Filmes por gênero

O EXPRESSO DA MEIA-NOITE (1978)

Midnight Express
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: L'express de minuit (Canadá)
Fuga di mezzanotte (Itália)
El expreso de medianoche (Argentina, Espanha, México)
12 Uhr nachts (Alemanha)
Ekspres o pólnocy (Polônia)
Éjféli expressz (Hungria)
Keskiyön pikajuna (Finlândia)
Полуночный экспресс (Rússia)
Pais: Reino Unido, Estados Unidos
Gênero: Drama, Suspense
Direção: Alan Parker
Roteiro: Oliver Stone
Produção: David Puttnam, Alan Marshall
Design Produção: Geoffrey Kirkland
Música Original: Giorgio Moroder
Fotografia: Michael Seresin
Edição: Gerry Hambling
Direção de Arte: Evan Hercules
Figurino: Milena Canonero
Guarda-Roupa: Bobby Lavender
Maquiagem: Mary Hillman, Penny Steyne
Efeitos Sonoros: Clive Winter, Don Banks, Ken Weston, Bill Rowe, R. Coppleman
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1979

Elenco

Brad Davis Billy Hayes
Irene Miracle Susan
Bo Hopkins Tex
Paolo Bonacelli Rifki
Paul L. Smith Hamidou
Randy Quaid Jimmy Booth
Norbert Weisser Erich
John Hurt Max
Mike Kellin Sr. Hayes
Franco Diogene Yesil, advogado
Michael Ensign Stanley Daniels
Gigi Ballista Juiz
Kevork Malikyan Promotor
Peter Jeffrey Ahmet
Tony Boyd Aslan
Ahmed El Shenawi Negdir
Joe Zammit Cordina Funcionário da Alfândega no Aeroporto
Yashaw Adem Chefe da Polícia do Aeroporto
Raad Rawi Chefe de Segurança do Aeroporto

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Oliver Stone)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Giorgio Moroder)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Direção (Alan Parker)

Prêmio de Melhor Edição (Gerry Hambling)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (John Hurt)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Roteiro (Oliver Stone)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (Giorgio Moroder)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (John Hurt)

Prêmio de Melhor Revelação Masculina (Brad Davis)

Prêmio de Melhor Revelação Feminina (Irene Miracle)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Ator (Brad Davis)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Música (Giorgio Moroder)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Drama adaptado de material previamente publicado (Oliver Stone)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Alan Parker)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (John Hurt)

Oscar de Melhor Edição (Gerry Hambling)

Oscar de Melhor Filme (Alan Marshall, David Puttnam)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Ator (Brad Davis)

Prêmio de Melhor Revelação Masculina (Brad Davis)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Alan Parker)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Direção (Alan Parker)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Brad Davis)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Alan Parker)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Album da Trilha Sonora de um Filme (G. Moroder, Billy Hayes, Oliver Stone)

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Alan Parker)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No início dos anos 70, após uma estada em Istambul, Billy Hayes, um estudante americano, é preso pela polícia turca quando se prepara para deixar o País, em companhia de Susan, sua namorada, carregando com ele alguns pacotes de haxixe presos debaixo de suas roupas.

Uma vez preso, Hayes é jogado numa penitenciária onde imperam a violência, o suborno e a insanidade.  Lá, ele faz amizade com outros detentos ocidentais, como o inglês Max, o americano Jimmy Booth e o sueco Erich.  Max lhe recomenda um advogado que tem conexões com o sistema legal turco, supostamente corrupto.  O advogado, de nome Yesil, faz contatos com Hayes, seu pai e um representante do Consulado americano.

Fazendo previsões otimistas, Yesil consegue arrancar uma grande soma da família de Hayes, mas ao ser levado a julgamento, este é sentenciado com uma pena de 4 anos de reclusão.  Sua vida transforma-se, então, num enorme pesadelo, sendo estuprado e submetido a constantes torturas físicas e psicológicas.

Quando faltam apenas 53 dias para ser libertado, o Cônsul americano informa que a Alta Côrte em Ankara acaba de rejeitar sua sentença, decidindo por um novo julgamento.  Ao comparecer ao tribunal, Hayes vê sua pena passar de 4 para 30 anos de reclusão.

De volta à prisão, ele logo descobre que as únicas formas de sair dali são por morte ou através do 'Expresso da Meia-Noite' (expressão usada para designar 'fuga').  Assim, ele decide elaborar um plano de fuga, juntamente com Jimmy e Max.

Quando o plano deles é descoberto por Rifki, um detento turco e 'informante', o mesmo logo chega ao conhecimento de Hamidou, o guarda-chefe da prisão.  Este leva Jimmy, por considerá-lo culpado.  Hayes decide se vingar de Rifki e o ataca ferozmente, arrancando-lhe um pedaço da língua, o que o leva a ser transferido para a ala dos doentes mentais.  Rodeado de detentos insanos, Hayes termina perdendo o contato com a realidade.

Susan, sua namorada, chega para uma visita e consegue que ele volte à realidade, retomando seu desejo de lutar por sua liberdade.  De volta à sua ala, Hayes tenta subornar Hamidou que, após embolsar o dinheiro do suborno, o arrasta para a 'câmara de tortura'.  Lá, eles entram em luta que termina com a morte acidental de Hamidou.

Hayes apanha a arma do policial, rouba um uniforme e consegue sair da prisão.  Em seguida, dirige-se à fronteira com a Grécia onde, após cruzá-la, embarca para Nova York.

imagem imagem imagem

Comentários

"O Expresso da Meia-Noite" é um ótimo filme, muito bem conduzido pelo diretor Alan Parker.  Partindo de um roteiro muito bem estruturado, o cineasta procura enfatizar a violência, a corrupção e a falta de humanidade reinantes numa prisão turca.  O grande problema do filme é que, mesmo tendo errado ao tentar sair da Turquia com 2kg de haxixe, Hayes é visto como um mártir inocente, enquanto o sistema penitenciário turco é considerado o grande vilão.

O filme é repleto de cenas fortes, chocantes.  Os principais atores têm atuações marcantes, com destaques para Brad Davis e John  Hurt.  A trilha sonora, assinada por Giorgio Moroder, é fantástica, embora chegue a ser, às vezes, arrepiante.

CAA