Filmes por gênero

LUTERO (2003)

Luther
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Pais: Alemanha
Gênero: Drama, Histórico, Biográfico
Direção: Eric Till
Roteiro: Camille Thomasson, Bart Gavigan
Produção: Brigitte Rochow, Christian Stehr, Alexander Thies
Design Produção: Rolf Zehetbauer
Música Original: Richard Harvey
Fotografia: Robert Fraisse
Edição: Clive Barrett
Direção de Arte: Christian Schaefer, Ralf Schreck
Figurino: Ulla Gothe
Guarda-Roupa: Claudio Manzi, Natali Stefanovic, Claudia Petry e outros
Maquiagem: Hasso von Hugo, Björn Rehbein, Pascal Herr
Efeitos Sonoros: Jörn Poetzl, Christoph von Schönburg, Ed Cantu e outros
Efeitos Especiais: Franco Galiano, Marcus Schmidt, Rolf Hanke e outros
Efeitos Visuais: Dirk Müller, Thomas Zauner
Nota: 7.7
Filme Assistido em: 2005

Elenco

Joseph Fiennes Martinho Lutero
Alfred Molina Johann Tetzel
Jonathan Firth Girolamo Aleander
Claire Cox Katerina von Bora
Peter Ustinov Príncipe Friedrich da Saxônia
Bruno Ganz Frei Johann von Staupitz
Uwe Ochsenknecht Papa Leão X
Mathieu Carrière Cardeal Jacob Cajetan
Benjamin Sadler Spalatin
Jochen Horst Prof. Karlstadt
Torben Liebrecht Imperador Carlos V
Timothy Peach Karl von Miltitz
Maria Simon Hanna
Lars Rudolph Melanchthon
Tom Strauss George de Brandenburgo
Gene Reed John da Saxônia
Anian Zollner Philipp de Hesse
Johannes Lang Albert, Arcebispo de Mainz
Jeff Caster Mateus
Lena Krimmel Theresa

Sinopse

Em 1507, Martinho Lutero é ordenado sacerdote, tornando-se monge da Ordem dos Agostinianos.  Enviado à Roma, toma conhecimento das "indulgências", uns Certificados patrocinados pelo Vaticano que, adquiridos por uma certa quantia, garantiriam a salvação eterna.

De volta à Alemanha, faz o doutorado na Universidade de Wittenberg e se torna professor de teologia.  Em suas aulas, ele enfatiza a importância da fé.  Ganhando a proteção do príncipe Friedrich da Saxônia e do vigário-geral dos agostinianos da Alemanha, Johann von Staupitz , em pouco tempo consegue congregar muitos admiradores de seus sermões.

A chegada à Alemanha de Johann Tetzel, inquisidor da Polônia, com o propósito de conseguir fundos com a venda de indulgências, faz com que Lutero se revolte e escreva suas 95 teses, mostrando as razões pelas quais considera a prática da venda de indulgências um erro e um abuso por parte de Roma.  Suas teses são por ele afixadas, em 1517, na porta da Igreja do Castelo, em Wittenberg.  Seus escritos são largamente reproduzidos pela nova imprensa de Guttenberg, de modo que, em semanas, suas críticas à Igreja estão sendo lidas em toda a Europa.

A reação do Papa Leão X é imediata.  Lutero é levado à Augsburg para se retratar diante do Cardeal Jacob Cajetan.  Como ele não se retrata, Georg Spalatin procura o príncipe Friedrich para lhe informar da situação de Lutero que, provavelmente, será levado ao tribunal da Inquisição.

Roma envia Karl von Miltitz para pressionar o príncipe Friedrich a entregar Lutero.  Friedrich se nega a fazê-lo, comunicando sua decisão ao amigo Georg Spalatin.

O Papa ordena, então, o confisco e a queima dos livros de Lutero.  A população local coloca-se do lado do monge que, em praça pública, queima a Bula Papal.

