Filmes por gênero

NASCE UMA ESTRELA (1954)

A Star is born
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Assim nasce uma estrela (Portugal)
Une étoile est née (França, Bélgica)
È nata una stella (Itália)
Ha nacido una estrella (Espanha)
Nace una estrella (Argentina, México, Venezuela)
Ein neuer Stern am Himmel (Alemanha, Austria)
En stjärna föds (Suécia)
En stjerne fødes (Dinamarca)
Narodziny gwiazdy (Polônia)
Звезда родилась (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Musical, Romance
Direção: George Cukor
Roteiro: Moss Hart
Produção: Sidney Luft
Design Produção: Gene Allen
Música Original: Harold Arlen, Leonard Gershe
Direção Musical: Ray Heindorf
Fotografia: Sam Leavitt
Edição: Folmar Blangsted
Direção de Arte: Malcolm Bert
Figurino: Jean Louis, Mary Ann Nyberg, Irene Sharaff
Guarda-Roupa: Irene Sharaff
Maquiagem: Del Armstrong, Gordon Bau
Efeitos Sonoros: Charles David Forrest, Charles Lang
Efeitos Especiais: Hans F. Koenekamp
Efeitos Visuais: Kevin Kutchaver
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1955

Elenco

Judy Garland Vicki Lester / Esther Blodgett
James Mason Norman Maine
Jack Carson Matt Libby
Charles Bickford Oliver Niles
Tommy Noonan Danny McGuire
Lucy Marlow Lola Lavery
Amanda Blake Susan Ettinger
Irving Bacon Graves
Hazel Shermet Secretária de Libby
James Brown Glenn Williams
Frank Puglia Bruno
Rudolph Anders Sr. Ettinger
Willis Bouchey McBride
Frank Ferguson Juiz
Lotus Robb Srta. Markham
Jack Baker Pai
George Becwar Diretor Assistente
Ross Carmichael Fotógrafo
Tom Kingston Repórter
Blythe Daley Srta. Nora Fusselow
Franklyn Farnum Ray
George Fisher George
Bess Flowers Atendente na Academia de Hollywood
Bob Jellison Eddie
George Kitchel Repórter

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator em um Musical ou Comédia (James Mason)

Prêmio de Melhor Atriz em um Musical ou Comédia (Judy Garland)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (James Mason)

Oscar de Melhor Atriz (Judy Garland)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Malcolm Bert, Gene Allen, Irene Sharaff, George James Hopkins)

Oscar de Melhor Figurino a cores (Jean Louis, Mary Ann Nyberg, Irene Sharaff)

Oscar de Melhor Canção Original (Harold Arlen, Ira Gershwin)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de um Musical (Ray Heindorf)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Judy Garland)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (George Cukor)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Judy Garland)

Prêmio de Melhor Ator (James Mason)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Musical Americano (Moss Hart)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Hollywood, durante um show beneficente no Shrine Theatre, o ator  Norman Maine é a grande atração aguardada por todos.  Atrasado e embriagado, ele chega ao teatro onde, ao vê-lo, Matt Libby faz de tudo para evitar que ele apronte algum tipo de vexame.

Quando Esther Blodgett apresenta um número de canto e dança, acompanhada pela Orquestra de Glenn Williams, Norman burla a vigilância e entra no palco.  A tensão é enorme.  Esther, no entanto, sem parar sua apresentação, consegue incorporá-lo ao seu número, evitando um maior embaraço e sendo delirantemente aplaudida ao final.

Nos bastidores, ele lhe agradece por ela ter evitado um problema maior no palco e lhe convida para jantarem juntos.  Ela dá uma desculpa e sai em companhia de Danny McGuire, o pianista.  Quando os dois voltam a se encontrar, ela se acha no meio de um ensaio.  Acreditando que ela pode tornar-se uma grande estrela, Norman insiste para que ela largue o seu atual emprego e passe a sonhar mais alto.  Confiando em suas palavras, ela deixa a orquestra, que viaja para São Francisco.

Em casa, aguarda um telefonema de Norman, que lhe prometera conseguir um teste de tela.  Ele, entretanto, viaja com a equipe de seu novo filme por seis semanas.  Sem a orquestra, Esther consegue participar de alguns pequenos comerciais para a TV e trabalhar numa lanchonete.

Ao retornar da viagem, Norman a procura e mantém sua promessa de torná-la uma grande estrela.  Depois de algum tempo, consegue a oportunidade que tanto procurava, quando a estrela de uma comédia musical cancela seu contrato.  Assim, Esther, rebatizada com o nome artístico de  Vicki Lester, inicia uma nova carreira ao receber o convite para substituí-la.

