Filmes por gênero

HIROSHIMA, MEU AMOR (1959)

Hiroshima, mon amour
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Nijuuyojikan no jouji (Japão)
Hiroshima, my love (USA)
Hiroshima mi amor (México)
Hiroshima - min älskade (Suécia)
Hiroshima, min elskede (Dinamarca)
Hiroshima, rakastettuni (Finlândia)
Hiroszima, moja milosc (Polônia)
Хиросима, моя любовь (União Soviética)
Pais: França, Japão
Gênero: Drama, Romance
Direção: Alain Resnais
Roteiro: Marguerite Duras
Produção: Anatole Dauman, Samy Halfon
Design Produção: Antoine Mayo, Petri, Minoru Esaka
Música Original: Georges Delerue, Giovanni Fusco
Fotografia: Sacha Vierny, Michio Takahashi
Edição: Jasmine Chasney, Henri Colpi, Anne Sarraute
Figurino: Gérard Collery
Maquiagem: Alexandre Marcus
Efeitos Sonoros: Pierre-Louis Calvet, René Renault
Nota: 9.3
Filme Assistido em: 1961

Elenco

Emmanuelle Riva Ela
Eiji Okada Ele
Stella Dassas A mãe
Pierre Barbaud O pai
Bernard Fresson O amante alemão

Prêmios

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio Nações Unidas (Alain Resnais)

Sindicato Francês dos Críticos de Cinema, França

Prêmio de Melhor Filme (Alain Resnais)

Prêmios Bambi, Alemanha

Prtêmio de Melhor Filme Internacional

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Alain Resnais)

National Board of Review, USA

Prêmio NBR de Melhor Filme Estrangeiro

Grand Prix de l'Union de la Critique de Cinéma

Grand Prix de l'UCC

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Original (Marguerite Duras )

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Emmanuelle Riva)

Prêmio de Melhor Filme (Alain Resnais)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Alain Resnais)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Alain Resnais)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Alain Resnais)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Agosto, 1957 - Uma jovem e bela atriz francesa está participando das filmagens de um novo filme sobre a paz, na cidade japonesa de Hiroshima, devastada durante a 2ª Guerra Mundial por uma bomba atômica, lançada pelas tropas americanas, e agora já reconstruída.

Na cidade, ela conhece um arquiteto japonês e, juntos, decidem viver uma história de amor no espaço de 24 horas, embora sejam casados, já que, no dia seguinte, ela deverá retornar à França.

Na penumbra de um quarto, às quatro horas da madrugada, o casal nu, abraçado, conversa como normalmente ocorre com casais na cama após terem feito sexo.  Eles falam de sua infância, de onde estavam no dia em que os americanos lançaram a bomba atômica sobre Hiroshima:  ele servia ao exército japonês, enquanto ela era uma jovem numa pequena cidade francesa.  Ela fala da dor que sente pelos mortos de Hiroshima.

De manhã, ela se levanta para seu último dia de filmagens, enquanto ele, que se torna inteiramente obcecado por ela, resolve acompanhá-la.  Ao terminar o trabalho, os dois vão até o Bar onde se encontraram na noite anterior, onde ele tenta convencê-la a permanecer em Hiroshima.

Ela relembra a perda sofrida no passado quando um jovem soldado alemão, que ela amou em Nevers, França, foi morto no dia em que a cidade foi libertada pelas forças aliadas.  Castigada por sua família, foi aprisionada num escuro porão, com os cabelos raspados, por ter amado um soldado inimigo.  

Assim, as memórias do passado vagueiam incessantemente por sua mente e, por vezes, chegam a controlar suas atitudes.  Seu objetivo é libertar-se do passado e acredita que, compartilhando-o com o arquiteto japonês, o conseguirá.  Ele é um filho da bomba atômica.  Como ela, deseja um presente novo e, para isso, tenta negar o passado, a memória, as más lembranças que o atormentam.

Dessa forma, um representa para o outro a possibilidade de esquecimento do passado, através da concretização do presente.  Os dois se abraçam ao mesmo tempo em que o filme termina, chamando um ao outro pelos nomes das cidades que representam: Nevers e Hiroshima.

imagem

Comentários

"Hiroshima, Meu Amor" é um extraordinário filme sobre a vida, o amor, o tempo e a memória... e também sobre a detonação da bomba atômica em Hiroshima, em 1945, e sobre os horrores da guerra.

Realizado pelo grande cineasta francês, Alain Resnais, o filme é um dos marcos da "nouvelle vague" francesa.  Não se trata de um filme de fácil entendimento.  Ao contrário,  às vezes ele se mostra meio confuso, já que Resnais consegue fazer, de forma magistral, com que seus simbolismos estejam intimamente entrelaçados com a ação, com a realidade.  Os diálogos e as imagens são muito bonitos.  

"Hiroshima, Meu Amor" conta ainda com uma excelente fotografia e com a maravilhosa atuação de Emmanuelle Riva, no papel principal.

CAA