Filmes por gênero

DOMINIQUE (1966)

The singing nun
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A Irmã Sorriso (Portugal)
Dominique - Die singende Nonne (Alemanha)
Med en sång i mitt hjärta (Suécia)
Spiewajaca zakonnica (Polônia)
Den syngende nonne (Dinamarca)
Laulava nunna (Finlândia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Musical, Biográfico
Direção: Henry Koster
Roteiro: Sally Benson, John Furia Jr.
Produção: John Beck
Direção Musical: Harold Gelman
Coreografia: Robert Sidney
Fotografia: Milton R. Krasner
Edição: Rita Roland
Direção de Arte: George W. Davis, Urie McCleary
Maquiagem: William Tuttle, Marvin G. Westmore
Efeitos Sonoros: Franklin Milton
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1995

Elenco

Debbie Reynolds Irmã Ann
Ricardo Montalban Padre Clementi
Greer Garson Madre Superiora
Agnes Moorehead Irmã Cluny
Chad Everett Robert Gerarde
Katharine Ross Nicole Arlien
Ed Sullivan Ele próprio
Juanita Moore Irmã Mary
Ricky Cordell Dominic Arlien
Michael Pate Sr. Arlien
Tom Drake Fitzpatrick
Larry D. Mann Sr. Duvries
Charles Robinson Marauder
Monique Montaigne Irmã Michele
Joyce Vanderveen Irmã Elise
Anne Wakefield Irmã Brigitte
Pam Peterson Irmã Gertrude
Marina Koshetz Irmã Marthe
Nancy Walters Irmã Therese
Violet Rensing Irmã Elizabeth
Ines Pedroza Irmã Consuella
Jon Lormer O Bispo
Isabelle Dwan Sra. Muller
Pitt Herbert Sr. Muller
Sabra Welles Condessa
Wesley Gale Médico
Colette Jackson Jeannette
Karen Norris Arlette
Dorothy Patrick Sra. Messereaux
Dinny Powell Emil
Joseph Mell Max, técnico da TV

Prêmios

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Musical

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Harry Sukman)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Musical (Debbie Reynolds)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Agnes Moorehead)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

A Irmã Ann deixa o convento dominicano próximo de Antuérpia para assumir novas atribuições na Casa Samaritana de Bruxelas. Ela adora tocar violão e cantar e, ao se juntar ao novo grupo, impressiona as outras freiras e o Padre Clementi.

Ela se torna amiga de uma criança, Dominic Arlien, órfão de mãe, cujo pai é um alcoólatra desempregado, e que é amado apenas por sua irmã Nicole, de 17 anos de idade.

A Irmã Ann compõe a canção “Dominique” para o menino. Padre Clementi convence Robert Gerarde, sócio de uma gravadora, a ouvir a música da Irmã Ann, na esperança de vê-la gravada. Quando Robert se encontra com ela, descobre que ambos foram colegas de turma no Conservatório de Música de Paris há cinco anos.

Algum tempo depois, ao visitar a casa dos Arlien, a Irmã Ann descobre fotos de Nicole em poses provocantes. A jovem diz à freira que foi obrigada a posar daquela forma para conseguir comida e o dinheiro do aluguel da família. Seu pai ouve a conversa, bate na filha e põe a Irmã Ann pra fora da casa. Ao saber do ocorrido, a Madre Superiora censura a Irmã Ann por ter permitido que o segredo da jovem chegasse aos ouvidos do pai.

Robert, cuja atração pela Irmã Ann reacendeu após revê-la, obtém permissão das autoridades da Igreja para gravar um álbum. “Dominique” torna-se um sucesso mundial, e Ed Sullivan chega à Bruxelas com uma equipe de televisão para fazer uma matéria, sobre a Irmã Ann, para o seu show.

Confusa por conta de seu inesperado sucesso e pelo interesse pessoal demonstrado por Robert, ela procura o conselho do Padre Clementi. Algum tempo depois, quando o garoto Dominic é gravemente ferido em um acidente, Irmã Ann reza por ele, prometendo desistir de sua música e passar a cuidar dos mais necessitados, caso ele se recupere. O garoto se recupera e a família Arlien, abalada pelo acidente, decide mudar-se para o campo. A Irmã Ann despede-se da família, ocasião em que presenteia Nicole com seu violão e, em seguida, viaja para a África, onde passa a trabalhar junto aos nativos de uma aldeia.

imagem

Comentários

Baseado num livro de John Furia Jr. e realizado pelo cineasta alemão Henry Koster, “Dominique” é um razoável filme do cinema norte-americano de meados dos anos 1960. Sua trama gira em torno da vida de uma jovem freira, compositora, violonista e cantora.

Trata-se do 49º filme dirigido por Koster e marca o encerramento de sua carreira como diretor. Embora não se ache entre seus melhores trabalhos, o filme não chega a decepcionar.

Entre seus maiores destaques, podemos citar a bela trilha sonora assinada por Harry Sukman, e a ótima atuação de Debbie Reynolds no papel principal.

CAA