Filmes por gênero

JANE EYRE (1943)

Jane Eyre
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A paixão de Jane Eyre (Portugal)
Alma rebelde (Espanha)
Tuyo es mi destino (México)
La porta proibita (Itália)
Die Waise von Lowood (Alemanha, Austria)
A lowoodi árva (Hungria)
Et vajsenhusbarn (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama
Direção: Robert Stevenson
Roteiro: Robert Stevenson, Aldous Huxley, John Houseman
Produção: William Goetz, Orson Welles, Kenneth Macgowan
Design Produção: William L. Pereira
Música Original: Bernard Herrmann
Fotografia: George Barnes
Edição: Walter Thompson
Direção de Arte: James Basevi, Wiard Ihnen
Figurino: René Hubert
Guarda-Roupa: Sam Benson
Maquiagem: Guy Pearce
Efeitos Sonoros: W.D. Flick, Roger Heman Sr.
Efeitos Especiais: Fred Sersen
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1949

Elenco

Joan Fontaine Jane Eyre
Orson Welles Edward Rochester
Margaret O'Brien Adele Varens
Peggy Ann Garner Jane Eyre, mais jovem
John Sutton Dr. Rivers
Sara Allgood Bessie
Henry Daniell Henry Brocklehurst
Agnes Moorehead Sra. Reed
Aubrey Mather Cel. Dent
Edith Barrett Sra. Fairfax
Elizabeth Taylor Helen Burns
Barbara Everest Lady Ingram
John Abbott Mason
Hillary Brooke Blanche Ingram
Mary Forbes Sra. Eshtor
Ethel Griffies Grace Poole
Ronald Harris John
Eily Malyon Sra. Scatcherd
Mae Marsh Leah
Erskine Sanford Sr. Briggs

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse


Em 1829, Jane Eyre, uma jodem órfã de nove anos de idade, vive na propriedade de uma cruel tia, a Sra. Reed, que se acha determinada a enviá-la para um austero internato dedicado a órfãos e crianças pobres, dirigido pelo Sr. Henry Brocklehurst. Este recomenda que professores e alunos evitem Jane, recomendação que não é seguida por uma das alunas, Helen, que se torna sua grande amiga.

A despeito da austeridade do colégio, Jane aprecia o fato de estar aumentando seus conhecimentos e, principalmente, a amizade de Helen que se aprofunda com o tempo. Ela aprecia também a atenção do Dr. Rivers, que se preocupa com os alunos e aconselha Brocklehurst a tratá-los com mais humanidade.

Certo dia, Brocklehurst corta o cabelo encaracolado de Helen e, em seguida, ordena que ela e Jane caminhem na chuva como castigo por sua vaidade e rebeldia. Tal experiência é fatal para Helen. Após a morte da jovem, Dr. Rivers incentiva Jane a enterrar sua dor e continuar sua educação, o que ela faz durante os dez anos que se seguem.

Em 1839, Brocklehurst oferece à Jane um emprego como professora, mas ela está determinada a largar o colégio. Depois de colocar um anúncio, Jane viaja até uma propriedade conhecida como Thornfield, onde ela conhece a Sra. Fairfax, a governanta. A Sra. Fairfax explica que a aluna de Jane será uma garota francesa, chamada Adele, que é tutelada do proprietário Edward Rochester, que se acha ausente.

Certa noite, quando Jane faz uma caminhada, um cavaleiro sai da névoa e quase a atropela. Com a queda, ele torce o tornozelo e, em seguida, se afasta sem se apresentar. Ao regressar à Thornfield, Jane toma conhecimento, através da Sra. Fairfax, que o cavaleiro que quase a atropelou é o Sr. Rochester. A governanta aconselha Jane a fazer concessões a ele, que muitas vezes fica longe de Thornfield por causa das memórias desagradáveis que carrega.

No dia seguinte, o Sr. Rochester procura Jane, ocasião em que se mostra feliz ao sentir sua honestidade quando afirma espontaneamente que não o acha um homem atraente. Esse simples fato faz com que nasça uma sólida amizade entre os dois.

Naquela noite, Jane é despertada com um riso estranho e, ao correr para o corredor, ela vê fumaça saindo do quarto de Rochester. Ela o acorda antes que ele seja atingido pelo fogo. Na ocasião, Rochester diz supor que o incêndio foi provocado por uma instável costureira que vive numa ala pouco usada da mansão.

Embora o incidente os aproxime, na manhã seguinte Jane se mostra aflita ao ficar sabendo que Rochester foi a uma festa na casa de Blanche Ingram. Algum tempo depois, para desgosto de Jane, a Sra. Fairfax comenta que Rochester deverá em breve se casar com Blanche. No entanto, o relacionamento dos dois é rompido quando ele descobre que a noiva está mais interessada em seu dinheiro do que nele próprio.

Em seguida, Rochester testa Jane ao informar-lhe que encontrou um novo cargo para ela. Desesperada, ela finalmente confessa seu amor por ele que, apaixonadamente, lhe propõe casamento. Adele se mostra emocionada ao saber que Jane será sua nova mãe, mas esta, ao tomar conhecimento de que, embora seja uma doente mental, a mulher de Rochester encontra-se viva, decide deixar a mansão apesar dos seus pedidos para que ela fique.

Sem outro lugar para ir, Jane retorna para a casa da Sra. Reed, sua cruel tia que se encontra doente, passando a cuidar dela até sua morte. Em seguida, ao saber, por intermédio do Dr. Rivers, que Rochester não para de pedir notícias suas, ela lhe implora para que ignore seus pedidos. No entanto, certa noite Jane tem uma forte impressão de que ele está passando por um grave problema e que não para de chamá-la. Impressionada, ela corre até Thornfield, onde a Sra. Fairfax lhe conta que a mulher de Rochester ateou fogo na mansão e que ele ficou gravemente ferido ao tentar salvá-la. Logo depois, Rochester entra nas ruínas da mansão e Jane percebe que ele ficou cego. Feliz por reencontrá-lo, ela o convence de que seus sentimentos por ele são maiores do que uma mera piedade.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Robert Stevenson, “Jane Eyre” é um ótimo filme baseado numa obra de Charlotte Brontë e produzido pela Twentieth Century Fox em 1943.

Na direção, Stevenson nos brinda com um ótimo trabalho, no que é ajudado pela esplêndida fotografia em preto e branco de George Barnes. A música de Bernard Herrmann é outro quesito que merece ser elogiado.

No elenco, com atuações bastante convincentes, destacam-se Orson Welles e Joan Fontaine. Aos 11 anos de idade, Elizabeth Taylor interpreta a jovem Helen Burns.

CAA