Filmes por gênero

COMO ÁGUA PARA CHOCOLATE (1992)

Como agua para chocolate
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Les épices de la passion (França)
Une saveur de passion (Canadá)
Come l'acqua per il cioccolato (Itália)
Bittersüße Schokolade (Alemanha)
Kärlek het som chili (Suécia)
Przepiórki w platkach rózy (Polônia)
Water bij de chocolade (Holanda)
Hjerter i chili (Dinamarca)
Как вода для шоколада (Rússia)
Pais: México
Gênero: Drama, Romance
Direção: Alfonso Arau
Roteiro: Laura Esquivel
Produção: Alfonso Arau
Design Produção: Marco Antonio Arteaga, Denise Pizzini, Emilio Mendoza
Música Original: Leo Brouwer
Direção Musical: Annette Fradera
Fotografia: Emmanuel Lubezki, Steven Bernstein
Edição: Carlos Bolado, Francisco Chiu
Direção de Arte: Ricardo Kaplan
Figurino: Carlos Brown
Guarda-Roupa: Víctor Balderas, Maria Ines Garibay
Maquiagem: Sergio Espinoza, Julian Tejeda, Robert Villafuerte
Efeitos Sonoros: Juan Castro, Aurelio López, Marco Welsh, Felipe Zavala e outros
Efeitos Especiais: Raul Falomir, Carlos Falomir, Eduardo Castañeda
Efeitos Visuais: Francisco Rodríguez, Manuel Sáinz
Nota: 8.4
Filme Assistido em: 1993

Elenco

Marco Leonardi Pedro Muzquiz
Lumi Cavazos Tita
Regina Torné Mamá Elena
Mario Iván Martínez Dr. John Brown
Ada Carrasco Nacha
Yareli Arizmendi Rosaura
Claudette Maillé Gertrudis
Pilar Aranda Chencha
Farnesio de Bernal Padre
Joaquín Garrido Sargento Treviño
Rodolfo Arias Juan Alejándrez
Margarita Isabel Paquita Lobo
Sandra Arau Esperanza Muzquiz
Andrés García Jr. Alex Brown
Regino Herrera Nicolás
Genaro Aguirre Rosalio
David Ostrosky Juan de la Garza
Socorro Rodríguez Amiga de Paquita
Brígida Alexander Tía Mary
Amado Ramírez Pai de Pedro
Artemio Cruz Assistente de Juan Alejándrez
Mario Vasquez Revolucionário
Angel Sierra Revolucionário
José Miguel García Revolucionário
Juan Murillo Revolucionário

Prêmios

Festival de Gramado, Brasil

Kikito de Ouro de Melhor Atriz (Lumi Cavazos)

Kikito de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante Estrangeira (Claudette Maillé)

Prêmio do Júri Popular (Alfonso Arau)

Festival Internacional de Cinema de Tóquio, Japão

Prêmio de Melhor Atriz (Lumi Cavazos)

Prêmio de Melhor Contribuição Artística (Emmanuel Lubezki e Steven Bernstein)

Prêmios Ariel - Academia Mexicana de Cinema, México

Ariel de Ouro de Melhor Filme (Alfonso Arau)

Ariel de Prata de Melhor Fotografia (Emmanuel Lubezki)

Ariel de Prata de Melhor Atriz em um Papel Menor (Margarita Isabel)

Ariel de Prata de Melhor Roteiro (Laura Esquivel)

Ariel de Prata de Melhor Design de Produção (Emilio Mendoza, Ricardo M. Kaplan)

Ariel de Prata de Melhor Ambientação (Mauricio De Aguinaco, Marco Antonio Arteaga, Carlos Brown, Denise Pizzini )

Ariel de Prata de Melhor Direção (Alfonso Arau)

Ariel de Prata de Melhor Ator (Mario Iván Martínez)

Ariel de Prata de Melhor Atriz (Regina Torné)

Ariel de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Claudette Maillé)

Festival Internacional de Cinema de Chicago

Prêmio do Público (Alfonso Arau)

Prêmio Silver Hugo de Melhor Roteiro (Alfonso Arau)

Festival do Cinema de Guadalajara, México

Prêmio do Público (Alfonso Arau)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios ACE, Nova York, Estados Unidos

Prêmio ACE de Melhor Filme

Prêmio ACE de Melhor Direção (Alfonso Arau)

Prêmio ACE de Melhor Ator (Mario Iván Martínez)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira (Alfonso Arau)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmios Ariel - Academia Mexicana de Cinema, México

Ariel de Prata de Melhor Atriz (Lumi Cavazos)

Ariel de Prata de Melhor Ator em um Papel Menor (Joaquín Garrido)

Ariel de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Pilar Aranda)

Ariel de Prata de Melhor Edição

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Filme Estrangeiro em Língua Espanhola (Alfonso Arau)

Festival de Gramado, Brasil

Kikito de Ouro de Melhor Filme da Competição Latina (Alfonso Arau)

Instituto Australiano de Cinema

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Alfonso Arau)

Associação dos Críticos de Cinema de Chicago

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios Independent Spirit, California, Estados Unidos

Prêmio Independent Spirit de Melhor Filme Estrangeiro (Alfonso Arau)

Festival Internacional de Cinema de Tóquio, Japão

Grand Prix de Tóquio (Alfonso Arau)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

 Mamá Elena, uma viúva, e suas três filhas, Rosaura, Gertrudis e Tita, vivem em sua fazenda no interior do México.  Para manter a tradição da família, Tita, a mais nova das irmãs, é obrigada a renunciar a qualquer proposta de casamento, a fim de cuidar da mãe na velhice.

