, à noite, ela tem secretamente desmanchado o trabalho do dia, atrasando assim a conclusão de tal tapeçaria.

Na praia de uma ilha feácia próxima de Ithaki, entretanto, Ulisse é encontrado inconsciente pela bela princesa Nausícaa. Embora ele tenha perdido a memória, a jovem e seu pai, o rei Alcínoo, acreditam ser ele de família nobre e o acomodam no palácio. Logo depois, durante uma luta livre pública, Ulisse, sentindo-se melhor, desafia um feroz campeão, deixando a multidão atordoada ao sair vencedor. Nausícaa o apelida de “Stamos”, ou o Forte, e os dois se beijam.

Em Ithaki, os medos de Penélope sobre a tapeçaria se concretizam quando uma empregada expõe seu segredo aos pretendentes. Ao mesmo tempo, Antinoös chega à cidade, insistindo que é seu destino se casar com Penélope. Pressionada por ele, Penélope concorda em escolher seu novo marido no início dos próximos jogos em honra ao deus Apollo.

Por sua vez, Ulisse se prepara para se casar com Nausícaa, mas atormentado por seu passado em branco, volta à praia onde foi encontrado para tentar se lembrar de algo. Olhando para o mar, ele finalmente se recorda de estar em um navio durante uma tempestade, dando ordens aos seus homens para lançarem ao mar o resultado da pilhagem feita em Troia. O navio sobrevive à tempestade, e os homens desembarcam em uma ilha aparentemente deserta. Enquanto procuram por comida, eles se deparam com uma pegada gigante e seguem o som de ovelhas em uma grande caverna. Lá, além de ovelhas, encontram grandes rodelas de queijo, enormes ferramentas e logo são confrontados com o morador da caverna, o Polifemo de um olho só, gigante filho de Netuno. Capturados pelo gigante, Ulisse e seus homens conseguem fugir após cegá-lo com um pedaço afiado de madeira.

Ao chegarem à praia, voltam ao navio e dão seqüência à viagem que faziam. Algum tempo depois, o navio passa perto de uma ilha assombrada por sereias, conhecidas por seduzir marinheiros com suas belas vozes e persuadi-los a jogar seus navios contra as rochas da ilha. Embora Ulisse instrua seus homens a tapar os ouvidos, ele também insiste em ser amarrado ao mastro do navio para que possa ouvir o canto das sereias, sem perigo. Elas, no entanto, o atormentam ao imitarem as vozes de Penélope e de Telêmaco, mas apesar dos gritos de Ulisse, sua equipe conduz o navio em segurança.

Mais tarde, porém, o vento morre e o navio chega à costa de outra ilha. Ulisse dirige seus homens para explorá-la e logo encontra a linda e traiçoeira feiticeira, Circe. Sentindo-se desesperadamente solitário, Ulisse é facilmente seduzido por Circe, que se parece muito com Penélope. A feiticeira transforma os outros homens em porcos, imaginando que ele não se importará se ficar sem sua tripulação. No entanto, Ulisse a ameaça com uma faca e Circe faz com que os porcos voltem a se tornar humanos a quem ela estende sua hospitalidade. Enfeitiçado, Ulisse fica com Circe por mais seis meses, até que sua tripulação inquieta se amotina. Apesar de Circe avisá-los sobre uma tempestade que se aproxima, os homens decidem partir. Uma forte tempestade se abate sobre o mar e, de longe, Ulisse observa o navio ser destruído. Na esperança de mantê-lo para sempre, Circe oferece a Ulisse o dom da imortalidade, mas ele o recusa. Tentando fazer com que ele mude de idéia, a feiticeira recorre a atormentados fantasmas de vários guerreiros, mas o fantasma da mãe de Ulisse o convence a voltar para Penélope.

De volta ao presente, Ulisse sai do seu devaneio, com sua memória restaurada, e depois de revelar sua identidade para Nausícaa, declara que precisa voltar à Ithaki. Embora com o coração partido, a jovem dá sua bênção e Ulisse chega à Ithaki na véspera dos jogos. Disfarçado de mendigo, procura uma audiência com Penélope e declara que ele é um velho amigo de Ulisse. Ciente do iminente casamento dela, ele a lembra do arco e flecha que apenas Ulisse, ajudado pela deusa Atena, teve a força para dobrar, em seu casamento.

Apesar de Penélope não reconhecê-lo, o cachorro da família o faz, e Telêmaco também percebe que o mendigo é seu pai. Ulisse convence o filho a manter o seu segredo, pois ele precisa saber se Penélope ainda o ama. No dia seguinte, ela comunica aos seus pretendentes que os jogos terão início com um concurso de arco e flecha, utilizando o velho arco de Ulisse. Para tanto, são colocados doze anéis em linha, e os pretendentes devem curvar o grande arco e mandar uma flecha através de todos os doze anéis. Ela se casará com aquele que provar ser capaz de realizar tal feito, como Ulisses freqüentemente o fazia.

Os pretendentes têm, um por um, a sua vez, mas nenhum consegue curvar o arco, impossibilitando-os de tentarem mandar uma flecha através dos anéis. Ulisse, então, pergunta se poderia tentar o arco. Antinoös não concorda, mas Penélope, que estava observando a cena, insiste para que ele tenha direito a uma chance. Telêmaco intervém ao mandar sua mãe de volta a seu quarto. Sem alarde, Ulisse ajusta uma flecha no arco e atira através de toda a linha de anéis. Em seguida, ajusta uma segunda flecha, desta vez destinada à garganta de Antinoös. Não percebendo o que está ocorrendo e pensando tratar-se de um acidente, os pretendentes cercam Ulisse, mas este joga fora seu disfarce e os mata. Em seguida, lamentando o banho de sangue por ele provocado, dá ordens para que o salão seja purgado pelo fogo.

Penélope, que havia dormido profundamente durante a grande batalha no salão e as operações subseqüentes de limpeza, toma conhecimento das novidades através de sua fiel serva. Atordoada com o choque, não consegue ter completa certeza de que o estranho seja realmente Ulisse, ou do que deve dizer-lhe. Depois de ser mais uma vez posto à prova por Penélope, esta fica finalmente convencida de que ele é o seu marido longamente esperado e atira-se em seus braços aos prantos. Por outro lado, Ulisse faz votos de passar o resto de sua vida tranquilamente ao seu lado.

imagem imagem imagem

Comentários

Com base na “Odisséia” de Homero e adaptado para o cinema por sete escritores, Ulysses é uma boa produção do cinema italiano de meados dos anos 50. Realizado pelo cineasta Mario Camerini, que nos brinda com uma direção correta, o filme é repleto de ação e aventura.

Os cenários e figurinos são de evidente bom gosto. Os efeitos especiais são outro ponto que merece ser destacado, principalmente nas cenas que envolvem o Polifemo de um olho só, o gigante filho de Netuno. As cenas finais, quando Ulysses livra sua casa dos pretendentes indesejados são bastante violentas e sangrentas, mas bem executadas.

No elenco, Kirk Douglas está perfeito no papel-título, com uma atuação forte e convincente, dominando cada cena em que se acha presente. Anthony Quinn, no papel do principal pretendente, Antinoös, também nos brinda com um ótimo desempenho. Logo a seguir, as atrizes Silvana Mangano e Rossana Podestà aparecem muito bem em seus respectivos papéis.

CAA