Filmes por gênero

A CURVA DO DESTINO (1945)

Detour
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Desvio (Portugal)
Détour (França)
Detour - Deviazione per l'inferno (Itália)
Umleitung (Alemanha)
Farlig omväg (Suécia)
Bezdroze (Polônia)
Terelőút (Hungria)
Объезд (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Filme Noir, Drama, Crime
Direção: Edgar G. Ulmer
Roteiro: Martin Goldsmith
Produção: Leon Fromkess
Música Original: Leo Erdody
Fotografia: Benjamin H. Kline
Edição: George McGuire
Direção de Arte: Edward C. Jewell
Figurino: Mona Barry
Maquiagem: Bud Westmore
Efeitos Sonoros: Max M. Hutchinson
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1995

Elenco

Tom Neal Al Roberts
Ann Savage Vera
Claudia Drake Sue Harvey
Edmund MacDonald Charles Haskell Jr.
Tim Ryan Proprietário do Nevada Diner
Esther Howard Garçonete
Pat Gleason Joe
Don Brodie Vendedor de Carros Usados
Roger Clark Policial
Eddie Hall Tony, mecânico e inspetor de carros usados
Harry Strang Patrulheiro na fronteira da California

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Nova York, o pianista Al Roberts trabalha numa boate. Apaixonado pela cantora Sue Harvey, ele quer se casar com ela, mas embora ela o ame, declara que, antes, precisa buscar a fama em Hollywood.

Algum tempo depois, ao receber uma boa gorjeta, ele telefona para Sue, que lhe informa estar trabalhando como garçonete. Sem dispor de dinheiro suficiente para empreender a viagem até a Califórnia, ele decide tentar pegar caronas para chegar até lá.

No Arizona, um homem chamado Charles Haskell Jr. oferece-lhe uma carona em seu conversível até Los Angeles. Ao vê-lo com uma mão fortemente arranhada, Al faz um comentário e ele lhe conta que os arranhões foram feitos por uma mulher, a quem dera uma carona e que, ao ser por ele assediada, reagiu daquela forma. À noite, enquanto Haskell dá um cochilo, Al dirige o veículo quando uma tempestade o obriga a parar para levantar a capota do conversível. Ao abrir a porta do carona, no entanto, Haskell cai e morre ao bater com a cabeça no chão. Convencido de que será acusado por sua morte, Al esconde seu corpo e rouba seu dinheiro e sua identidade. Continuando a viagem, agora sozinho, após cruzar a fronteira da Califórnia, ele para em um motel para repousar.

Na manhã seguinte, de volta à estrada, ele dá carona a uma mulher que lhe diz chamar-se Vera. Em seguida, ela lhe pergunta o que ele fez com o corpo de Haskell, revelando que ela foi a mulher que reagiu com as unhas a um assédio dele. Ameaçando-o de entregá-lo à polícia, ela o força a procurar um apartamento e a vender o conversível.

Ao chegarem à Hollywood, eles alugam um apartamento em nome de Sr. e Sra. Haskell, endereço que pretendem fornecer quando da venda do automóvel. No entanto, antes de consumarem a venda, Vera toma conhecimento, através de jornais, que o milionário pai de Haskell, à beira da morte, procura insistentemente pelo filho. Assim, ela tenta convencer Al a se passar pelo filho do milionário, mas este não concorda com a idéia por não saber nada sobre a vida do morto.

De volta ao apartamento, os dois se embriagam e discutem. Ela ameaça chamar a polícia, correndo para o quarto com o telefone e trancando a porta. Completamente embriagada, ela cai na cama com o fio do telefone enrolado no pescoço. Do lado de fora, Al puxa o fio e acidentalmente a estrangula.

Após conseguir arrombar a porta do quarto, ele se surpreende com o cadáver de Vera. Consciente de que a polícia jamais acreditará em sua história e, sem esperanças de voltar a encontrar Sue, ele deixa a cidade de carona e termina sendo preso pela polícia.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Edgar G. Ulmer, a partir de um roteiro escrito por Martin Goldsmith, “A Curva do Destino” é um bom filme ‘noir’ de meados dos anos 1940. Rodado em apenas uma semana, sua trama parte de um roteiro minimalista, mas irretocável, implacável, trágico.

Na direção, Ulmer realiza um bom trabalho, no que é ajudado pelas ótimas atuações de Tom Neal, no papel de um perfeito perdedor, e de Ann Savage, como uma verdadeira ‘femme fatale’. A propósito, acredito que este foi o único filme que assisti com esses dois atores.

CAA