Filmes por gênero

O EXPRESSO DE VON RYAN (1965)

Von Ryan's Express
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: L'express du colonel Von Ryan (França, Canadá)
Il colonnello Von Ryan (Itália)
El coronel Von Ryan (Espanha)
El expreso de Von Ryan (México, Venezuela)
Colonel von Ryans Expreß (Alemanha)
Ekspres Von Ryana (Polônia)
Von Ryan's ekspres (Dinamarca)
Экспресс Фон Райана (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: 2ª Guerra Mundial, Ação, Aventura
Direção: Mark Robson
Roteiro: Wendell Mayes, Joseph Landon
Produção: Saul David
Música Original: Jerry Goldsmith
Fotografia: William H. Daniels
Edição: Dorothy Spencer
Direção de Arte: Jack Martin Smith, Hilyard M. Brown
Guarda-Roupa: Mickey Sherrard
Maquiagem: Ben Nye, Harry Thomas, Roy Stork
Efeitos Sonoros: Elmer Raguse, Carlton Faulkner
Efeitos Especiais: Johnny Borgese
Efeitos Visuais: L. B. Abbott, Emil Kosa Jr.
Nota: 8.1
Filme Assistido em: 1967

Elenco

Frank Sinatra Coronel Joseph L. Ryan
Trevor Howard Major Eric Fincham
Raffaella Carrà Gabriella
Brad Dexter Sgt. Bostick
Sergio Fantoni Capitão Oriani
John Leyton Tenente Orde
Edward Mulhare Capitão Costanzo
Wolfgang Preiss Major Von Klemment
James Brolin Soldado Ames
John Van Dreelen Coronel Gortz
Adolfo Celi Major Battaglia
Vito Scotti Engenheiro Ferroviário italiano
Richard Bakalyan Cabo Giannini
Michael Goodliffe Capitão Stein
Michael St. Clair Sgt. Dunbar
Ivan Triesault General Wilhelm Von Kleist
Gino Gottarelli Assistente do Coronel Gortz
Walter Linden Capitão alemão
Peter Hellman Piloto
Horst Ebersberg Piloto alemão
Domenick Delgarde Soldado italiano
Brad Stevens Sgt. alemão
Paul Muller Josef Sonneberg
Max Turilli Oficial alemão
Ron Veto Soldado italiano

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Walter Rossi)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Filme de Ação - Drama

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Filme de Ação (Frank Sinatra)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Agosto de 1943 -  A Itália, dominada pelos nazistas, está à beira de ser libertada pelas forças aliadas.  No sul, americanos desembarcam em solo italiano e ganham posições, fazendo com que as tropas alemães comecem a recuar.  Numa dessas batalhas, o Cel. Joseph L. Ryan, piloto de combate americano, tem seu avião abatido e vem a ser capturado por um grupo de soldados italianos fiéis às ordens emanadas do Comando alemão.

Levado a um Campo de Prisioneiros, comandado pelo Major Battaglia, um corrupto oficial italiano a serviço dos nazistas, ele chega no momento do sepultamento do Cel. Brian Lockart, um oficial britânico que liderava os prisioneiros.  Com sua morte, o Maj. Eric Fincham assume a liderança do grupo, até entrar em conflito com o modo de ver a situação do recém-chegado Cel. Ryan.  O clima inamistoso entre os dois oficiais faz com que Fincham o apelide de Von Ryan.  Entretanto, por ter uma patente mais alta, Ryan assume o comando dos prisioneiros, ocasião em que ordena que todos fiquem nus e queimem suas roupas numa enorme fogueira.  Fincham reage à idéia mas termina acatando a ordem recebida.  Tal decisão deu-se como forma de obrigar o Maj. Battaglia a distribuir roupas decentes, fornecidas pela Cruz Vermelha, já que ele as vinha vendendo criminosamente no mercado negro.  Por tal atitude, Ryan passa a noite preso numa solitária.  Por outro lado, ganha a simpatia e o respeito dos prisioneiros, com exceção de Fincham.

Enquanto Ryan encontra-se isolado na solitária, chega a notícia de que as forças aliadas estão cada vez mais próximas.  Durante a noite, os guardas e soldados italianos fogem do Campo, deixando apenas o Major Battaglia e o Cap. Oriani, seu assistente e intérprete.  Este não suporta os nazistas e torce para que a Itália seja logo libertada.

