Filmes por gênero

ENTRE DOIS AMORES (1985)

Out of Africa
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: África minha (Portugal)
Out of Africa - Souvenirs d'Afrique (França)
Souvenirs d'Afrique (Canadá)
La mia Africa (Itália)
Memorias de África (Espanha)
África mía (Argentina, México, Peru, Venezuela)
Jenseits von Afrika (Alemanha)
Mitt Afrika (Suécia)
Из Африки (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Romance, Biográfico
Direção: Sydney Pollack
Roteiro: Kurt Luedtke
Produção: Sydney Pollack
Design Produção: Stephen Grimes
Direção Musical: John Barry
Fotografia: David Watkin
Edição: William Steinkamp, Sheldon Kahn, Fredric Steinkamp, P. Herring
Direção de Arte: Colin Grimes, Cliff Robinson, Herbert Westbrook
Figurino: Milena Canonero
Guarda-Roupa: Ken Crouch, Jenny Hawkins, Elizabeth Ryrie e outros
Maquiagem: Mary Hillman, J. Roy Helland, Gary Liddiard, Norma Hill
Efeitos Sonoros: Tom McCarthy Jr., Chris Jenkins, Gary Alexander, Larry Stensvold
Efeitos Especiais: David Harris
Efeitos Visuais: Syd Dutton, Michael Gleason
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1986

Elenco

Meryl Streep Karen Blixen
Robert Redford Denys Finch Hatton
Klaus Maria Brandauer Barão Bror Blixen
Michael Kitchen Berkeley Cole
Malick Bowens Farah
Joseph Thiaka Kamante
Stephen Kinyanjui Kinanjui
Michael Gough Lord Delamere
Suzanna Hamilton Felicity
Rachel Kempson Lady Belfield
Graham Crowden Lord Belfield
Leslie Phillips Sir Joseph
Shane Rimmer Belknap, administrador da Fazenda
Mike Bugara Ajudante na Casa
Job Seda Kanuthia
Mohammed Umar Ismail
Donal McCann Médico
Kenneth Mason Banqueiro
Annabel Maule Lady Byrne
Benny Young Ministro, no casamento
Abdulla Sunado Esa, o Cozinheiro
Amanda Parkin Victoria
Muriel Gross Lady Delamere

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Sydney Pollack)

Oscar de Melhor Direção (Sydney Pollack)

Oscar de Melhor Fotografia (David Watkin)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Chris Jenkins, Gary Alexander, Larry Stensvold, Peter Handford)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (John Barry)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Stephen B. Grimes, Josie MacAvin)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Kurt Luedtke )

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original (John Barry)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Roteiro Adaptado (Kurt Luedtke)

Prêmio de Melhor Fotografia (David Watkin)

Prêmio de Melhores Efeitos Sonoros (Tom McCarthy Jr., Peter Handford, Chris Jenkins)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Atriz Estrangeira (Meryl Streep)

David de Melhor Filme Estrangeiro (Sydney Pollack)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Sydney Pollack)

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio de Melhor Música (John Barry)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Meryl Streep)

Prêmio de Melhor Fotografia (David Watkin)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Fotografia (David Watkin)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Atriz (Meryl Streep)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Meryl Streep)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Oscar de Melhor Figurino (Milena Canonero )

Oscar de Melhor Edição (Fredric Steinkamp, William Steinkamp, Pembroke Herring, Sheldon Kahn)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Prêmio de Melhor Atriz (Meryl Streep)

Prêmio de Melhor Figurino (Milena Canonero )

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (John Barry )

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Estrangeiro (Sydney Pollack)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Meryl Streep)

Prêmio de Melhor Direção (Sydney Pollack)

Prêmio de Melhor Roteiro (Kurt Luedtke)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Meryl Streep)

Prêmio de Melhor Filme

Academia Japonesa de Cinema, Japão

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Ator Estrangeiro (Robert Redford)

David de Melhor Produção Estrangeira (Sydney Pollack)

David de Melhor Roteiro Estrangeiro (Kurt Luedtke)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Sydney Pollack)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz Estrangeira (Meryl Streep)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Preêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Klaus Maria Brandauer)

Prêmios Sant Jordi de Barcelona

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Meryl Streep)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro baseado em material previamente publicado (Kurt Luedtke)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Karen, filha de uma abastada família dinamarquesa, chega à África em 1913, a fim de se casar com o Barão Bror Blixen, um primo com o qual espera dividir uma vida mais excitante.  Logo após sua chegada, tem efeito a cerimônia do casamento, após o que, o casal se dirige para a fazenda situada ao pé dos Montes Ngong, no Quênia.

