Filmes por gênero

QUANDO AS NUVENS PASSAM (1946)

Till the clouds roll by
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Até as nuvens passarem (Portugal)
La pluie qui chante (França)
Nuvole passeggere (Itália)
Hasta que las nubes pasen (Espanha)
Cuando pasan las nubes (México, Venezuela)
Efter regn kommer solsken (Suécia)
Burzliwe zycie kerna (Polônia)
Efter regn kommer sol (Dinamarca)
Пока плывут облака (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Biográfico, Musical
Direção: Richard Whorf
Roteiro: Myles Connolly, Jean Holloway
Produção: Arthur Freed
Direção Musical: Lennie Hayton
Fotografia: George Folsey, Harry Stradling Sr.
Edição: Albert Akst
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Daniel Cathcart
Figurino: Helen Rose, Valles
Guarda-Roupa: Irene
Maquiagem: Jack Dawn
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1950

Elenco

Robert Walker Jerome Kern
June Allyson Jane Witherspoon / Lou Ellen Carter
Lucille Bremer Sally Hessler
Judy Garland Marilyn Miller
Kathryn Grayson Magnolia, em Show Boat
Van Heflin James Hessler
Lena Horne Julie Laverne, em Show Boat
Van Johnson Maestro no Elite Club
Tony Martin Gaylord Ravenal, em Show Boat
Dinah Shore Cantora, em The Girl from Utah
Frank Sinatra Ele próprio
Cyd Charisse Bailarina, em Roberta
Gower Champion Dançarino, em Roberta
Harry Hayden Charles Frohman
Paul Langton Oscar Hammerstein II
Angela Lansbury Atriz-Cantora no Festival de Londres
Paul Maxey Victor Herbert
Ray McDonald Apresentação em Leave it to Jane
Mary Nash Sra. Miller
Virginia O'Brien Ellie Mae, em Show Boat
Dorothy Patrick Eva Leale Kern
Caleb Peterson Joe, em Show Boat
William Phillips Joe Hennessey, taxista
Joan Wells Sally Hessler, quando garotinha
Sally Forrest Dançarina
Esther Williams Ela própria
Ann Codee Srta. Larouche

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 27/12/1927, ao retornar ao Waldorf Hotel, após o sucesso retumbante da estréia na Broadway de seu musical "Show Boat", Jerome Kern pede ao motorista que, antes, passe na casa de um velho amigo, já falecido.  Ao chegar defronte à mesma, ele relembra a primeira vez em que esteve ali, bem como toda a sua vida até aquela data.

Era primavera e, com uma música debaixo do braço, ia procurar James Hessler, um dos mais famosos arranjadores da época.  Ao ser levado à presença dele, que estava a almoçar, Kern não foi pelo mesmo bem recebido.  Hessler informou-lhe que deixou de fazer arranjos para 'musiquinhas' e que, dentro de três semanas, estaria embarcando para Londres onde teria mais tranqüilidade para compor uma sinfonia.  Quando Kern preparou-se para ir embora, Hessler pediu à sua filha de 8 anos, Sally, que o acompanhasse até a sala de estar, onde seria servido um licor.  Curiosa, a garotinha pediu-lhe a música, sentou-se ao piano e começou a tocá-la.  Quando seu pai chegou com o licor, ficou encantado com a qualidade da música e decidiu ajudá-lo.  Começou, assim, uma grande amizade entre os três.

Após trabalharem no arranjo daquela música, Hessler e Sally embarcam para a Inglaterra, como programado, deixando Kern na casa com a condição de só escrever músicas de qualidade.  Os dias que se seguem são de intenso trabalho mas, infelizmente, a Broadway encontra-se fechada aos compositores americanos.  Os produtores só aceitam sucessos da Europa, principalmente os da Inglaterra.

Kern decide fazer música com um sotaque britânico e, em seguida, embarca para Londres onde procura Hessler.  Ao ouvir suas novas músicas, Hessler as leva ao produtor George Edwards, resultando num dos grandes sucessos do Festival de Londres.  Após o show, Charles Frohman, produtor americano que leva espetáculos para a Broadway, o procura para parabenizá-lo.

Poucos dias depois, Kern conhece e se apaixona por uma bela jovem, Eva Leale, a quem se apresenta como o compositor da música mais cantada, no momento, em Londres.  Como a jovem não acredita em suas palavras, ele compõe uma música especialmente para ela e lhe envia sua partitura, juntamente com dois ingressos para o Festival.  Em seguida, os dois passam um dia em um piquenique, ocasião em que falam de suas vidas.

Ao voltar para a casa de Hessler, completamente apaixonado, toma conhecimento que Frohman quer que ele escreva quatro músicas para seu novo show.  Segundo o amigo, todos devem seguir para Nova York no dia seguinte, pois os ensaios deverão começar em seis semanas.  Assim, os trabalhos de composição e de arranjo terão que ser iniciados tão logo embarquem no navio.

Dessa forma, o primeiro musical da Broadway com músicas compostas por um americano, "A Girl from Utah", estréia com sucesso e tem, como principal atração, a música que Kern havia composto para Eva.  Em seguida, juntamente com Hessler, Kern começa a compor músicas para um novo musical, "Oh Boy".  Embora dediquem todo o seu tempo ao novo show, a entrega das músicas sofre um atraso.  Preocupado, Kern liga para a casa de Frohman, sendo informado que o produtor vai estar embarcando para a Inglaterra naquele mesmo dia.  Com receio que Frohman esteja viajando para comprar um novo espetáculo em Londres, Kern decide embarcar no mesmo navio e fazer com que o produtor compre seu musical.  Hessler concorda com a idéia e os dois partem para o porto.  Ao chegarem ao cais, vêem o transatlântico se afastar do mesmo.  No dia seguinte, as manchetes dos jornais informam que o navio "S. S. Lusitânia" naufragou, deixando um saldo de 1.600 mortos, inclusive o produtor teatral americano, Charles Frohman.

