Filmes por gênero

QUEM TEM MEDO DE VIRGÍNIA WOOLF ? (1966)

Who's afraid of Virginia Woolf ?
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Qui a peur de Virginia Woolf? (França)
Chi ha paura di Virginia Woolf? (Itália)
¿Quién teme a Virginia Woolf? (Espanha)
¿Quién le teme a Virginia Woolf? (Argentina, México)
Wer hat angst vor Virginia Woolf? (Alemanha)
Vem är rädd för Virginia Woolf? (Suécia)
Kto sie boi Virginii Woolf? (Polônia)
Wie is bang voor Virginia Woolf? (Holanda)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Mike Nichols
Roteiro: Ernest Lehman
Produção: Ernest Lehman
Design Produção: Richard Sylbert
Música Original: Alex North
Direção Musical: Alex North
Coreografia: Herbert Ross
Fotografia: Haskell Wexler
Edição: Sam O'Steen
Figurino: Irene Sharaff
Guarda-Roupa: Joan Joseff
Maquiagem: Gordon Bau, Ron Berkeley
Efeitos Sonoros: M.A. Merrick, George Groves
Nota: 9.3
Filme Assistido em: 1967

Elenco

Elizabeth Taylor Martha
Richard Burton George
George Segal Nick
Sandy Dennis Honey
Frank Flanagan Gerente do Bar
Agnes Flanagan Garçonete do Bar

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Elizabeth Taylor)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Sandy Dennis)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Interiores (Richard Sylbert, George James Hopkins )

Oscar de Melhor Figurino (Irene Sharaff )

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (Haskell Wexler)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz Britânica (Elizabeth Taylor)

Prêmio de Melhor Filme (Mike Nichols)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Elizabeth Taylor)

Prêmios Bambi, Alemanha

Prêmio Bambi de Melhor Atriz Internacional (Elizabeth Taylor)

Prêmio Bambi de Melhor Ator Internacional (Richard Burton)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Atriz (Elizabeth Taylor)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Ernest Lehman)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Ernest Lehman)

Oscar de Melhor Ator (Richard Burton)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (George Segal)

Oscar de Melhor Direção (Mike Nichols)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Ernest Lehman)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (George Groves)

Oscar de Melhor Edição (Sam O'Steen)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Alex North )

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Richard Burton)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (George Segal)

Prêmio de Melhor Roteiro (Ernest Lehman)

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Elizabeth Taylor)

Prêmio de Melhor Direção (Mike Nichols)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Sandy Dennis)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Mike Nichols)

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Ator (Richard Burton)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Mike Nichols)

Prêmio de Melhor Ator (Richard Burton)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

George, de 46 anos, é um professor universitário de História.  Casado há 20 anos com Martha, filha do reitor e seis anos mais velha que ele, os dois mantêm um relacionamento tumultuado, repleto de mágoas, ressentimentos e humilhações.  Nick é o novo e ambicioso professor de biologia, 28 anos, o qual é casado com a jovem e rica Honey, 26 anos.

A pedido do pai de Martha, ela e George vão receber o jovem casal no fim da noite para uma pequena  reunião de cortesia e aproximação.

Cedo, ao chegarem em casa, após já terem bebido, George reclama de uma forte dor de cabeça, enquanto Martha já se acha bastante embriagada.  Como de costume, o clima entre eles é tenso.  Martha adora humilhá-lo, acusando-o por não conseguir uma melhor posição no trabalho.  Ele se defende, mas não deixa a esposa ilesa.  Tocar no nome do filho adolescente parece ser outro ponto de discórdia.

Esse comportamento explosivo dos dois prossegue com a chegada dos visitantes que ficam estarrecidos com as atitudes do casal.  O clima fica cada vez mais pesado e os visitantes passam a ser atingidos pelas farpas dos dois.

Aparentemente bem casados, aos poucos os recém-chegados vão demonstrando que as coisas não são bem assim.  Nick não se casou com Honey por amá-la, e sim por achar que ela estava grávida e por seu dinheiro.

À medida que a noite avança, o clima hostil toma conta dos quatro, as acusações e verdades são colocadas à tona expondo os pontos fracos de cada um.  As tensões alcançam o seu ponto alto quando George, enfurecido, apanha um rifle no 'closet' e dispara contra a cabeça de Martha.  Ocorre que o rifle nada mais era que um brinquedo.

Para atingir ainda mais o marido, Martha tenta seduzir Nick.  Este se deixa levar, pensando em tirar proveito pelo fato dela ser filha do reitor.  Por outro lado, Honey é a que apresenta um comportamento mais passivo, a mais afetada pelo álcool, passando a dizer coisas sem nexo.

Enfim, casamentos formados por mentiras são desmascarados, pessoas infelizes demonstram suas fragilidades e fatos obscuros são descobertos.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado na peça de Edward Albee, "Quem Tem Medo de Virginia Woolf" é um excelente filme, que marca a estréia de Mike Nichols como diretor de cinema.

Seu conteúdo dramático retrata as batalhas destrutivas e sado-masoquistas de um casal, numa relação de amor e ódio.  O roteiro é simples, mas os personagens são complexos e profundos.  Os diálogos são inteligentes e um dos pontos altos do filme.

O trabalho de Nichols é consistentemente bom, ajudado pela bela fotografia de Haskell Wexler e pelas excepcionais interpretações de um competente elenco.  Elizabeth Taylor, que já havia ganho o Oscar de Melhor Atriz pelo seu desempenho em "Disque Butterfield 8" e recebido três outras indicações por suas atuações em "Gata em Teto de Zinco Quente", "A Árvore da Vida" e "De Repente no Último Verão", é mais uma vez distinguida com outra estatueta do Oscar.

CAA