Depois de ser apresentada ao administrador da propriedade, Belknap, ao fiel mordomo-chefe e intérprete, Farah, e ao cozinheiro, Esa, Karen descobre que o marido decidiu plantar café numa extensa área, ao invés de criar gado, como inicialmente acordado com sua família, principalmente com a mãe dela, que entrou com uma enorme soma em dinheiro.  A resposta que ele lhe dá é que, com o dinheiro, sua sogra na realidade comprou o título de Marquesa para a filha.

Mesmo assim, Bror Blixen não se mostra interessado em tocar a fazenda e sim, em fazer o que mais gosta: caçar.  Pouco tempo depois, ao procurar pelo marido, Karen é informada que ele saiu para mais uma de suas caçadas, devendo voltar pouco antes das chuvas, o que pode representar uma ausência de muitos dias.

Contando sempre com a ajuda de Farah, ela empreende uma grande reforma na casa da fazenda, deixando-a muito mais aconchegante e elegante, bem como, vai ao encontro da tribo dos Kikuyus, que vive e trabalha em suas terras.  Ao procurar melhor se informar sobre o plantio de café, toma conhecimento que, se o mesmo vingar, a primeira colheita dar-se-á em 3 a 4 anos.

Com o barão quase sempre ausente, Karen leva uma vida solitária, até que conhece dois novos amigos, Denys Finch Hatton, um simpático aventureiro britânico, e seu compatriota Berkeley Cole. Certo dia, os dois vão jantar na fazenda, ocasião em que Karen lhes entretém, contando-lhes várias histórias e ganhando a admiração deles.

Com o advento da 1ª Guerra Mundial, Bror Blixen e outros fazendeiros deixam suas propriedades a fim de lutarem contra os alemães na África.  Nessa época, Karen e Farah atravessam o sul do Quênia com um rebanho de gado para suprir as tropas.  Essa viagem faz com que ela desenvolva um forte apego pela terra, crescendo seu interesse pelas plantações de café.  Mas tudo isso é interrompido quando contrai, com o marido, um virulento caso de sífilis, que a obriga a retornar à Dinamarca para tratamento.

Terminada a guerra, ela volta ao Quênia onde se lança de corpo e alma às suas plantações de café, além de abrir uma escola para as crianças Kikuyus.  A convite de Denys, aceita acompanhá-lo num de seus safáris.  Ele comunga de suas idéias em relação à terra, e termina se mudando para sua casa, usando-a como uma espécie de base entre um safári e outro.  Sempre à procura de novos horizontes, Denys compra um pequeno avião e aprende a pilotá-lo.  Em sua primeira ida à fazenda de Karen, ele a convida para um passeio pelos céus do Quênia, mostrando-lhe suas cachoeiras, crateras, planícies, colinas, montanhas e vales.

Bror Blixen procura a esposa para pedir-lhe o divórcio, já que se acha interessado em casar-se com outra mulher.  Por outro lado, apaixonada por Denys, sugere-lhe uma união mais estável, mas ele reage muito mal à idéia, por não se ver preso a ninguém.

Um incêndio de altas proporções acaba com toda a colheita do café, bem como, com os imóveis de sua fazenda, deixando Karen falida, o que a obriga a deixar a África.  Antes de partir, entretanto, negocia com as novas autoridades coloniais uma pequena reserva, em suas antigas terras, para abrigar a tribo dos Kikuyus.  Pouco antes de embarcar num trem, toma conhecimento da morte de Denys, ao sofrer um acidente aéreo.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado na vida da Baronesa Karen Blixen e nos livros "Out of Africa", "Shadows on the Grass" e "Letters from Africa", escritos por ela sob o pseudônimo de Isak Dinesen, "Entre Dois Amores" é um ótimo filme, embora, no meu ponto de vista, não se encontre num patamar digno das onze indicações ao Oscar por ele recebidas, das quais foi agraciado com nada menos que sete estatuetas. Produzido e dirigido pelo cineasta Sydney Pollack, o filme conta a história de uma baronesa dinamarquesa que chega à África para se casar e dirigir uma fazenda de café e, depois de vários anos, após enfrentar uma série de dificuldades, vê-se forçada a retornar à Dinamarca.
O trabalho de Pollack é muito bom, embora às vezes apresente um ritmo lento, o que é agravado por seu tempo de projeção, em torno de 2h40min.  Temas como colonialismo, ocidentalização, guerra, progresso, entre outros, acham-se presentes.

Do ponto de vista técnico, merecem ser destacados seu magnífico som e a belíssima fotografia de David Watkin, captando as maravilhosas paisagens da África do início do século XX.  No elenco, o grande nome a destacar é o de Meryl Streep, com uma atuação perfeita, seguido dos de Robert Redford e do austríaco Klaus Maria Brandauer.

CAA