A Produtora Comstock & Elliot decide comprar e apresentar o musical "Oh Boy" com as músicas de Kern.  O sucesso, como sempre, é enorme.  A seguir, ele vai à Londres, de onde volta casado com Eva.  Realizado profissionalmente e casado com a mulher de seus sonhos, decide registrar toda a sua felicidade através da música.

Nessa nova fase, seu primeiro show é "Leave it to Jane".  Segue-se "Sally", onde a maravilhosa Marilyn Miller canta "Look for the Silver Lining", show que valeu a Kern o prêmio do ano.

Em 1925, Kern inicia uma parceria com Oscar Hammerstein II.  O primeiro musical da dupla é "Sunny".  Na época, já adulta, Sally abandona os estudos a fim de tentar carreira no 'show business'.  Kern procura ajudá-la, oferecendo-lhe um papel.  Quando o produtor exige que tal papel deve ser dado à Marilyn Miller, ela não aceita um personagem secundário e abandona o show.

Inconformada, sai de casa, deixando um bilhete para o pai, que adoece.  Kern promete-lhe trazê-la de volta, mas não tem sucesso, mesmo valendo-se de anúncios e detetives.  Hessler não suporta a falta da filha e termina morrendo.  Abalado, Kern acredita que não conseguirá voltar a compor.  Seu amigo, Oscar, entrega-lhe um romance, "Show Boat", e lhe diz que se contar com sua música, ele escreverá o musical.  Em princípio, Kern não se mostra interessado.

Por telefone, toma conhecimento que Sally encontra-se em Memphis, onde canta no Club Elite.  Kern decide ir imediatamente ao seu encontro.  Ao encontrá-la, ela está bem e ele respeita seu desejo de continuar tocando sua carreira sozinha.  Tranqüilo por conta de Sally, retoma com vigor sua bem-sucedida carreira, com o mais famoso de seus musicais, "Show Boat".  A este, seguem-se inúmeros outros, dentre os quais destacam-se "Roberta", "Sweet Adeline" e "The Cat and the Fiddle".

Finalmente, Kern chega à Hollywood onde, na Metro-Goldwyn-Mayer, tem a surpresa e satisfação de ver Sally, selecionada pela Produtora para estrelar o filme a ser rodado com suas músicas.

imagem

Comentários

Baseado numa história de Guy Bolton, "Quando as Nuvens Passam" é um ótimo filme como show musical, mas peca ao tratar da biografia de um dos mais famosos compositores da música popular norte-americana, Jerome Kern.  Realizado pelo cineasta Richard Whorf e contando com a participação de Vincente Minnelli na direção dos números interpretados por Judy Garland, o filme procura acompanhar a carreira do compositor, a partir do momento em que lhe é sugerido que procure um grande arranjador para suas músicas.

Como musical, eu o considero ótimo pela oportunidade de apreciar as grandes estrelas da Metro-Goldwyn-Mayer, em sua melhor forma, cantando e dançando ao som das magníficas canções de Kern.  Nomes como os de Judy Garland, June Allyson, Kathryn Grayson, Lena Horne, Virginia O'Brien, Frank Sinatra, Dinah Shore, Cyd Charisse, Lucille Bremer, Tony Martin, Van Johnson, Angela Lansbury, entre outros, acham-se presentes.  Entretanto, como filme, "Quando as Nuvens Passam" é inferior a musicais como, por exemplo, "Sinfonia em Paris", "Amor, Sublime Amor", "Gigi".

No que tange à biografia de Kern, a trama apresenta inúmeras inconsistências como, por exemplo, a época em que se deu seu casamento com Eva Leale Kern.  Segundo o filme, logo após conhecê-la, ele compõe "They Didn't Believe Me", a ela dedicada, sendo a mesma apresentada logo a seguir no musical "A Girl from Utah".  Ainda segundo o filme, somente após a estréia do musical "Oh Boy", na Broadway, ele retorna à Londres para casar-se com Eva.  Só nesse exemplo, pode-se verificar duas inconsistências: a canção e o musical "A Girl from Utah" são de 1914;  por outro lado, o musical "Oh Boy" estreou na Broadway no Princess Treatre em 1917.  Enquanto isso, seu casamento com Eva data de 1910.

Um outro ponto que chama atenção é o fato do filme dizer que Kern chega finalmente à Hollywood, ocasião em que assiste a um ensaio de um filme com suas músicas.  As cenas que o espectador vê são exatamente de "Quando as Nuvens Passam", um filme de 1946 que ele não chegou a ver concluído, já que morrera no ano anterior, mas que, sem dúvida, pode ter assistido às primeiras tomadas.  O fato é que seu envolvimento com Hollywood data de 1935, quando passou a alternar sua moradia entre NovaYork, por conta da Broadway, e Hollywood, face aos musicais do cinema.

No elenco, Van Heflin, Robert Walker e Dorothy Patrick estão bem em seus respectivos papéis.  Para mim, a grande surpresa foi ver a atriz inglesa, Angela Lansbury, cantando e dançando com um corpinho esbelto, num musical exibido no Festival de Londres, coisa que jamais imaginei.  É bem verdade que, na época ela se achava com apenas 20 anos de idade.  Esther Williams tem uma participação de exatamente 10 segundos, ao aparecer numa estação ferroviária a dar autógrafos.

CAA