Filmes por gênero

NA NOITE DO PASSADO (1942)

Random harvest
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A noiva perdida (Portugal)
Prisonniers du passé (França)
Prigionieri del passato (Itália)
Niebla en el pasado (Espanha)
En la noche del pasado (Argentina, México)
Gefundene jahre (Alemanha, Austria)
Slumpens skördar (Suécia)
Tilfældets høst (Dinamarca)
Gevangenen van 't verleden (Holanda)
Плоды случайности (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Melodrama
Direção: Mervyn LeRoy
Roteiro: Claudine West, George Froeschel, Arthur Wimperis
Produção: Sidney Franklin
Música Original: Herbert Stothart
Fotografia: Joseph Ruttenberg
Edição: Harold F. Kress
Figurino: Robert Kalloch
Maquiagem: Jack Dawn
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1948

Elenco

Ronald Colman Charles Rainier / John Smith
Greer Garson Paula / Margaret
Philip Dorn Dr. Jonathan Benet
Susan Peters Kitty
Henry Travers Dr. Sims
Reginald Owen 'Biffer'
Bramwell Fletcher Harrison
Rhys Williams Sam
Aubrey Mather Sheldon
Margaret Wycherly Sra. Deventer
Arthur Margetson Chetwynd
Melville Cooper George
Alan Napier Julian
Jill Esmond Lydia
Marta Linden Jill
Ann Richards Bridget
Norma Varden Julia
David Cavendish Henry Chilcet
Ivan F. Simpson O vigário
Charles Waldron Sr. Lloyd
Elisabeth Risdon Sra. Lloyd
Edward Fielding Primeiro Ministro
Reginald Sheffield Juiz
Lumsden Hare Sir John
Peter Lawford Soldado
Hilda Plowright Enfermeira
Arthur Shields Químico
Olive Blakeney Srta. Barnes
John Burton Pearson
Wallis Clark Jones
Clifford Severn Albert

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (Mervyn LeRoy)

Oscar de Melhor Ator (Ronald Colman)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Susan Peters)

Oscar de Melhor Roteiro (George Froeschel, Claudine West, Arthur Wimperis )

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Interiores (Cedric Gibbons, Randall Duell, Edwin Willis, Jack D. Moore)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Herbert Stothart)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (Ronald Colman)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

John Smith é um oficial britânico que perdeu a memória quando lutava nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial. Em face desse problema, ele foi internado em um asilo como uma pessoa não identificada e com dificuldades para se expressar.

Terminada a guerra, o júbilo irrompe na cidade de Melbridge, onde ele se encontra, com os porteiros abandonando seus postos para participarem da celebração. Sem ninguém para detê-lo, Smith simplesmente deixa o asilo e passa a vagar pelas ruas.

Na cidade, ele faz amizade com a cantora Paula. Embora suponha que ele viva no asilo, como parece ser uma pessoa inofensiva, ela arranja para que ele se junte e viaje com seu grupo teatral. Depois de um incidente que ameaça trazer uma atenção indesejada, ela o leva até uma aldeia rural isolada, onde eles se casam e são muito felizes.

Smithy, como Paula o chama, descobre ser possuidor de um talento literário e tenta escrever para ganhar a vida. Paula permanece em casa com seu bebê recém-nascido, enquanto ele vai à Liverpool para uma entrevista de emprego em um jornal da cidade. Lá, ao ser atropelado por um táxi, ele recupera sua memória passada, mas sua vida com Paula é totalmente esquecida. Ele é, na verdade, Charles Rainier, filho de um rico empresário. Nenhuma de suas posses, incluindo uma chave, fornece qualquer pista de como ele chegou ali a partir do campo de batalha localizado na França.

Ele retorna para casa no dia do funeral de seu pai, para espanto de todos, que o julgavam morto. Kitty, adolescente de 15 anos e enteada de um dos irmãos de Charles, se apaixona pelo “tio”.

Na verdade, ele quer voltar para a faculdade, mas os negócios mal administrados da família precisam de sua ajuda. Assim, ele renuncia a seus próprios desejos para salvaguardar os postos de trabalho dos muitos trabalhadores e restaurar a fortuna da família. Depois de alguns anos, um jornal o elogia como sendo o “Príncipe Industrial da Inglaterra”.

Enquanto isso, Paula continua procurando seu Smithy. Seu filho morrera bem novo e ela voltou a trabalhar como secretária. Certo dia, ela vê a foto de Charles em um jornal e consegue se tornar sua assistente executiva, com o nome de Margaret. Na realidade, Paula era seu nome artístico como cantora. Sua esperança é que sua presença faça com que ele se recorde do tempo que passaram juntos. Seu confidente e admirador, Dr. Jonathan Benet, lhe diz que revelar sua identidade só iria causar ressentimentos em Charles.

À medida que Kitty cresce, seu amor por Charles só faz aumentar e os dois terminam se envolvendo. Sete anos se passam desde que ele recobrou a memória. Margaret tem uma certidão declarando Smithy legalmente morto. No entanto, um hino que Kitty está a considerar para o seu próximo casamento desencadeia uma vaga lembrança em Charles. Kitty percebe que ele ainda ama alguém e de coração partido, rompe o noivado.

Quando Margaret toma conhecimento de que Charles se encontra em Liverpool tentando, pela última vez, juntar seus anos perdidos, ela vai ao seu encontro. Eles conseguem recuperar sua mala em um hotel, mas Charles não reconhece nada.

Ao retornarem, ele disputa uma cadeira no Parlamento. Uma vez eleito, com uma assistência inestimável de Margaret, ele sente necessidade de uma esposa em seu novo papel. Ele lhe propõe casamento, mais como uma proposta de negócio, e ela aceita. Os dois se tornam um casal ideal, pelo menos na aparência, e Margaret se mostra a anfitriã perfeita junto à sociedade.

Às vezes, eles discutem seu passado perdido, o que a deixa infeliz. Depois de algum tempo, ela decide tirar umas férias prolongadas no exterior. Antes de embarcar num transatlântico, ela revisita a aldeia onde ela e Smithy viveram. Enquanto isso, Charles é chamado a mediar uma greve em Melbridge. Terminada sua missão, ele caminha pelas ruas, que se mostram familiares e, aos poucos, suas memórias perdidas começam a ser desbloqueadas, a ponto de levá-lo à casa de campo onde ele e Paula viveram. Hesitante, ele tenta uma chave antiga que mantivera consigo, e descobre que ela abre a porta. Por outro lado, Margaret faz uma observação casual sobre o antigo proprietário da casa de campo, junto ao atual hospedeiro, e este observa que alguém, naquela manhã, havia feito o mesmo. Ela corre até a casa e grita por Smithy. Ele, com a memória recuperada, a chama de Paula e os dois se abraçam.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Mervyn LeRoy e produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer, “Na Noite do Passado” é um excelente melodrama norte-americano.

A direção de LeRoy é consistentemente boa, apresentando um ótimo ritmo do início ao fim. Os diálogos são inteligentes, dentro de um roteiro muito bem estruturado, sem clichês. Merecem ainda ser destacadas a bela música de Herbert Stothart e as magníficas atuações de Ronald Colman, Greer Garson e Susan Peters.

Enfim, “Na Noite do Passado” é um daqueles filmes que só a Idade de Ouro de Hollywood costumava fazer.

CAA