Quando Pedro Muzquiz e Tita se apaixonam, o pai dele procura pessoalmente Mamá Elena para tentar fazer com que ela abra mão da tradição familiar em benefício da felicidade dos dois jovens.  Irredutível, ela oferece Rosaura, apenas dois anos mais velha que Tita, no lugar desta.  Pedro pede ao pai que aceite a proposta, pois vê nela sua única oportunidade de ficar próximo da mulher que tanto ama.

Mamá Elena põe Tita como responsável pela cozinha da casa.  No dia do casamento de Rosaura, toda a comida para a festa é, portanto, preparada por Tita.  Durante o banquete do casamento, uma sensação de melancolia e frustração toma conta de todos, seguida de uma sessão de vômito coletivo. Os recém-casados passam três meses sem se tocarem.

Um ano depois, Pedro oferece um buquê de rosas à Tita pela passagem do 1º aniversário dela como responsável pela cozinha.  Mamá Elena ordena que a filha o jogue fora, mas ela não a obedece e decide usar as pétalas das rosas em uma nova receita.  Quando a refeição é servida, um estranho fenômeno ocorre:  é como se o sangue de Tita tivesse sido dissolvido no molho de rosas e estivesse presente em cada aroma daquela refeição.  Assim, ela consegue invadir o corpo de Pedro de forma voluptuosa e sensual, descobrindo uma nova forma de se comunicar com ele.  Através dessa refeição, Gertrudis desperta para a sexualidade.  Ela corre nua pelo campo, emitindo o aroma de rosas.  Ao seu encontro, vem um revolucionário e os dois seguem juntos a cavalo.

Num dia em que a mãe e Pedro encontram-se fora, Tita vê-se obrigada a fazer o parto de sua irmã Rosaura.  À noite, ela e Pedro se encontram fora de casa e se beijam.

Face à revolução mexicana, Mamá Elena pede para que Pedro, Rosaura e o filho vão morar em San Antonio, Texas, na casa de um primo.  A criança morre.

A notícia da morte do sobrinho deixa Tita emocionalmente perturbada, o que faz com que ela seja enviada para uma Clínica em Eagle Pass.  Sob os cuidados do jovem Dr. John Brown, este logo se apaixona por ela.  Recuperada, ela não pretende mais pôr os pés na fazenda.

É quando toma conhecimento que um grupo de homens armados esteve lá, assassinou sua mãe e estuprou Chencha, uma das criadas da fazenda.  Durante o enterro de Mamá Elena, Pedro e Tita voltam a se encontrar.  Na oportunidade, Rosaura passa mal, sendo submetida à uma cesariana pelo Dr. Brown, quando nasce uma menina que vem a se chamar Esperanza.  O médico pede a mão de Tita em casamento, mas essa insiste em que ama outro homem.  À noite, Pedro a procura em seu quarto.

Gertrudis, agora uma revolucionária, visita a família em companhia do marido, Juan Alejándrez.  Tita diz à irmã que se acha grávida de Pedro.  Esta lhe dá forças para que assuma seu amor por ele, mas a jovem vive atormentada pelas freqüentes visões que tem da mãe, sempre a amaldiçoá-la.

Ao descobrir que a mãe tivera uma filha ilegítima, Gertrudis, Tita aproveita esse fato para despejar todo seu ódio contra ela, quando de uma de suas visões.  Com essa atitude, consegue espantar seu fantasma para sempre e ficar livre de sua gravidez psicológica.

Vinte e dois anos depois, quando do casamento de Esperanza com o filho do Dr. Brown, o agora viúvo Pedro pede para que Tita se case finalmente com ele.  Depois que os noivos partem em lua-de-mel e os convidados deixam a fazenda, Pedro e Tita iniciam uma linda noite de amor.  Durante o ato sexual, entretanto, não suportando tanta emoção, Pedro morre em seus braços.  Inconformada, Tita provoca sua própria morte, através de uma autocombustão que se alastra por toda a casa.

Ao retornar de sua lua-de-mel, tudo o que Esperanza encontra sob os escombros do casarão da fazenda é o livro de receitas que Tita deixara para ela.

imagem

Comentários

"Como Água Para Chocolate" é um excelente filme mexicano.  Produzido e dirigido pelo cineasta Alfonso Arau, a trama fala de um amor incompreendido, onde os protagonistas não têm outra forma de comunicação que não seja através da comida por ela preparada.

Laura Esquivel, uma das mais populares escritoras mexicanas e esposa de Arau, é a responsável pela adaptação de seu próprio romance para as telas do cinema.

"Como Água Para Chocolate" é um filme sobre o amor, a tradição, a paixão, a magia e o misticismo.  A cozinha transforma-se num espaço de criação e liberdade, onde Tita transmite todo seu amor e seus desejos através de suas receitas e seus pratos.  O filme procura mostrar, ainda, a condição da mulher mexicana da época, bem como, acontecimentos políticos como a Revolução Mexicana.

Além dos magníficos trabalhos realizados por Arau e Esquivel, "Como Água Para Chocolate" nos brinda ainda com a magnífica fotografia de Emmanuel Lubezki e Steven Bernstein, bem como, com um elenco de primeira linha, onde se destacam as atuações de Regina Torné, Lumi Cavazos e Claudette Maillé.

CAA