Filmes por gênero

E O VENTO LEVOU (1939)

Gone with the wind
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: E tudo o vento levou (Portugal)
Autant en emporte le vent (França, Canadá, Bélgica)
Via col vento (Itália)
Lo que el viento se llevó (Espanha, México, Argentina)
Vom winde verweht (Austria,Alemanha)
Borta med vinden (Suécia)
Borte med blæsten (Dinamarca)
Gejaagd door de wind (Holanda)
Унесенные ветром (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Romance, Guerra Civil
Direção: Victor Fleming
Roteiro: Sidney Howard
Produção: David O. Selznick
Design Produção: William Cameron Menzies
Música Original: Max Steiner
Fotografia: Ernest Haller, Ray Rennahan
Edição: James E. Newcom, Hal C. Kern
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler
Figurino: Walter Plunkett
Guarda-Roupa: Edward P. Lambert, Michi Okubo, Edward Maeder
Maquiagem: Sydney Guilaroff, Monte Westmore
Efeitos Sonoros: Fred Albin , Arthur Johns, Thomas T. Moulton e outros
Efeitos Especiais: Jack Cosgrove, Lee Zavitz
Efeitos Visuais: Haller Belt, Jack Shaw, Clarence Slifer e outros
Nota: 9.8
Filme Assistido em: 1950

Elenco

Clark Gable Rhett Butler
Vivien Leigh Scarlett O'Hara
Olivia de Havilland Melanie Hamilton
Hattie McDaniel Mammy
Thomas Mitchell Gerald O'Hara
Leslie Howard Ashley Wilkes
Evelyn Keyes Suellen O'Hara
Jane Darwell Sra. Dolly Merriwether
Barbara O'Neil Ellen O'Hara
Ward Bond Tom, capitão ianque
Ann Rutherford Carreen O'Hara
Harry Davenport Dr. Meade
Victor Jory Jonas Wilkerson, o capataz
Lillian Kemble-Cooper Cathleen Calvert
Laura Hope Crews Tia Pittypat Hamilton
George Reeves Stuart Tarleton
Ona Munson Belle Watling
Mary Anderson Maybelle Merriwether
Leona Roberts Sra. Meade
Mickey Kuhn Beau Wilkes
Butterfly McQueen Prissy
Howard C. Hickman John Wilkes
Alicia Rhett India Wilkes
Rand Brooks Charles Hamilton
Carroll Nye Frank Kennedy
Cammie King Bonnie Blue Butler
Fred Crane Brent Tarleton
Oscar Polk Pork
Eddie Anderson Tio Peter
Robert Elliott Major ianque

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Victor Fleming)

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Ernest Haller, Ray Rennahan)

Oscar de Melhor Direção de Arte (Lyle R. Wheeler)

Oscar de Melhor Edição (Hal C. Kern, James E. Newcom )

Oscar de Melhor Filme (Selznick International Pictures, Metro-Goldwyn-Mayer)

Prêmio de Melhor Realização Técnica (R.D. Musgrave)

Oscar de Melhor Roteiro (Sidney Howard)

Oscar de Melhor Atriz (Vivien Leigh)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Hattie McDaniel)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Vivien Leigh)

Prêmios Photoplay, Estados Unidos

Prêmio Medalha de Honra (David O. Selznick)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator (Clark Gable)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Max Steiner)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Olivia de Havilland)

Oscar de Melhor Gravação de Som (Thomas T. Moulton)

Oscar de Melhores Efeitos Especiais e Sonoros (Jack Cosgrove, Fred Albin, Arthur Johns)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Victor Fleming)

Videoclipes

70 anos de cinema 70 anos de cinema

Sinopse

Scarlett, a bela, mimada e mais velha das três filhas dos O'Hara, de 16 anos, vive com a família numa grande plantação sulista de algodão do Norte da Georgia, chamada Tara.  Ela é apaixonada por Ashley Wilkes, filho mais velho de um plantador vizinho, de modo que, fica atordoada ao ouvir rumores de que ele planeja casar-se com sua aristocrática prima, Melanie Hamilton, de Atlanta.