Pela manhã, Ryan deixa a solitária, sendo substituído por Battaglia.  Contando com a ajuda do Cap. Oriani, o coronel decide tentar chegar ao litoral, levando os agora ex-prisioneiros.  Entretanto, depois de um dia de caminhada, o grupo é cercado por um batalhão nazista, orientado pelo Major Battaglia, encontrado confinado na solitária do campo de prisioneiros.

Sem condições de reagir, o grupo é novamente feito prisioneiro e embarcado num trem, sob o comando do Major Von Klemment, com destino à Innsbruck, na Áustria, numa longa viagem passando por Roma, Florença, Bologna, Verona, Trento, entre outras cidades.

Entre Roma e Florença, os prisioneiros, sob o comando de Ryan, assumem o comando do trem, mantendo o Major Von Klemment e sua amante, a italiana Gabriella, amarrados numa cabine de um dos vagões.  Ao ser encontrado, entre os papéis de Von Klemment, um bloco com o timbre do Gen. Von Kleist, Ryan prepara um documento alterando a rota a ser seguida pelo trem.  Assim, ao pararem em Bologna, o oficial capelão do grupo, aproveitando-se de sua fluência em alemão, adquirida ao longo de mais de dez anos vividos na Alemanha, faz-se passar pelo Major Von Klemment e, de posse do falso documento, consegue que as autoridades ferroviárias autorizem a mudança de rota do trem, deixando a linha que o levaria à Verona e passando a seguir rumo à Milão, uma cidade relativamente próxima da fronteira com a Suíça, país neutro.  Nessa parada, Von Klemment e sua amante tentam fugir, mas terminam mortos.

Ao se aproximarem de Milão, Ryan ordena que o trem siga por um ramal que contorne a cidade, evitando assim os riscos de chegarem à sua gare principal.  Auxiliares do Gen. Von Kleist lhe informam que, seguindo suas ordens, o trem programado para Innsbruck fora desviado para a rota de Milão.  Não tendo dado tal ordem, Von Kleist ordena que um pelotão seja enviado para a região de fronteira com a Suíça, bem como pede ajuda da aviação nazista, numa tentativa de impedir que o trem consiga entrar no País neutro.

A poucos quilômetros de alcançarem seus objetivos, já na região dos Alpes, Ryan e seus homens são obrigados a pararem o trem para removerem um obstáculo que se acha sobre a ferrovia.  É quando são atacados por soldados alemães, ocorrendo uma batalha com bastante vítimas, enquanto um grupo trabalha na remoção do tal obstáculo.

Com a linha livre, o trem retoma sua rota em direção à liberdade, enquanto os ex-prisioneiros conseguem apressadamente pegá-lo, exceção apenas de Von Ryan que, a poucos metros do mesmo, é alcançado e morto por uma rajada de metralhadora.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no livro homônimo de David Westheimer, "O Expresso de Von Ryan" é um bom filme sobre a 2ª Guerra Mundial.  Realizado pelo cineasta  Mark Robson, narra a fuga de um grupo de prisioneiros aliados, liderado por um coronel aviador americano, a partir de um campo situado no sul da Itália, numa tentativa de chegar à Suíça, país neutro na época.


Robson realiza um bom trabalho, apresentando um ritmo mais lento no início e, à medida que a história se desenvolve, criando um clima de tensão e suspense cada vez maior, o que prende a atenção do espectador, culminando com um fim absolutamente inesperado.  Além das naturais tensões provocadas por eventuais confrontos entre os prisioneiros em fuga e tropas nazistas, o diretor cria tensões adicionais no relacionamento entre as duas maiores patentes aliadas, o major britânico  Eric Fincham e o coronel americano Joseph Ryan.

Na fase em que todos se encontram no campo de prisioneiros, são apresentados alguns toques de humor, completamente dispensáveis, na figura do incompetente Major Battaglia, interpretado pelo ator italiano Adolfo Celi, que em 1950 e 1952, participou como diretor e ator dos filmes brasileiros "Caiçara" e "Tico-Tico no Fubá".

"O Expresso de Von Ryan" conta, ainda, com a bela fotografia de William Daniels, com bons trabalhos de edição e efeitos sonoros, além de ótimas atuações, destacando-se as de Trevor Howard e Frank Sinatra.

CAA