Filmes por gênero

BRUTALIDADE (1947)

Brute force
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Les démons de la liberté (França)
Fuerza bruta (Espanha)
Forza bruta (Itália)
Zelle R 17 (Alemanha, Austria)
Brutal magt (Dinamarca)
Wet zonder recht (Holanda)
Med våldets rätt (Suécia)
Brutalna sila (Polônia)
Грубая сила (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Filme Noir, Suspense, Crime, Drama
Direção: Jules Dassin
Roteiro: Richard Brooks
Produção: Mark Hellinger
Música Original: Miklós Rózsa
Fotografia: William H. Daniels
Edição: Edward Curtiss
Direção de Arte: Bernard Herzbrun, John DeCuir
Figurino: Rosemary Odell
Maquiagem: Bud Westmore
Efeitos Sonoros: Robert Pritchard, Charles Felstead
Efeitos Especiais: David S. Horsley
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1951

Elenco

Burt Lancaster Joe Collins
Hume Cronyn Capitão Munsey
Charles Bickford Gallagher
Yvonne De Carlo Gina Ferrara
Ann Blyth Ruth
Ella Raines Cora Lister
Anita Colby Flossie
Roman Bohnen Barnes
Sam Levene Louie Miller
Jeff Corey Stack
John Hoyt Spencer
Jack Overman Kid Coy
Howard Duff Robert Becker
Art Smith Dr. Walters
James O'Rear Wilson
Jay C. Flippen Hodges
Vince Barnett Muggsy
Richard Gaines McCollum
Frank Puglia Ferrara
Whit Bissell Tom Lister
Francis McDonald Regan
Edmund Cobb Bradley
Alex Frazer Capelão
Tom Steele Tom
Glenn Strange Tompkins
Ray Teal Jackson
Harry Wilson Tyrone
Frank Marlowe Prisioneiro

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em uma manhã escura e chuvosa, na prisão de Westgate, prisioneiros amontoados em uma pequena cela assistem, através da janela, como Joe Collins retorna de seu confinamento solitário. Joe está irritado e fala sobre a fuga. O diretor encontra-se sob pressão para melhorar a disciplina. Seu chefe de segurança, o Capitão Munsey, é um sádico que manipula os presos para que criem problemas que lhe permitam impor determinadas punições. O Dr. Walters, um médico da prisão que frequentemente se mostra embriagado, adverte que a prisão é um barril de pólvora e irá explodir se não forem tomados certos cuidados. Ele denuncia a abordagem de Munsey e reclama que povo e os funcionários públicos não conseguem entender a necessidade de reabilitação.

O advogado de Joe diz a ele que sua esposa Ruth não está disposta a se submeter a uma cirurgia contra um câncer, se ele não puder estar ao seu lado. Ele se vinga do prisioneiro Wilson que, instigado pelo Capitão Munsey, teria plantado uma arma que lhe rendeu sua passagem pela solitária. Nesse sentido, Joe organiza um ataque brutal contra Wilson na oficina mecânica da prisão, com o cuidado de conseguir para si um álibi ao procurar o médico no momento em que o crime estiver sendo praticado.

Em seguida, Joe pressiona outro preso, Gallagher, a ajudá-lo a escapar da prisão, mas ele tem um bom emprego no jornal da instituição, além de uma promessa de liberdade condicional para breve, feita por Munsey. Logo depois, o capitão instiga o suicídio de um dos presos, dando às autoridades superiores a oportunidade de revogarem todos os privilégios dos prisioneiros, bem como de cancelarem audiências de liberdade condicional. Gallagher sente-se traído e decide se juntar ao plano de fuga de Joe que, basicamente, consiste em um ataque à Torre da Guarda, onde eles podem obter acesso à alavanca que baixa uma ponte que controla o acesso à prisão.

Enquanto o plano de fuga toma forma, cada um dos presos da célula R17 conta sua história e, em cada caso, o amor por uma mulher foi o que o levou a ter problemas com a lei. Munsey toma conhecimento de detalhes do plano de fuga, através de um informante, e o pátio da prisão se transforma em um motim violento e sangrento.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Jules Dassin, a partir de um roteiro escrito por Richard Brooks, “Brutalidade” é um ótimo filme ‘noir’ produzido pelas Universal International Pictures e Mark Hellinger Productions  em 1947. Sua trama, baseada numa história de Robert Patterson, é muito bem construída, com flashbacks mostrando a conexão de três prisioneiros com suas mulheres.

Embora não se trate de uma obra premiada, a direção de Dassin é de primeira linha, assim como a fotografia em preto e branco de William H. Daniels e a música de Miklós Rózsa.

No elenco, Burt Lancaster brilha no papel do prisioneiro Joe Collins, seguido pelas boas atuações de Charles Bickford e Roman Bohnen.

CAA