Filmes por gênero

A CANÇÃO DA VITÓRIA (1942)

Yankee Doodle Dandy
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Canção triunfal (Portugal)
La glorieuse parade (França)
Ribalta di gloria (Itália)
Yanqui Dandy (Espanha)
Triunfo supremo (Argentina, Uruguai)
El canto de la victoria (México)
Zauber der Revue (Austria)
Янки Дудл Денди (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Biográfico, Comédia Dramática, Musical
Direção: Michael Curtiz
Roteiro: Robert Buckner, Edmund Joseph
Produção: Hal B. Wallis, Jack L. Warner
Música Original: Ray Heindorf, Heinz Roemheld
Direção Musical: Leo F. Forbstein
Coreografia: Jack Boyle
Fotografia: James Wong Howe
Edição: George Amy
Direção de Arte: Carl Jules Weyl
Figurino: Milo Anderson
Guarda-Roupa: Rydo Loshak, Marie Pickering, Leon Roberts
Maquiagem: Perc Westmore
Efeitos Sonoros: Everett A. Brown
Nota: 8.9
Filme Assistido em: 1961

Elenco

James Cagney George M. Cohan
Joan Leslie Mary
Walter Huston Jerry Cohan
Richard Whorf Sam Harris
Irene Manning Fay Templeton
George Tobias Dietz
Rosemary DeCamp Nellie Cohan
Jeanne Cagney Josie Cohan
Frances Langford Cantora
George Barbier Erlanger
S.Z. Sakall Schwab
Walter Catlett Gerente do Teatro
Douglas Croft George M. Cohan, aos 13 anos
Eddie Foy Jr. Eddie Foy
Minor Watson Albee
Odette Myrtil Madame Bartholdi
Patsy Parsons Josie Cohan, aos 12 anos
Jack Young O Presidente
Pat Flaherty Sgt. Lewis
Leon Belasco Mágico
Phyllis Kennedy Fanny
Jo Ann Marlowe Josie Cohan, aos 6 anos
Eddie Acuff Repórter
Vivian Austin Pianista
Henry Blair George M. Cohan, aos 7 anos
Georgia Carroll Betsy Ross
Joan Winfield Sally

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (James Cagney)

Oscar de Melhor Gravação de Som (Nathan Levinson)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de um Musical (Ray Heindorf, Heinz Roemheld)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (James Cagney)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Ator (James Cagney)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (Michael Curtiz)

Oscar de Melhor História Original (Robert Buckner)

Oscar de Melhor Edição (George Amy)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Walter Huston)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Direção (Michael Curtiz)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

O ator e compositor George M. Cohan está representando o presidente Franklin D. Roosevelt no musical “I’d Rather be Right”, de George S. Kaufman e Moss Hart, quando é convocado para se encontrar com o presidente na Casa Branca. Em resposta às perguntas do presidente, George conta-lhe a história de sua vida: Ele nasceu em 4 de julho de 1878, tendo como pais os atores de vaudeville Jerry e Nellie Cohan. Pouco tempo depois, sua irmã Josie nasceu e logo a família passou a se apresentar pelo País como "The Four Cohans".

Ao serem contratados para trabalharem em “Peck’s Bad Boy”, a família se vê obrigada a dar uma parada em suas apresentações. Aos treze anos, George, a estrela da peça, já é um grande sucesso. Vários anos depois, ele conhece uma aspirante à cantora, Mary, que o procura nos bastidores para pedir seus sábios conselhos sobre como entrar para o show business. Os Cohans e Mary, que logo toma conhecimento da verdadeira idade de George, vão para Nova York, onde ele procura vender as músicas que escrevera.

Ao descobrir que os "The Four Cohans" estão perdendo oportunidades por causa de sua reputação de comportamento imperioso, ele finge que sua peça foi vendida para que os outros aceitem reservas sem ele. Mais tarde, em um Bar, George ouve Sam Harris falando com Schwab, um potencial financiador, e lhe oferece seu novo musical, “Little Johnny Jones”. Assim, Sam e George se tornam parceiros e produzem uma série de peças que apresentam a fórmula popular de histórias de sucesso.

Algum tempo depois, George propõe à Mary, Josie se compromete e os Cohans mais antigos compram uma fazenda e se aposentam. É o fim dos "The Four Cohans", e George aproveita a oportunidade para escrever “Popularity”, uma peça séria. Ele falha miseravelmente, mas a notícia de seu fracasso é abafada pelo afundamento do navio Lusitânia pelos alemães em 1915. Quando os Estados Unidos entram na guerra, George tenta se alistar, mas com trinta e nove anos, é muito velho para ser um soldado. Incapaz de lutar, ele escreve a inspiradora música “Over There”.

Terminada a Primeira Guerra Mundial, George escreve novos shows. Pouco tempo depois, com as mortes de Josie, Nellie e seu pai, ele dissolve sua parceria com Sam para que ele e Mary possam descansar mais e viajar para a Europa e a Ásia. Eles terminam na fazenda da família, onde George finge aproveitar sua vida, mas ele odeia estar fora do centro das atenções. Depois que um grupo de adolescentes o observa lendo a Variety, ele percebe o quanto ainda ele pode atuar e aceita o convite de Sam para estrelar “I’d Rather be Right”.

O presidente, que havia escutado silenciosamente a história de George, agora apresenta-lhe a Medalha de Honra do Congresso por suas músicas "Over There" e "It is a Grand Old Flag". George é o primeiro ator a receber tal honra e, ao sair da Casa Branca, ao ver uma parada de soldados acompanhada por uma banda, onde todos cantam “Over There”, ele orgulhosamente se junta a eles.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Michael Curtiz, a partir de um roteiro escrito por Robert Buckner e Edmund Joseph, “A Canção da Vitória” é um excelente filme produzido pela Warner Brothers Pictures, Inc., em 1942. Sua trama conta a história de George M. Cohan, um dos maiores bailarinos, compositores e cantores norte-americanos da época, tendo produzido mais de 40 musicais e composto mais de 500 canções.

Ganhador de três prêmios Oscars da Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, além de ter recebido outras cinco indicações, “A Canção da Vitória” faz parte da lista dos 250 melhores filmes de todos os tempos.

No elenco, James Cagney brilha no papel principal, o que lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator, além dos prêmios concedidos pelo National Board of Review e pelo Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York. Ainda no elenco, com ótimas atuações, destacam-se Walter Huston, Rosemary DeCamp e Joan Leslie.

CAA