Filmes por gênero

DOZE HOMENS E UMA SENTENÇA (1957)

12 angry men
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Doze homens em fúria (Portugal)
Douze hommes en colère (França)
La parola ai giurati (Itália)
Doce hombres sin piedad (Espanha)
12 hombres en pugna (México, Argentina)
Die zwölf Geschworenen (Alemanha)
12 edsvurna män (Suécia)
Tolv vrede mænd (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama
Direção: Sidney Lumet
Roteiro: Reginald Rose
Produção: Henry Fonda, Reginald Rose
Música Original: Kenyon Hopkins
Fotografia: Boris Kaufman
Edição: Carl Lerner
Direção de Arte: Robert Markel
Maquiagem: Herman Buchman
Efeitos Sonoros: James A. Gleason, Al Gramaglia
Nota: 9.2
Filme Assistido em: 1959

Elenco

Martin Balsam Jurado nº 1
John Fiedler Jurado nº 2
Lee J. Cobb Jurado nº 3
E. G. Marshall Jurado nº 4
Jack Klugman Jurado nº 5
Ed Binns Jurado nº 6
Jack Warden Jurado nº 7
Henry Fonda Jurado nº 8
Joseph Sweeney Jurado nº 9
Ed Begley Jurado nº 10
George Voskovec Jurado nº 11
Robert Webber Jurado nº 12
Rudy Bond Juiz
James Kelly Guarda
John Savoca O Acusado

Prêmios

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (Henry Fonda)

Festival Internacional de Berlim, Alemanha

Prêmio Urso de Ouro (Sidney Lumet)

Prêmio OCIC (Sidney Lumet)

Prêmios Bodil - Copenhague, Dinamarca

Bodil de Melhor Filme Americano (Sidney Lumet)

Prêmios Jussi, Finlândia

Diploma de Mérito (Henry Fonda)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Sidney Lumet)

Prêmios Blue Ribbon

Blue Ribbon de Melhor Filme Estrangeiro (Sidney Lumet)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Reginald Rose )

Festival Internacional de Cinema de Locarno, Suiça

Menção Especial (Sidney Lumet)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Reginald Rose, Henry Fonda)

Oscar de Melhor Direção (Sidney Lumet)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Reginald Rose)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (Sidney Lumet)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Henry Fonda)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Lee J. Cobb)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Sidney Lumet)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Sidney Lumet)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Numa tarde de verão, doze homens se fecham em uma sala abafada do Tribunal de Manhattan, para discutirem e deliberarem se um adolescente porto-riquenho deve ou não ser condenado à cadeira elétrica, acusado de ter assassinado o próprio pai com um canivete.  Antes, o juiz esclareceu os critérios a serem adotados, principalmente no caso de haver dúvidas, quando o voto deverá ser de 'inocente'.  Por outro lado, deixa claro que apenas uma votação unânime pode dar o veredicto.  Nenhum dos jurados é conhecido pelo nome e sim pelo número da cadeira que ocupa na sala do júri.

O Primeiro Jurado apresenta duas alternativas:  na 1ª, eles discutiriam primeiramente os fatos para, em seguida, votarem;  na 2ª, eles promoveriam uma votação preliminar para verificarem quem está de que lado.  Esta última é a escolhida e a votação se faz com um simples levantar das mãos.  O resultado é de 11 votos a favor da condenação, contra apenas 1 voto a favor da absolvição.

Alguns jurados se escondem sob uma máscara de ressentimento, como o nº 3,  um homem rude, temperamental e vingativo, com problemas com seus próprios filhos, o que o tornam hostil em relação aos jovens de uma maneira geral;  outros, sob a máscara do preconceito, como o nº 10, um homem reacionário e racista, prejudicando sua capacidade de votar com isenção;  o jurado nº 7, preocupado apenas com um jogo que vai acontecer mais tarde, vota com a maioria como forma do julgamento terminar mais cedo.  Cabe, assim, ao jurado nº 8, único que votou contra a condenação, convencer os outros onze de que não há total clareza na tese da culpabilidade do réu.

O jurado nº 12 sugere que cada um dos que são a favor da condenação, procure convencer o jurado nº 8 de que ele está errado, tendo, para isso, um a dois minutos.  Assim, à medida em que vai sendo questionado, o jurado nº 8 vai contra-argumentando de forma segura.  A certa altura, ele propõe uma votação secreta entre os 11 favoráveis à execução do rapaz, afirmando que, se o resultado for unânime  (11 x 0), ele mudará de opinião.  Entretanto, ocorrendo um único voto a favor do réu, eles continuarão a discutir o assunto.  O grupo concorda e o resultado da votação secreta é 10 x 1, o que mostra que um deles mudou de lado.  Surpreendentemente, o jurado mais velho, de nº 9, admite ter mudado seu voto em respeito à independência de pensamento demonstrada pelo nº 8.

Após uma pequena pausa, a discussão continua com o reexame do caso e, pouco a pouco, o jurado nº 8 vai conquistando novos aliados até a situação se inverter, com o placar de 11 x 1, onde o jurado nº 3 é o único a permanecer a favor da condenação do réu.  Este é, então, pressionado a defender sua posição.

Ele pede para que todos acreditem no que foi testemunhado na Corte, sob juramento, mas, ao abrir sua carteira de documentos, depara-se com uma foto sua em companhia do filho.  Ao olhar para ela, lágrimas começam a cair face ao sentimento de culpa que lhe invade, em virtude do seu próprio mal relacionamento familiar.  Arrasado e soluçando, ele diz: 'Inocente, inocente'.

A porta é aberta e os jurados lentamente saem após alcançarem a decisão unânime a favor da absolvição do réu.

imagem imagem imagem

Comentários

"Doze Homens e Uma Sentença" é um emocionante e absorvente filme sobre um grupo de jurados que deverá decidir sobre a condenação à morte ou a absolvição de um jovem acusado de ter morto seu próprio pai.

Realizado pelo cineasta Sidney Lumet, o filme procura examinar a personalidade de cada um desses homens, suas fraquezas, seus medos, suas diferenças culturais, suas capacidades de liderança.

O trabalho de direção de Lumet é irretocável.  Com habilidade, ele consegue captar o estado psicológico de cada personagem, mostrando as expressões dos atores sob vários ângulos.

"Doze Homens e Uma Sentença" apresenta, ainda, um ótimo roteiro, assinado por Reginald Rose, e um elenco de primeira linha.  Com magníficas interpretações, destacam-se Henry Fonda e Lee J. Cobb, respectivamente como os jurados nº 8 e nº 3, seguidos de Martin Balsam e E. G. Marshall.

CAA