Quando Scarlett cavalga com seu pai, Gerald, este lhe confirma que o casamento de Ashley vai ser anunciado durante a festa a ser realizada na mansão dos Wilkes no dia seguinte, e que espera que a filha não apronte uma das suas.  Gerald não acredita que sua filha fosse feliz ao lado de Ashley.  Ela se queixa ao pai a respeito de Tara, que não significa nada para ela.  Ele lhe explica e reforça o valor inestimável de Tara, uma lição que Scarlett jamais esquecerá, mesmo quando as terras começarem a sofrer as devastações da Guerra de Secessão Americana.

Ainda chateada, Scarlett acredita que Ashley não sabe de seu amor por ele, e diz pra si própria: "Eu lhe digo que o amo e ele desiste do casamento com a prima".  Entretanto, uma vez na festa, Scarlett cumprimenta Ashley e Melanie e, cinicamente, começa a flertar com Charles Hamilton, irmão de Melanie e suposto pretendente de India Wilkes, irmã de Ashley.

A seguir, ela pergunta à Cathleen Calvert se ela sabe quem é o homem que se encontra sozinho ao pé da escadaria.  Cathleen lhe diz que se trata de Rhett Butler, de Charleston, e que o mesmo tem uma péssima reputação.  O charmoso Rhett sente-se imediatamente atraido pela estonteante beleza de Scarlett e ela se sente como se ele a estivesse despindo com o olhar.

Na festa, há um caloroso debate entre os cavalheiros a cerca da guerra.  Os patrióticos sulistas acreditam que conseguirão uma rápida vitória sobre a União.  Rhett, recém-chegado de West Point, não concorda com o otimismo dos presentes e diz: "Acho difícil ganhar uma guerra com palavras.  Os ianques estão melhor equipados que nós.  O que temos é algodão, escravos e arrogância".  Ele realmente acredita que a causa sulista está caminhando para um fracasso.

Finalmente, Scarlett encontra Ashley sozinho na biblioteca e declara seu profundo amor por ele.  Este, sem querer machucá-la, lhe diz que a ama como a uma irmã.  Ela perde a calma, o xinga e diz que vai odiá-lo até a morte.  Sem discutir, Ashley se retira da biblioteca.  Frustrada, ela atira um vaso contra a lareira.  A seguir, Scarlett fica embaraçada ao ver Rhett sair de trás de um sofá, onde assistira ao seu encontro com Ashley.  Ironicamente, ele comenta: "A guerra já começou?"  Esse primeiro encontro é tumultuado, embora ele lhe prometa manter o seu segredo.

Um cavaleiro chega à Twelve Oakes, a propriedade dos Wilkes, com a notícia de que a guerra chegou a Fort Sumter.  Os sulistas montam em seus cavalos e vão se alistar e se preparar para o conflito.  Ao ver Melanie beijar Ashley, ao se despedir dele, Scarlett aceita repentinamente uma impulsiva proposta de casamento de Charles Hamilton.

Charles e Scarlett casam-se em Tara, um dia depois do casamento de Ashley e Melanie.  Os dois maridos partem para a guerra poucos dias depois.  Charles morre de pneumonia em um campo de treinamento, antes de ir para o front.  Impaciente com a falta de vida em Tara, Scarlett decide ir para Atlanta morar com Melanie e ajudar a tia dela, Pittypat Hamilton, nos preparativos da chegada do primeiro filho de Melanie.  Mammy a adverte por saber que sua verdadeira intenção é ficar perto de Ashley, quando este retornar da guerra.

Durante uma festa beneficente, para arrecadar fundos para o esforço de Guerra, Scarlett se sente chateada por ter que fingir pena por um marido que nunca amou.  Quando os cavalheiros são incentivados a fazerem ofertas para a dança de abertura com a mulher escolhida, a maioria das ofertas é da ordem de US$20 a US$25.  Demonstrando desejo por Scarlett, Rhett faz uma oferta de US$150, em ouro, para tê-la como seu par.  Imediatamente, ele é aconselhado a retirar a oferta, já que ela se encontra de luto.  Para surpresa de todos e vergonha de Tia Pittypat, Scarlett aceita seu desafio.  Enquanto dançam, Rhett lhe diz que vai esperar o dia em que ela lhe dirá as mesmas palavras ditas a Ashley na biblioteca, ao que ela lhe responde: "Aquelas palavras, o Sr. jamais ouvirá de mim, ao longo de toda sua vida".

