Filmes por gênero

LANCEIROS DA INDIA (1935)

The lives of a Bengal lancer
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: I lancieri del Bengala (Itália)
Les trois lanciers du Bengale (França)
Tres lanceros bengalíes (Espanha)
Tres lanceros de Bengala (Argentina, México)
Bengali (Alemanha, Austria)
En bengalisk lansiär (Suécia)
Englands sønner (Dinamarca)
Bengaalsche lanciers (Holanda)
Жизнь Бенгальского улана (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Aventura, Drama
Direção: Henry Hathaway
Roteiro: John Balderston, Waldemar Young, Achmed Abdullah
Produção: Louis D. Lighton
Música Original: Heinz Roemheld, John Leipold, Herman Hand, Milan Roder
Coreografia: LeRoy Prinz
Fotografia: Charles Lang
Edição: Ellsworth Hoagland
Direção de Arte: Hans Dreier, Roland Anderson
Figurino: Travis Banton
Efeitos Sonoros: Harold Lewis, Franklin Hansen
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1945

Elenco

Gary Cooper Ten. Alan McGregor
Franchot Tone Ten. Forsythe
Richard Cromwell Ten. Donald Stone
C. Aubrey Smith Major Hamilton
Kathleen Burke Tania Volkanskaya
Douglass Dumbrille Mohammed Khan
Monte Blue Hamzulla Khan
Colin Tapley Ten. Barrett
Akim Tamiroff Otamanu, emir de Gopal
Noble Johnson Ram Singh
J. Carrol Naish Grande Vizir
Jameson Thomas Hendrickson
James Bell Oficial indiano
Lumsden Hare Maj. Gen. Sir Thomas Woodley
Guy Standing Cel. Tom Stone
Jamiel Hasson Oficial indiano
Clive Morgan Capt. Norton
Sam Harris Oficial britânico
Ray Cooper Assistente do Grand Vizir
Carlie Taylor Oficial britânico
Myra Kinch Dançarina
Jack Padjan Lanceiro britânico
James Warwick Ten. Gilooley

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Diretor Assistente (Clem Beauchamp)

Oscar de Melhor Diretor Assistente (Paul Wing)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (Henry Hathaway)

Oscar de Melhor Roteiro (Achmed Abdullah, John Balderston, Grover Jones, W. McNutt , Waldemar Young )

Oscar de Melhor Direção de Arte (Hans Dreier, Roland Anderson)

Oscar de Melhor Gravação de Som (Franklin Hansen)

Oscar de Melhor Edição (Ellsworth Hoagland )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na Índia colonial, o Coronel Stone e o 41º Regimento dos Lanceiros de Bengala lutam contra rebeldes indianos nas colinas. Incluído nesse Regimento, acha-se o Tenente Alan McGregor, um escocês-canadense que veio para a Índia por puro espírito aventureiro.

O Major Hamilton, um velho amigo de Stone, envia para o filho deste, Donald, informações sobre o coronel a fim de que o jovem, que acaba de sair da Escola Militar de Sandhurst, possa melhor conhecer seu pai antes que este passe para a reserva.

Anos antes, os pais de Donald separaram-se quando sua mãe americana percebeu que Stone estaria para sempre casado com o exército, fazendo com que Donald perceba que seu pai deseje ter apenas com ele um relacionamento profissional. Com ele, acha-se o Tenente Forsythe.

Enquanto McGregor e Forsythe lideram um grupo em direção à fronteira, o primeiro recebe uma mensagem do Tenente Barrett informando-o que o rebelde Mohammed Kahn está preparando um ataque contra o coronel. Kahn havia estimulado as tribos da fronteira, oferecendo-lhes munição.

No Quartel General do Exército, o Major-General Sir Thomas Woodley, Chefe da Inteligência, aconselha Stone a partir de madrugada para Gopal, por acreditar que Othman Ali Bahadoor, o Emir de Gopal, suposto aliado britânico, esteja solicitando munição para a entregar a Kahn. Uma vez lá, Stone recebe as boas vindas do Emir e é apresentado a Kahn. Enquanto isso, Donald dança com Tania Volkanskaya, mulher de Kahn. Quando  este jura sobre o Alcorão que suas terras estão à disposição de Stone, o Coronel pede-lhe para adiar sua partida por saber que os homens de Kahn estão à sua espera nas colinas para roubarem a munição que está em trânsito para Gopal.

No dia seguinte, o regimento caça porcos selvagens. Embora Stone advirta seus homens para não perseguirem porcos feridos, Donald o faz, e o coronel prova seu amor ao filho ao tentar resgatá-lo. Kahn encontra Donald com Tânia e o seqüestra. Quando McGregor e Forsythe procuram por Donald, eles vêem o cadáver torturado de Barrett caído de um cavalo. McGregor atira no cavaleiro e o ameaça ao falar sobre o paradeiro de Donald.

Quando Stone se recusa a mudar sua estratégia para salvar seu filho, McGregor insiste em ir sozinho, mas é preso por insubordinação. Embora Hamilton defenda Stone, ao dizer que homens como ele fizeram a Índia Britânica como ela é, McGregor e Forsythe partem para a Fortaleza de Kahn, em Mogala, disfarçados de comerciantes. Tânia os reconhece imediatamente e eles são aprisionados e torturados para que confessem a rota do carregamento da munição. Embora McGregor e Forsythe resistam à tortura, Donald revela a rota.

Kahn, então, intercepta com sucesso o carregamento de munição e prepara o combate contra Stone. Enquanto o Regimento de Stone se aproxima de Mogala, Forsythe rouba balas dos guardas, faz explodir o muro da prisão e, juntamente com McGregor, toca fogo na munição de Kahn. Mortalmente ferido, McGregor pede a Forsythe para não dizer ao coronel que seu filho o traiu. Entretanto, num ato de extrema coragem, Donald apunhala Kahn e os britânicos vencem.

Forsythe e Donald são recebidos com honra, e McGregor é premiado postumamente com a Cruz de Victoria, enquanto o Hino Nacional Britânico é executado.

imagem

Comentários

Adaptação do romance de Francis Yeats-Brown, “Lanceiros da India” foi muito bem roteirizado por Waldemar Young, John L. Balderston e Achmed Abdullah. Realizado pelo cineasta Henry Hathaway, que consegue equilibrar muito bem cenas dramáticas com outras de comédia, o filme conta a história de um Regimento de Lanceiros de Bengala em luta contra rebeldes indianos. Muitas vezes comparado a "Gunga Din" (1939), particularmente acho “Lanceiros da Índia” melhor que o primeiro.

A direção de Hathaway é simplesmente digna dos maiores elogios. Aliás, o filme foi ganhador de dois Oscars de Melhores Diretores Assistentes, além de ter sido indicado a mais seis outros prêmios, incluindo os de Melhor Filme e Melhor Diretor.

A história se passa no período em que a Índia era dominada pelo Império Britânico, o que esclarece o fato dos ingleses serem considerados os heróis, enquanto os nativos que lutavam por sua independência serem os “bad boys”, principalmente em se tratando de uma produção norte-americana. Apresentando inúmeras seqüências memoráveis, aquela que nos mostra a batalha final é a que mais se destaca entre todas.

O elenco nos brinda com grandes atuações, onde se destacam as apresentadas por Gary Cooper e Franchot Tone. Entre os coadjuvantes, podemos citar os trabalhos de Douglas Dumbrille, J. Carrol Naish e Akim Tamiroff.

Enfim, “Lanceiros da Índia” é um filme que merece ser visto por pessoas de todas as idades.

CAA