Filmes por gênero

SETE DIAS DE MAIO (1964)

Seven days in May
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Sept jours en mai (França)
Sette giorni a maggio (Itália)
Siete días de mayo (México, Espanha)
Sieben tage im Mai (Alemanha, Austria)
7 dagar i maj (Suécia)
Siedem dni w maju (Polônia)
Hét májusi nap (Hungria)
Syv dage i maj (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Romance, Suspense
Direção: John Frankenheimer
Roteiro: Rod Serling
Produção: Edward Lewis
Design Produção: Cary Odell
Música Original: Jerry Goldsmith
Direção Musical: Jerry Goldsmith
Fotografia: Ellsworth Fredericks
Edição: Ferris Webster
Guarda-Roupa: Wesley Jeffries, Angela Alexander
Maquiagem: Dave Grayson
Efeitos Sonoros: Joe Edmondson, R.D. Cook, W.C. Smith
Efeitos Visuais: Darrell A. Anderson
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1990

Elenco

Burt Lancaster General James Mattoon Scott
Kirk Douglas Coronel Martin 'Jiggs' Casey
Fredric March Presidente Jordan Lyman
Ava Gardner Eleanor Holbrook
Edmond O'Brien Senador Raymond Clark
Martin Balsam Paul Girard
Andrew Duggan Coronel William 'Mutt' Henderson
Hugh Marlowe Harold McPherson
Whit Bissell Senador Frederick Prentice
Helen Kleeb Esther Townsend
George Macready Christopher Todd
Richard Anderson Coronel Murdock
Bart Burns Art Corwin, diretor do Serviço Secreto
Malcolm Atterbury Horace, Físico da Casa Branca
John Houseman Vice-Almirante Farley C. Barnswell
Rodolfo Hoyos Jr. Capitão Ortega
John Larkin Coronel Broderick
Ferris Webster General Bernard 'Barney' Rutkowski
Tyler McVey General Hardesty
Jack Mullaney Tenente Dorsey Grayson
Charles Watts Stewart Dillard
Fredd Wayne Henry Whitney

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Edmond O'Brien)

Prêmios Bodil - Copenhague, Dinamarca

Bodil de Melhor Filme Não Europeu (John Frankenheimer)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Ator Estrangeiro (Fredric March)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Edmond O'Brien)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Cary Odell, Edward G. Boyle)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Direção (John Frankenheimer)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original (Jerry Goldsmith)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Fredric March)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Drama

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Drama (Burt Lancaster)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Rod Serling )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

O Presidente dos Estados Unidos, Jordan Lyman, assina um tratado nuclear com a União Soviética, provocando descontentamento público e a desaprovação dos militares, em particular do general James M. Scott, que considera o ato praticamente como uma atitude de traição ao País. Depois que o coronel Martin Casey, assessor de Scott, se depara com uma mensagem criptografada e toma conhecimento da existência de uma Base secreta no Texas, cuja existência é negada por outros membros do Pentágono, ele passa a suspeitar que Scott esteja liderando um grupo de militares para deflagrar um golpe sete dias depois, quando o Presidente vai estar isolado de seus assessores civis, durante um alerta militar.

Casey reporta suas suspeitas ao Presidente, que pede ao senador Raymond Clark que investigue a existência da tal Base secreta. O senador localiza a Base, mas é preso incomunicável, até ser libertado com a ajuda de um oficial amigo de Casey. Enquanto isso, o assessor presidencial, Paul Girard, voa até Gibraltar, onde obtém uma declaração do Vice-Almirante Farley C. Barnswell, um dos líderes do Pentágono que não se mostra entusiasmado com o golpe. Na viagem de volta à Washington, entretanto, o avião de Girard sofre um acidente e ele morre. Barnswell, então, nega ter assinado qualquer declaração.

Mais tarde, Casey obtém algumas cartas altamente incriminatórias de Eleanor Holbrook, ex-amante de Scott, mas o Presidente não pode usá-las quando confronta o general e exige sua renúncia. Confiante de que a opinião pública está de seu lado e que seus assessores lhe dão o suporte de que precisa, o general se recusa a renunciar. O Presidente vai, então, à televisão, onde exige as demissões de todas as pessoas envolvidas e culpadas nessa trama. Os colegas do grupo de Scott o abandonam. Durante a transmissão da cerimônia pela televisão, quando chega a notícia de que a declaração assinada pelo Vice-Almirante Barnswell foi encontrada nos destroços do avião, o próprio general James Scott também se demite, esmagando o golpe mesmo antes que o mesmo fosse deflagrado.

imagem

Comentários

Baseado no livro de Fletcher Knebel e Charles W. Bailey II, “Sete Dias de Maio” é uma obra admirável e um dos mais bem sucedidos filmes paranóicos inspirados na Guerra Fria. Brilhantemente roteirizada por Rod Serling e realizada pelo mestre John Frankenheimer, essa caprichosa e cativante história, movida por uma tensão genuína, nos brinda com alguns momentos que marcaram a turbulenta década de 1960. Embora possa ser considera uma frase de efeito, própria de políticos, o clímax do filme se dá quando o Presidente Jordan Lyman se levanta e diz que a grandeza de uma nação é construída sobre a paz.

Com locações em Washington, Paris e Los Angeles, a área técnica, além dos brilhantes trabalhos apresentados por Frankenheimer e Serling, merece ainda que sejam citados aqueles oferecidos pelo diretor de fotografia, Ellsworth Fredericks e, principalmente, por Jerry Goldsmith, com sua magnífica trila sonora.

Sob a direção de Frankenheimer, Fredric March e Edmond O'Brien estão brilhantes em seus respectivos papéis. March, mais uma vez nos mostra por que é considerado um dos maiores atores da Idade de Ouro de Hollywood. No elenco, merecem ainda ser citados os trabalhos apresentados por Kirk Douglas, Burt Lancaster, no papel do general demagogo, e Ava Gardner.
 
CAA