A guerra continua e, numa próxima visita, Rhett traz para Scarlett um chapéu verde, de Paris.  Ela agradece sua gentileza, mas diz que não pode aceitá-lo.  Quando Ashley chega à Atlanta para passar o Natal, Scarlett aproveita a oportunidade para reiterar o seu amor por ele.  Ele, mais uma vez, não corresponde às expectativas dela.

Scarlett permanece em Atlanta com Melanie, trabalhando como voluntária no hospital, cuidando de milhares de feridos.  Quando é anunciado que Atlanta está para cair nas mãos inimigas, começa um grande êxodo.  Tia Pittypat foge para o campo.  Ao se preparar para deixar a cidade, Scarlett toma conhecimento que Melanie está entrando em trabalho de parto.  Ela corre para pedir ajuda ao Dr. Meade, mas este lhe diz que não pode largar o hospital com tantos homens morrendo.  Ela volta e termina fazendo o parto.  Após o nascimento da criança, Scarlett pede à Prissy, empregada da casa, que vá até o 'Saloon Red Horse' tentar localizar Rhett.  Mais tarde, ele chega com uma carroça para resgatá-las.

Eles saem da cidade, que fica para trás incendiada.  Quando chegam à estrada que leva à Tara, Rhett para a carroça e diz que vai deixá-las ali e voltar para lutar pelos confederados.  Ele lhe declara seu amor e pede um beijo para um soldado que parte para a guerra.  Mal interpretando suas palavras e furiosa com sua ultrajante proposta, Scarlett o esbofeteia.  Rhett desaparece na escuridão.

Em sua perigosa viagem de volta à Tara, Scarlett, Prissy, Melanie e o Bebê, passam por grandes dificuldades.  Uma noite, quando chegam finalmente à Twelve Oaks, encontram tudo queimado e o túmulo do pai de Melanie.  Elas continuam em seu caminho em direção à Tara.  Ao chegarem lá, encontram o pai de Scarlett mentalmente perturbado, suas duas irmãs convalescendo de uma febre tifóide e sua mãe morta sobre uma mesa.  Aos poucos, através de Pork, um dos empregados da família e de Mammy, Scarlett vai tomando conhecimento do que ocorreu em Tara durante sua ausência: os soldados da União queimaram o celeiro e a plantação de algodão, bem como, roubaram tudo o que puderam.  Scarlett decide reconstruir tudo e torna-se 'a chefe da casa', colocando todo o mundo para trabalhar duro.  

Quando a guerra termina, em 1865, Scarlett, como a mais velha sobrevivente dos O'Hara, concorda com o noivado da irmã Suellen com Frank Kennedy, que promete não se casar até ter uma situação financeira estável.  Ashley retorna da guerra para a esposa Melanie.  Scarlett declara mais uma vez seu amor por Ashley, propondo-lhe que fujam para o México, mas ele se recusa a deixar Melanie e o bebê por ela.

Quando ela verifica que Tara tem US$300 em débitos e impostos, vai à Atlanta tentar seduzir Rhett, mas quando este descobre suas verdadeiras intenções, dá-lhe um fora ao lhe dizer que ela não vale US$300.  No desespero, ela rouba o noivo da irmã, Frank Kennedy, agora já um próspero comerciante, e se casa com ele, resolvendo os problemas financeiros de Tara.

Scarlett persuade o marido a abrir uma serraria para ela, onde passa a explorar a mão-de-obra barata do local, tornando-se uma mulher de negócios importante.  Rhett visita a nova Sra. Scarlett Kennedy, oportunidade em que critica seu segundo casamento por conveniência.

Um dia, ao dirigir sozinha para sua serraria, através da perigosa Shanty Town, Scarlett é assaltada por dois homens e, em seguida, salva por um ex-capataz de Tara.  Ao voltar, ela reporta o assalto mas ninguém dá maior importância.  Mais tarde, Scarlett, Melanie e outras mulheres, aguardam a volta de seus maridos de uma 'reunião política' - na realidade, uma incursão à Shanty Town por seu grupo da Ku Klux Klan, para vingar a honra de Scarlett.  Quem chega é Rhett para avisar que seus maridos estão em perigo, caminhando para uma armadilha preparada pelos ianques.  A incursão resultou num fracasso, tendo Frank morrido e Ashley saido ferido.  Assim, Scarlett fica viúva pela segunda vez.  Sentindo-se culpada pela morte de Frank, Scarlett bebe e entra em depressão.  Rhett chega para visitá-la e, mais uma vez, propõe que se casem.  Scarlett o beija e aceita o pedido de casamento, avisando-o que não o ama.  Os dois casam-se e descem o rio Mississippi para a lua-de-mel em Nova Orleans.  