Quando o julgamento de Lutero torna-se iminente, o príncipe Friedrich procura o Imperador Carlos V, a quem diz que a Inquisição não faz julgamentos justos e sim sentenças de morte.  Este promete um julgamento justo e a certeza de que Lutero será julgado em Worms, na Alemanha, e não em Roma.  Como o príncipe insiste em que, mesmo assim, o julgamento não será justo, Carlos V promete dar a Lutero, caso ele seja condenado, um salvo-conduto de 21 dias, antes dele ser considerado herege.

O julgamento tem lugar em Worms, em 1521, oportunidade em que Lutero reafirma suas convicções, não se retratando.  Quando ele inicia sua viagem de volta à Wittenberg, o representante de Roma, Girolamo Aleander, antigo ajudante do Cardeal Cajetan e agora promovido ao cardinalato, planeja uma emboscada a ser realizada antes que Lutero chega ao seu destino.  Ocorre que os homens do príncipe Friedrich são mais rápidos e o levam para o Castelo, onde ele fica escondido e inicia a tradução da Bíblia para o alemão, como forma do povo ter acesso ao seu conteúdo.  Excomungado por Roma, Lutero abandona o hábito de monge e resolve deixar por completo a vida monástica.

Enquanto isso, acreditando que Lutero foi morto, o Prof. Andreas Karlstadt, declara a Guerra Santa, iniciando uma sangrenta revolta contra os representantes da Igreja, acompanhada de depredações de seu patrimônio.  Embora Lutero não possa se expor, Spalatin sugere que ele se disfarce de cavaleiro para ver o que está ocorrendo.  Assim, horrorizado com o que vê, Lutero enfrenta Karlstadt como forma de parar com aquela matança desenfreada, que já soma cerca de 100.000 vítimas.

É quando um grupo de freiras, lideradas pela Irmã Katerina von Bora, foge do Convento de Nibschen e o procura.

Lutero vai até o príncipe Friedrich e o presenteia com a Bíblia por ele traduzida para o alemão, dizendo-lhe que o trabalho foi a ele dedicado.  Em princípio, Friedrich fica preocupado por saber que a introdução da nova Bíblia vai significar o rompimento definitivo com a Igreja de Roma, mas termina aceitando-a.

Já livre da vida monástica, Lutero casa-se com Katerina von Bora.

Exercendo uma forte influência sobre o Imperador, o agora Cardeal Girolamo Aleander convence o monarca a dobrar os príncipes do Império como forma de conter Lutero.  Assim, em 1530, estes são convocados a comparecerem a Augsburg.  Uma vez lá, na presença de Aleander, Carlos V exige que eles mandem banir todas as bíblias escritas em linguagem profana.  Por unanimidade, todos se recusam a fazê-lo e, ajoelhando-se diante do Imperador, afirmam que preferem ter suas cabeças cortadas a atenderem àquela exigência.  Sem o apoio de seus príncipes, Carlos V se vê obrigado a recuar.  Tais acontecimentos abrem as portas da liberdade de religião.

Lutero continuou a pregar por mais 16 anos.  Ele e Katerina viveram felizes e tiveram 6 filhos.

imagem imagem imagem

Comentários

"Lutero" é um vigoroso, intenso e dramático filme.  Escrito por Bart Gavigan e Camille Thomasson, e dirigido pelo cineasta Eric Till, o filme acompanha a vida de Martinho Lutero, desde sua ordenação, em 1507, até os acontecimentos de 1530, em Augsburg, que levaram ao rompimento definitivo entre as igrejas de Roma e da Alemanha, através da reforma promovida pelo movimento protestante.

Embora não seja um filme premiado, "Lutero" conta com a boa direção de Till, com um figurino adequado para a época e com a ótima fotografia de Robert Fraisse.

No quesito interpretação, os maiores destaques vão para Sir Peter Ustinov, Bruno Ganz e Joseph Fiennes.  Ustinov, efetivamente, rouba todas as cenas em que aparece.

 

CAA