Filmes por gênero

FRIDA (2002)

Frida
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Frida Kahlo (Estados Unidos)
Pais: Estados Unidos, Canadá, México
Gênero: Biográfico, Drama, Romance
Direção: Julie Taymor
Roteiro: Clancy Sigal, Diane Lake, Gregory Nava, Anna Thomas
Produção: Salma Hayek, Sarah Green, Lizz Speed e outros
Design Produção: Felipe Fernández del Paso
Música Original: Elliot Goldenthal
Direção Musical: Sarah Botstein, Kathy Nelson
Coreografia: Salma Hayek, Ashley Judd, Mía Maestro
Fotografia: Rodrigo Pinto
Edição: Françoise Bonnot
Direção de Arte: Bernardo Trujillo, Felipe Fernández del Paso
Figurino: Julie Weiss
Guarda-Roupa: Adolfo Ramírez, Sandra Ramos, Barbara Marko e outros
Maquiagem: John E. Jackson, Beatrice De Alba, Judy Chin, Regina Reyes
Efeitos Sonoros: Lena Esquenazi, Blake Leyh, Glenfield Payne e outros
Efeitos Especiais: Alejandro Vázquez, Lazaro Cervantes, Salvador Servin e outros
Efeitos Visuais: Jeremy Dawson, Dan Schrecker, Joel Hynek e outros
Nota: 8.9
Filme Assistido em: 2003

Elenco

Salma Hayek Frida Kahlo
Mía Maestro Cristina Kahlo
Alfred Molina Diego Rivera
Antonio Banderas David Alfaro Siqueiros
Ashley Judd Tina Modotti
Valeria Golino Lupe Marín
Diego Luna Alejandro
Edward Norton Nelson Rockefeller
Alejandro Usigli Professor
Saffron Burrows Gracie
Loló Navarro Nanny
Roger Rees Guillermo Kahlo
Amelia Zapata Empregada
Roberto Medina Dr. Farril
Lila Downs Cantora de Tango
Martha Claudia Moreno Mulher no Casamento
Maria Ines Pintado Mulher no Casamento
Geoffrey Rush Leon Trotsky
Patricia Reyes Spíndola Matilde Kahlo
Margarita Sanz Natalia Trotsky
Lucía Bravo Modelo no Auditório
Jorge Guerrero Padre no Funeral
Mary Luz Palacio Isolda
Omar Rodríguez André Breton
Ivana Sejenovich Modelo

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Maquiagem

Oscar de Melhor Trilha Sonora

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Maquiagem

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Trilha Sonora Original

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio da Fundação Mimmo Rotella (Julie Taymor)

Sociedade dos Críticos de Cinema de Las Vegas

Prêmio Sierra de Melhor Direção de Arte (Bernardo Trujillo, Felipe Fernández del Paso)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Salma Hayek)

Oscar de Melhor Direção de Arte

Oscar de Melhor Figurino

Oscar de Melhor Canção Original (Burn It Blue)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Figurino

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Alfred Molina)

Prêmio de Melhor Atriz (Salma Hayek)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Salma Hayek)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Julie Taymor)

Festival Internacional do Cinema de Bangkok, Tailândia

Prêmio de Melhor Filme (Julie Taymor)

Associação dos Críticos de Cinema de Chicago

Prêmio de Melhor Atriz (Salma Hayek)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Alfred Molina)

Festival Internacional de Cinema de Chicago

Prêmio Gold Hugo de Melhor Filme (Julie Taymor)

Sociedade dos Críticos de Cinema de Las Vegas

Prêmio Sierra de Melhor Direção (Julie Taymor)

Prêmio de Melhor Atriz (Salma Hayek)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Alfred Molina)

Associação dos Críticos de Cinema de Utah, USA

Prêmio de Melhor Atriz (Salma Hayek)

Videoclipes

70 anos de cinema 70 anos de cinema

Sinopse

O filme retrata a vida da artista mexicana Frida Kahlo, nascida em 1907, que lutou contra a dor como poucas pessoas e que, com uma natureza transgressora, transformou-se em um mito da América Latina.  A história também aborda os vários relacionamentos amorosos que teve durante sua vida - com seu marido, o pintor Diego Rivera, 20 anos mais velho que ela e com quem se casou duas vezes, com Leon Trotsky e também com várias mulheres - traços da sua rápida ascensão no mundo da arte e sua trágica vida pessoal.