Quando retornam à Tara, para satisfazê-la, Rhett promete reconstruir a plantação de algodão, nos moldes anteriores à guerra e comprar uma suntuosa mansão para eles em Atlanta.   O casal tem uma filha à qual dão o nome de Bonnie Blue Butler.  Após o parto, Scarlett se sente gorda e se preocupa com a eventual perda de sua beleza.  Torna-se, então, uma mulher sexualmente fria e diz pra Rhett que decidiu fazer abstinência.  Recusa-se a dormir e a ter relações sexuais com ele para evitar uma outra gravidez.  Bonnie é o único elo de ligação entre os dois.  Rhett é um pai adorável.

Numa visita à serraria, Scarlett e Ashley relembram o passado e como suas vidas mudaram desde a guerra.  Ele a abraça, o que é visto por India Wilkes, que corre para contar a Rhett.  Este mal interpreta o inocente abraço.  No aniversário de Ashley, Scarlett não quer ir à festa, mas Rhett a obriga.  Como sempre, os dois continuam a se desentenderem, mas terminam a noite com um beijo de Rhett que a leva, em seguida para o quarto.  

Na manhã seguinte, Scarlett acorda feliz e pensando numa reconciliação, quando ele lhe diz que está considerando a hipótese de pedir o divórcio.  Rhett ainda informa que viajará no dia seguinte para Londres em companhia da filha Bonnie.  Em sua volta, Rhett toma conhecimento de uma nova gravidez de Scarlett, abortada quando ela cai da escada.  Depois que Scarlett se recupera, ocorre mais uma tragédia: sua filha Bonnie quebra o pescoço e morre ao cair de um cavalo.  Logo depois, Melanie adoece e morre.  

Com a morte de Melanie, Ashley fica livre.  Entretanto, pela primeira vez, Scarlett percebe que o grande amor de sua vida foi Rhett.  Ela chama por ele, mas um exausto Rhett, cansado das constantes rejeições e manipulações sofridas, está decidido a voltar para Charlestone, sua terra natal, por mais que ela declare seu amor e peça para que ele fique.  Irredutível, ele parte, deixando Scarlett pra trás.  Como ela nunca foi do tipo de admitir uma derrota, recusa-se a admitir a rejeição de Rhett.

Por outro lado, ela começa a 'ouvir' vozes dos homens importantes de sua vida, lembrando-a de que a fonte de toda a sua força é o solo de Tara:  seu pai dizendo-lhe que a terra é a única coisa que interessa;  Ashley dizendo que Tara é a única coisa que ela ama mais que a ele;  e Rhett dizendo que é da terra vermelha de Tara que ela tira sua força.  Essas frases são repetidas cada vez mais altas.  Finalmente, Scarlett percebe que, mesmo que não consiga ter Rhett de volta, ela poderá voltar sempre à Tara para se reabastecer.

"... Tara! ... Lar.  Irei para o meu lar e pensarei numa forma de tê-lo de volta!  Afinal, amanhã é um novo dia!"

Na última cena, Scarlett aparece sozinha, debaixo de uma enorme árvore de Tara, uma perfeita e heróica silhueta de alguém que não admite a derrota.

imagem

Comentários

"... E o vento levou" é um filme excepcional, um filme tão à frente do seu tempo que parece ter sido produzido ontem.  Ele possui todos os ingredientes de um bom filme: uma bela história, uma brilhante direção, um excelente roteiro, um elenco impecável e uma maravilhosa fotografia.

Nele, estão igualmente presentes: romance, drama, tragédia, suspense, comédia e um grande número de personagens memoráveis.  O uso do tecnicólor é excepcional para os padrões de 1939.  Embora seja bastante longo (4 horas de duração), em nenhum momento ele se torna enjoado ou cansativo.
CAA