Filmes por gênero

POLARÓIDES URBANAS (2008)

imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Pais: Brasil
Gênero: Comédia Dramática
Direção: Miguel Falabella
Roteiro: Miguel Falabella
Produção: Paula Barreto, Bruno Barreto
Design Produção: Claudio Amaral Peixoto
Música Original: Guto Graça Mello
Fotografia: Gustavo Hadba
Edição: Diana Vasconcellos
Direção de Arte: Cláudio Amaral Peixoto
Figurino: Marcelo Pies
Efeitos Sonoros: Jorge Saldanha, Ricardo Cutz, Rodrigo de Noronha
Nota: 6.3
Filme Assistido em: 2008

Elenco

Marília Pêra Magda / Magali
Arlete Salles Lise Delamare
Natália do Vale Dra. Paula Montevecchio
Ana Roberta Gualda Melanie
Otávio Augusto Edmundo
Neusa Borges Crioula
Juliana Baroni Vanessa
Nicolas Trevijano Mike
Alexandre Slaviero Arnaldo
Stella Miranda Dulce
Marcos Caruso Adalberto
Ingrid Guimarães Verley
Berta Loran Malka
Jacqueline Guimarães Renée
Marcelo Adnet Taxista
Andréa Dias Sulamita
Gisela Mattoso Olimpia
Guida Viana Adélia

Prêmios

Festival do Cinema Brasileiro de Miami, EUA

Prêmio do Público (Melhor Filme)

Prêmio Lente de Cristal de Melhor Atriz (Marília Pêra)

Prêmio Lente de Cristal de Melhor Roteiro

Sinopse

No Rio de Janeiro, ao se abrir a cortina de um teatro para a encenação da tragédia “Antígona” de Sófocles, a atriz Lise Delamare sofre uma crise de pânico, esquecendo as falas e irritando os companheiros de cena, em especial a intérprete de Ismênia e, aos gritos, interrompe o espetáculo, passando a expor ao público sua própria tragédia pessoal.

Numa das poltronas, a dona-de-casa Magali comenta que não costuma ir ao teatro e, quando resolve fazê-lo, acontece de não ter espetáculo e da estrela protagonizar um escândalo real. Quando a atriz a aponta e lhe indaga o porquê de ter ido ao teatro naquela noite, Magali responde que decidira assistir a uma tragédia grega para ver se passaria a achar graça em sua própria vida.

No consultório da psicoterapeuta Dra. Paula Montevecchio, as duas voltam a se encontrar. Quando Lise sai da sala da médica, Magali entra para mais uma sessão de terapia, oportunidade em que fala do comportamento autoritário do marido, das extravagâncias e indiferença de sua irmã gêmea, a fútil Magda, e de sua própria e tediosa vida. A renomada médica não demonstra o menor interesse nos problemas de sua cliente e, pouco depois de terminada a sessão, recebe um telefonema da filha, Melanie, ameaçando desaparecer, o que a faz deixar o consultório às pressas.

Na rua, ela se encontra com Lise, que já havia sido perseguida por fãs, com suas máquinas fotográficas, e as duas terminam se engalfinhando na disputa por um táxi.

Enquanto isso, Melanie, que acredita só ter sido amada pela governanta e sua ama de leite, Crioula, sai de casa depois de ter arrombado o armário da mãe e se apossado de diversas caixas de comprimidos 'tarja preta'. Na Academia que freqüenta, encontra-se com Vanessa, uma jovem que cultiva sua própria beleza e sensualidade, esnoba os namorados que por ela se apaixonam, como Mike, um garoto de programa, e Arnaldo, filho de Magali. Na realidade, ela busca alguém que lhe proporcione uma posição social mais elevada e lhe dê oportunidades para se tornar uma pessoa famosa, uma celebridade.

Na Lagoa Rodrigo de Freitas, depois de ser assaltada por dois trombadinhas e de ingerir uma grande quantidade de comprimidos, Melanie telefona desesperada para o Centro de Atendimento a Possíveis Suicidas, sendo atendida por Dulce, uma das voluntárias que lá trabalham. Esta, depois de ouvir o pedido de ajuda da jovem, parte ao encontro de Melanie, conseguindo salvá-la.

Enquanto isso, Mike vê Arnaldo ser humilhado por Vanessa com a mesma frase com que fora ele próprio também dispensado. De adversários, os dois passam a se identificar e Mike ampara Arnaldo, completamente embriagado, em sua volta para casa.

Assim, na tumultuada vida urbana, marcada por violência, solidão e falta de sentido, esses personagens se relacionam de formas surpreendentes, provocando transformações e recuperação de alguns sonhos.

imagem imagem imagem

Comentários

"Polaróides Urbanas" é uma boa comédia de costumes do cinema brasileiro. Realizada por Miguel Falabella, sua trama gira em torno de problemas urbanos de grandes cidades, tais como a violência, a solidão, a falta de atenção para com o próximo.

Estreando como diretor de um longa-metragem, Falabella parte de um roteiro por ele escrito, inspirado num de seus grandes sucessos do teatro, a peça "Como Encher um Biquíni Selvagem". Embora cometa alguns exageros, ao caricaturar excessivamente certos personagens, seu trabalho pode ser considerado como muito bom.

No elenco, dominado por atores da Rede Globo, o maior destaque é Marília Pêra, com uma brilhante atuação, em dois papéis de irmãs gêmeas. Merecem ainda ser mencionadas a ótima fotografia de Gustavo Hadba e a trilha sonora, que se inicia com uma ópera de Verdi, quando da encenação da tragédia grega no teatro, passando às músicas populares, como no caso de uma bela canção de Adriana Calcanhoto.

CAA