A história começa com Frida, ainda adolescente, em 1922 na cidade do México, com seu namorado espionando o famoso muralista Diego Rivera, enquanto ele desenha uma modelo e, em seguida, tenta seduzi-la.  Os dois acham graça quando a tentativa do pintor é interrompida por sua então esposa Lupe Marin, que passa a enumerar as razões pelas quais Rivera não satisfaz como marido e é um eterno sedutor.

Ao voltar para casa, sofre um terrível acidente que a deixa com um pé esmagado, a coluna dorsal e a pelve quebradas e a parte inferior de seu corpo atravessada por uma barra metálica.

As cirurgias e o processo de recuperação que se seguem são infinitamente dolorosos e levam sua família à falência, mas enquanto se recupera, ela começa a desenhar e a pintar.
A partir desse início terrível, o filme mostra como o sofrimento de Frida e, mais tarde, seu amor, são as fontes de inspiração de sua arte surrealista.

Quando ela volta a andar, vai visitar Rivera e pede que ele faça a crítica de seu trabalho.  A química imediata entre eles evolui para um romance que termina em casamento – o terceiro de Diego.  Embora a mãe de Frida desaprove, dizendo tratar-se do casamento “de um elefante com uma pomba”, os dois têm em comum sua natureza apaixonada e um profundo engajamento com a política radical.

 A festa de casamento de Frida e Diego tem lugar na sede do Partido Comunista, cujos membros incluem a célebre fotógrafa Tina Modotti e o pintor David Alfaro Siqueiros.  Embora o filme não passe por cima da militância política deles, adota um enfoque distanciado, glamurizando a vida boêmia de artistas como Rivera e Modotti, que freqüentavam bares de trabalhadores.  É nesse ambiente que o tango sensual dançado por Modotti e Frida acaba revelando publicamente a bissexualidade da pintora mexicana.

 Diego e Frida viajam à Nova York onde o pintor faz sucesso e termina sendo contratado por Nelson Rockefeller para pintar a entrada do Rockefeller Center, obra que termina sendo interrompida quando ele retrata personagens do regime comunista russo.

Alguns dos fatos verídicos mostrados são mais surpreendentes do que qualquer ficção como, por exemplo, o caso que Frida tem com o envelhecido Leon Trotsky.  O filme continua com alguns momentos belíssimos e outros dramáticos como a deterioração da relação de Frida e Diego, sua prisão após o assassinato de Trotsky, a traição de Diego com sua irmã Cristina, novos quadros, cirurgias e doenças.

imagem imagem imagem imagem imagem imagem

Comentários

"Frida" é um excelente filme que relata a vida e a arte da famosa pintora mexicana, Frida  Kahlo.  Com um início arrebatador, o filme é tecnicamente impecável.

Como produtora e atriz principal, Salma Hayek é o maior destaque do filme, conseguindo prender a atenção do espectador do início ao fim.  Alfred Molina também está perfeito como Diego Rivera. Merece, ainda, destaque a atuação de Valeria Golino no papel de Lupe Marín.  Embora apareçam em papeis menores, Antonio Banderas e Ashley Judd estão muito bem em cena.
Chama atenção a recriação das casas e de várias pinturas de Frida, hoje reconhecida como uma das maiores pintoras do século passado.

A maravilhosa trilha sonora inclui a bela canção 'Burn is Blue', ganhadora do Oscar e interpretada magistralmente pelo nosso Caetano Veloso e a mexicana Lila Downs.  Um outro momento especial é aquele em que Chabela Vargas canta 'La Llorona' diante de uma garrafa vazia de tequila.

Finalmente, o filme apresenta, ainda, uma excelente fotografia, com várias referências às cores da bandeira mexicana, cenários bem reconstruidos e ótimos efeitos especiais.

CAA