Filmes por gênero

FELLINI, OITO E MEIO (1963)

Otto e mezzo
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Huit et demi (França)
8½ (Estados Unidos, Reino Unido)
Fellini ocho y medio (Espanha, Uruguai)
Fellini 8½ (Argentina)
Achteinhalb (Alemanha)
Osiem i pól (Polônia)
Pais: Itália, França
Gênero: Drama, Fantasia
Direção: Federico Fellini
Roteiro: Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Brunello Rondi
Produção: Angelo Rizzoli
Design Produção: Piero Gherardi
Música Original: Nino Rota
Fotografia: Gianni Di Venanzo
Edição: Leo Cattozzo
Direção de Arte: Piero Gherardi
Figurino: Piero Gherardi
Guarda-Roupa: Clara Poggi, Orietta Nasalli-Rocca
Maquiagem: Otello Fava
Efeitos Sonoros: Alberto Bartolomei, Mario Faraoni
Nota: 9.7
Filme Assistido em: 1964

Elenco

Marcello Mastroianni Guido Anselmi
Claudia Cardinale Claudia
Anouk Aimée Luisa Anselmi
Sandra Milo Carla
Rossella Falk Rossella
Barbara Steele Gloria Morin
Madeleine LeBeau Atriz francesa
Caterina Boratto Senhora misteriosa
Guido Alberti Produtor
Mario Conocchia Diretor
Bruno Agostini Secretário de Produção
Cesarino Miceli Picardi Inspetor de Produção
Jean Rougeul Carini, crítico cinematográfico
Mario Pisu Mario Mezzabotta
Yvonne Casadei Jacqueline Bonbon
Mino Doro Agente de Claudia
Nadia Sanders Nadine, a aeromoça
Georgia Simmons Avó de Guido
Edy Vessel Modelo
Tito Masini Cardeal
Annie Gorassini Namorada do Produtor
Rossella Como Amiga de Luisa
Mark Herron Namorado de Luisa
Giuditta Rissone Mãe de Guido
Annibale Ninchi Pai de Guido
Marisa Colomber Tia de Guido
Elisabetta Catalano Irmã de Luisa
Eugene Walter Jornalista
Neil Robinson Agente da atriz francesa

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Oscar de Melhor Figurino em Branco e Preto (Piero Gherardi )

Prêmios Bodil - Copenhague, Dinamarca

Bodil de Melhor Filme Europeu (Federico Fellini)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Italiano (Federico Fellini)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Trilha Sonora (Nino Rota)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Sandra Milo)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Roteiro (Federico Fellini, Brunello Rondi, Tullio Pinelli, Ennio Flaiano )

Prêmio Fita de Prata de Melhor Estória Original (Federico Fellini, Ennio Flaiano)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Fotografia em Branco e Preto (Gianni Di Venanzo )

Prêmio Fita de Prata de Melhor Produção (Angelo Rizzoli)

Festival Internacional de Cinema de Moscou, Rússia

Grand Prix (Federico Fellini)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios Cálices de Ouro, Itália

Prêmio Cálice de Ouro de Melhor Direção (Federico Fellini)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Federico Fellini)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Piero Gherardi)

Oscar de Melhor Roteiro Original (Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, B. Rondi)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Federico Fellini)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Ator (Marcello Mastroianni)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Design de Produção (Piero Gherardi)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Figurino (Piero Gherardi)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Guido Anselmi é um diretor de cinema bem-sucedido que, após concluir um filme de grande sucesso, encontra-se à beira de um colapso nervoso.  Seu estado de 'stress' o leva a ter uns pesadelos que o deixam perturbado.  Num desses pesadelos, ele se vê preso no meio de um engarrafamento, sufocado, enquanto as pessoas dos carros vizinhos permanecem indiferentes.

Seu médico lhe recomenda um período de descanso e recuperação num 'spa', mas pressionado por produtores, roteiristas e atrizes, ávidos por um novo projeto, ele se vê obrigado a discutir suas implicações ideológicas com representantes da Igreja Católica e a enfrentar problemas de produção com seus financiadores.

Nessa delicada situação, sua amante o procura para visitá-lo.  Sua descontente esposa faz o mesmo.  E, no meio de todo esse caos, de vez em quando ele tem umas visões de uma figura angelical que representa tudo o que ele quer da vida: beleza, tranqüilidade, serenidade.  Ela caminha suavemente, sem dizer uma palavra e esboçando um perfeito sorriso.  Em sua mente, ele a transforma numa Musa, e se conforta com seu apoio imaginário.

imagem imagem imagem

Comentários

"Fellini , Oito e Meio" é um dos mais originais, criativos e fascinantes filmes desse talentoso diretor do cinema italiano.  O filme tem muito a ver com a vida do próprio Fellini, apresentando lembranças de sua infância e até seqüências sugeridas por seus sonhos.  Mas tudo é feito de uma forma tão brilhante que se torna basicamente impossível distinguir o que é ficção e o que é real.

Mastroianni está brilhante no papel do confuso diretor de cinema, Guido Anselmi,  e consegue passar todas as frustrações, ansiedades, dúvidas, esperanças e medos do mesmo.

"Fellini, Oito e Meio" conta, ainda, com a magnífica trilha sonora de Nino Rota, merece ser considerado como mais uma obra-prima do cinema italiano e tem seu lugar garantido na lista dos grandes filmes de todos os tempos.

CAA