Filmes por gênero

O DIÁRIO DE ANNE FRANK (1959)

The diary of Anne Frank
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Le journal d'Anne Frank (França, Canadá)
Il diario di Anna Frank (Itália)
El diario de Ana Frank (Espanha, Venezuela)
Das tagebuch der Anne Frank (Alemanha)
Anne Franks dagbok (Suécia)
Het dagboek van Anne Frank (Holanda)
Anna Frank naplója (Hungria)
Дневник Анны Франк (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Suspense, 2ª Guerra Mundial
Direção: George Stevens
Roteiro: Albert Hackett, Frances Goodrich
Produção: George Stevens
Música Original: Alfred Newman
Fotografia: William C. Mellor
Edição: David Bretherton, William Mace, Robert Swink
Direção de Arte: George W. Davis, Lyle R. Wheeler
Figurino: Charles Le Maire, Mary Wills
Maquiagem: Ben Nye
Efeitos Sonoros: W. D. Flick, Harry M. Leonard
Efeitos Especiais: L. B. Abbott
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1961

Elenco

Millie Perkins Anne Frank
Joseph Schildkraut Otto Frank
Shelley Winters Sra. Petronella Van Daan
Richard Beymer Peter Van Daan
Gusti Huber Sra. Edith Frank
Lou Jacobi Sr. Hans Van Daan
Diane Baker Margot Frank
Douglas Spencer Kraler
Dodie Heath Miep
Ed Wynn Sr. Albert Dussell
Robert Boon Soldado da SS
Delmar Erickson Soldado da SS
Gretchen Goertz Sanne Devries
Edmund Purdom Locutor da Rádio Britânica
Frank Tweddell Vigia noturno
Arthur Berkeley Operário holandês
John Corrydon Operário holandês
Bruce Walkup Operário holandês
William Kirschner Operário na Loja
Charles Wagenheim Ladrão

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Shelley Winters)

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (William C. Mellor)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Lyle R. Wheeler, George W. Davis, Walter M. Scott , Stuart A. Reiss)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme a Promover a Paz entre os Povos

Prêmios David di Donatello, Itália

Prêmio Golden Plate (Twentieth Century Fox Film Corporation)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Shelley Winters)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Frances Goodrich, Albert Hackett)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (George Stevens)

Oscar de Melhor Figurino em Branco e Preto (Charles Le Maire, Mary Wills)

Oscar de Melhor Trilha Sonora de uma Comédia ou Drama (Alfred Newman )

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Ed Wynn)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (George Stevens)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (George Stevens)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Joseph Schildkraut)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Shelley Winters)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (George Stevens)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Trilha Sonora (Alfred Newman)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Depois da 2ª Guerra Mundial, Otto Frank, pai de Anne, volta ao esconderijo onde sua família esteve escondida durante a caça aos judeus por parte dos nazistas, e da qual somente ele conseguiu sobreviver.  Ele encontra o diário de sua filha e começa a ler o mesmo.

Voltando a 1942, face às medidas tomadas pelos nazistas contra os judeus na Alemanha, muitas famílias fogem para regiões não ocupadas da Europa, como a Holanda.  Entretanto, quando as tropas alemães invadem esse País e começam a enviar a população judia para os Campos de Extermínio, alguns desses refugiados tentam sobreviver em esconderijos, contando para isso com a colaboração de parte da população local simpática à sua causa.

É assim que Anne Frank, uma jovem de apenas 14 anos, seus pais, sua irmã mais velha, Margot, o Sr. e a Sra. Van Daan com o filho adolescente, Peter, são recebidos por dois grandes amigos no sótão de uma pequena fábrica de especiarias, situada na Rua Prinzengracht, 263 - Amsterdam.  A porta de acesso ao sótão é escondida por uma estante de livros.

Durante o dia, quando os empregados da fábrica estão trabalhando, as famílias permanecem no mais absoluto silêncio.  A comida, cedida pelos amigos, é racionada.  Anna começa a escrever seu diário, descrevendo em detalhes cada minuto passado no sótão.

Tempos depois, junta-se a eles um dentista, Sr. Dussell, que lhes conta que a situação está cada vez pior e que a maioria de seus conhecidos teria sido enviada para os Campos de Concentração.  Por duas vezes, o esconderijo quase é descoberto, uma por um ladrão que entra na fábrica, e a outra pela polícia.  

Um rádio é o único meio que os mantém ligados ao exterior.  Através dele, o grupo ouve música e os discursos de Hitler.  Anne dá a cada um pequenas lembranças por ela preparadas.  Ela e Peter tornam-se mais próximos e, a despeito da falta de privacidade, os dois trocam confidências.

Finalmente, quando começam a se regozijar pelo fato da guerra se achar prestes a terminar, o esconderijo é descoberto pelos nazistas e as famílias enviadas para o Campo de Bergen-Belsen onde, com exceção de Otto, todos são mortos.

imagem imagem imagem imagem imagem imagem

Comentários

Adaptado da peça de Frances Goodrich e Albert Hackett, ganhadora do Prêmio Pulitzer e que, por sua vez, foi baseada no próprio diário da jovem Anne Frank, "O Diário de Anne Frank" é um excelente e comovente filme, com passagens inesquecíveis.

Realizado pelo cineasta George Stevens, que também assina a produção, o filme fala do período em que Anne Frank, maior símbolo da opressão nazista durante a 2ª Guerra Mundial, juntamente com seus pais, irmã e amigos, passou escondida num sótão de um prédio, em Amsterdã.

Embora Millie Perkins não tivesse qualquer experiência como atriz, e Audrey Hepburn estivesse interessada no papel, Stevens, no auge de sua carreira, preferiu apostar em Millie, por achar melhor trabalhar com alguém que não tivesse uma imagem já pré-concebida pelo público.

Stevens tem ainda o mérito de nos brindar com momentos inesquecíveis, como as cenas do primeiro beijo de Anne e Peter, ou do sorriso terno trocado entre Peter e Margot, ou ainda aquelas, bastante tensas, em que as famílias estão a ponto de serem descobertas pelos nazistas.

"O Diário de Anne Frank" conta, ainda, com um excelente design de produção, a música de Alfred Newman, uma boa fotografia e algumas interpretações marcantes.

CAA