Ao vê-la, Oliver Niles, o chefão do Estúdio para o qual Norman trabalha, e seu assistente, Matt Libby, oferecem-lhe um contrato e, em pouco tempo, ela se torna uma das principais estrelas  do Estúdio.  Por outro lado, a carreira de Norman entra em declínio.  Para não prejudicar a imagem dela, ele procura se afastar, mas Esther, apaixonada, diz que o ama e que precisa muito dele.

Os dois se casam, numa cerimônia simples e, pouco depois, Norman é informado que o Estúdio está cancelando seu contrato.  A Oliver, ele pede que esconda por algum tempo esse assunto de Esther.  Enquanto isso, a estrela Vicki continua em ascensão, a ponto de, por ocasião da cerimônia de entrega do Oscar, ela ser agraciada com a estatueta de Melhor Atriz.  No momento em que, no palco, ela faz seu agradecimento, Norman chega embriagado, provocando um mal-estar geral.

Recolhido a uma Clínica de Reabilitação, mesmo depois de algum tempo sem beber, Esther sente que ele está se arruinando por se sentir um fracassado.  Após uma conversa com ela, Oliver decide oferecer um papel coadjuvante a Norman em seu novo filme, numa tentativa de aumentar sua auto-estima.  Pessoalmente, vai à Clinica e lhe entrega uma cópia do roteiro.  Norman não o aceita pelo fato do papel atribuído a ele não ser o principal.  De qualquer forma, ao se despedir, Oliver deixa o roteiro para ele dar uma olhadela sem compromisso.

Ao receber alta, Norman vai ao Jockey Club, onde encontra Libby.  Este, talvez para mexer com seus brios, diz-lhe que ele deve estar sentindo-se muito bem sendo sustentado pela mulher.  Norman reage e termina no chão depois de uma briga.  Em seguida, pede uma dose dupla de whisky no bar do Jockey.

Quatro dias passam-se sem que ele volte para casa.  Desesperada, Esther recebe a visita de Oliver quando o telefone toca.  A ligação é de uma Delegacia Policial, informando-lhe que Norman acha-se preso por dirigir embriagado.  No tribunal, para evitar que ele seja condenado a um período de reclusão, Esther assume, perante a Corte, a responsabilidade de tê-lo sob sua custódia.

Já em casa, ela comenta com Oliver sua decisão de renunciar ao cinema para poder se dedicar exclusivamente ao marido.  Norman ouve a conversa e decide se suicidar, alegando que vai apenas dar um mergulho no mar, defronte à sua mansão.

A morte do marido faz com que Esther decida se afastar das luzes por algum tempo.  Com a ajuda sempre presente de Oliver e de Danny, ela retoma sua carreira ao participar do show anual do Shrine Theatre, onde se apresenta com o nome de Sra. Norman Maine, sendo calorosamente ovacionada por todos os presentes.

imagem

Comentários

"Nasce uma Estrela" é um remake de seu homônimo produzido em 1937, sob a direção de William A. Wellman.  Ambas as versões são ótimas.  A primeira recebeu 8 indicações ao Oscar, duas das quais relativas à melhor história e ao melhor roteiro, enquanto esta apenas 6.  Se considerarmos que história e roteiro são basicamente os mesmos nas duas versões, concluiremos que, em número de indicações, elas se equivalem.  As principais diferenças estão na melhor direção de Wellman e na presença de Judy Garland com seus memoráveis números musicais.

Cukor consegue imprimir um ritmo perfeito ao longo de basicamente três horas de projeção.  As músicas e suas interpretações, a cargo de Garland, por outro lado, já tornam "Nasce uma Estrela" um filme imperdível.  A canção "The Man that Got Away", de Ira Gershwin & Harold Arlen, foi indicada ao Oscar.  Por outro lado, reconhecida internacionalmente como uma das melhores cantoras americanas, Judy Garland tem oportunidade de mostrar suas qualidades como atriz dramática e cômica, fato comprovado por sua indicação ao Oscar de Melhor Atriz, perdendo a estatueta para Grace Kelly, por sua atuação em "Amar é Sofrer".  No páreo haviam ainda Audrey Hepburn (Sabrina), Jane Wyman (Sublime Obsessão) e Dorothy Dandridge (Carmen Jones).  Também indicado ao Oscar, James Mason  demonstra uma perfeita química ao lado de Judy.

A fotografia de Sam Leavitt é um outro quesito que, por sua ótima qualidade, merece também ser aqui destacada.

CAA