Filmes por gênero

QUANDO DUAS MULHERES PECAM (1966)

Persona
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A máscara (Portugal)
Persona (Itália, Espanha, México, Estados Unidos)
Naisen naamio - Persona (Finlândia)
Persona - sonate for to (Dinamarca)
Erotes horis fragmo (Grécia)
Персона (Rússia, Bulgária)
Pais: Suécia
Gênero: Drama
Direção: Ingmar Bergman
Roteiro: Ingmar Bergman
Produção: Ingmar Bergman
Design Produção: Bibi Lindström
Música Original: Lars Johan Werle
Fotografia: Sven Nykvist
Edição: Ulla Ryghe
Figurino: Mago
Guarda-Roupa: Eivor Kullberg
Maquiagem: Börje Lundh
Efeitos Sonoros: Lennart Engholm, Per-Olof Pettersson, Olle Jacobsson
Efeitos Especiais: Evald Andersson
Nota: 9.4
Filme Assistido em: 1967

Elenco

Bibi Andersson Alma, a enfermeira
Liv Ullmann Elisabet Vogler, a atriz
Margaretha Krook A médica
Gunnar Björnstrand Sr. Vogler
Jörgen Lindström Filho de Elisabet

Prêmios

Prêmios Guldbagge, Suécia

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Atriz (Bibi Andersson)

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Diretor (Ingmar Bergman)

Prêmio de Melhor Atriz (Bibi Andersson)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Bibi Andersson)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Ingmar Bergman)

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Prêmio de Melhor Roteiro (Ingmar Bergman )

Prêmio de Melhor Fotografia (Sven Nykvist )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Elisabet Vogler, uma célebre atriz de teatro, é hospitalizada depois de perder a voz durante uma representação de 'Electra'.  A médica que a atende, após submetê-la a uma série de exames, chega à conclusão de que ela não apresenta qualquer tipo de problema físico.

Para cuidar dela, é indicada uma jovem enfermeira, Alma.  Afim de facilitar sua recuperação, a médica recomenda que as duas passem uma temporada numa distante e isolada casa de veraneio, junto ao mar, de sua propriedade.

Inicialmente, tentando estabelecer uma relação com a paciente, Alma fala incessantemente sobre sua vida, desabafando e abrindo sua alma para Elisabet, a quem faz confidências as mais íntimas.  Por outro lado, o mutismo absoluto de Elisabet parece servir de refúgio à atriz.  As duas fazem longas caminhadas ao sol.  Alma lê livros para Elisabet.  Esta trai a confiança da enfermeira, ao redigir uma carta na qual a menospreza.  Alma descobre a carta e a lê às escondidas.  A seguir, ela acusa Elisabet de se aproveitar dos sentimentos dos outros.

Depois de se afrontarem, inicia-se uma curiosa e envolvente identificação entre as duas mulheres.  Esse processo de osmose vai-se transformar numa esperança de cura para a atriz e numa cruel experiência de solidão para a enfermeira.

imagem imagem imagem

Comentários

"Quando duas mulheres pecam" é uma obra forte, profunda e, sem dúvida, uma das melhores de Ingmar Bergman.  Com elementos mínimos, Bergman faz uma excursão pela alma humana, revelada nos rostos das duas principais personagens.

A magnífica fotografia de Sven Nykvist e as excelentes interpretações de Liv Ullmann e Bibi Andersson conferem a essa história interior o suspense de um thriller.  É impressionante o trabalho de Liv Ullmann que, com o seu mutismo, reage apenas com gestos faciais e corporais.

As duas mulheres, embora distintas, chegam a fundir-se, constituindo uma única mulher, como é magistralmente mostrado por Bergman, através de um plano em que ambos os rostos se fundem em um só.

CAA