Filmes por gênero

O FRUTO DO PECADO (1956)

The proud and profane
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Ela amou um bruto (Portugal)
Un magnifique salaud (França, Bélgica)
Anche gli eroi piangono (Itália)
Los héroes también lloran (Espanha)
Auch Helden können weinen (Austria, Alemanha)
Kun en episode (Dinamarca)
Att älska eller hata (Suécia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: 2ª Guerra Mundial, Romance, Drama
Direção: George Seaton
Roteiro: George Seaton
Produção: William Perlberg
Música Original: Victor Young
Fotografia: John F. Warren
Edição: Alma Macrorie
Direção de Arte: Hal Pereira, A. Earl Hedrick
Figurino: Edith Head
Guarda-Roupa: Joan Joseff
Maquiagem: Wally Westmore
Efeitos Sonoros: Gene Garvin, Hugo Grenzbach
Efeitos Visuais: Farciot Edouart, John P. Fulton
Nota: 7.6
Filme Assistido em: 1957

Elenco

William Holden Ten. Cel. Colin Black
Deborah Kerr Lee Ashley
Thelma Ritter Kate Connors
Dewey Martin Eddie Wodcik
William Redfield Capelão Holmes
Ross Bagdasarian Louie
Adam Williams Eustace Press
Marion Ross Joan
Theodore Newton Bob Kilpatrick
Richard Shannon Major
Peter Hansen Ten. Hutchins
Ward Wood Sgt. Peckinpaugh
Geraldine Hall Helen
Evelyn Cotton Beth
Ann Morriss Pat
Nancy Stevens Ewie
Lorraine Brox Sissie
Don Roberts Ten. Fowler
Frank Gorshin Harry
Geneviève Aumont Lili Carere
Terry MacRae Ten. Dean
Tom Middleton Cabo
Freeman Morse Paul

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção de Arte

Oscar de Melhor Figurino

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1943, Lee Ashley chega à Noumea, na Ilha de Nova Caledônia, no Pacífico Sul, a fim de trabalhar como voluntária da Cruz Vermelha.  Como a ilha abriga uma Base Militar Aliada, a atraente Lee rapidamente chama a atenção de soldados, marinheiros e fuzileiros nela alocados.  Ela, no entanto, só se acha interessada em descobrir as circunstâncias em que seu último marido, Howard, foi morto na Batalha de Guadalcanal.

Quando o último grupo de soldados chega à Noumea, ela hesita em ajudar os feridos até que Kate Connors, chefe da Cruz Vermelha local, lembra-lhe que ajudá-los é sua obrigação.  Pouco depois, Eddie Wodcik, um velho amigo de Kate, chega à Base e se apaixona por Lee, por ela recordar sua irmã tragicamente morta no incêndio de uma casa de um conjunto habitacional.

Lee, entretanto, apaixona-se pelo brincalhão Ten. Cel. Colin Black, líder de um batalhão que finge ter sido amigo de seu marido, na esperança de seduzi-la.  Embora ela lhe diga que só veio para a Nova Caledônia a fim de tentar descobrir se o marido tivera uma morte tranqüila, Colin declara que o que ela realmente quer saber é se o marido morreu como um soldado ou como um covarde.  Embora aparentemente o rejeite, Lee admite à Kate que se sente apaixonada por Colin, um homem que representa exatamente o oposto do que fora seu falecido marido.  Por outro lado, o tenente-coronel confessa à Kate que se alistou no Corpo de Fuzileiros para fugir de uma vida marcada pela pobreza.  Às vésperas da Unidade de Colin partir para  realização de manobras militares, os dois apaixonados finalmente consumam sua relação, após encontrarem um abrigo quando de uma forte tempestade.

Meses depois, é oferecida à Lee sua tão esperada transferência para Guadalcanal, mas ela não a aceita ao dizer para Kate que deseja ficar em Noumea para esperar Colin, com quem se acha secretamente comprometida e de quem se acha grávida.  Pouco tempo depois, através de um fuzileiro ferido, ela toma conhecimento que Colin já é casado.  Quando este finalmente retorna, diz à Lee que sua mulher é alcoólatra e que não consegue se divorciar dela.  Furiosa e humilhada, ela tenta se matar, procurando se jogar do alto de um rochedo, sendo impedida por Colin.  Na luta que se trava entre os dois, Lee cai ao solo, sofrendo um aborto espontâneo.

Tomando conhecimento do ocorrido com Lee, Eddie tenta matar Colin, mas é facilmente dominado pelo tenente-coronel.   Pouco tempo depois, Lee e Kate são transferidas para Guadalcanal.  Uma vez lá, Lee é forçada a se confrontar com o túmulo de seu marido.  No cemitério, conhece Eustace Press, um soldado que servira com Howard.  Sem saber a identidade dela, Eustace lhe diz que, enquanto Howard só tinha palavras de carinho para com a esposa, ele a imaginava como uma "sugadora de sangue" que dominava completamente o marido.

Reconhecendo seu próprio egoísmo nas palavras do soldado, Lee passa unicamente a se dedicar ao seu trabalho.  Algum tempo depois, Colin chega à Cruz Vermelha, vítima de um ataque mortal.  O tenente Holmes, capelão da Unidade, diz à Lee que, após ser gravemente ferido, as únicas palavras que Colin não cansava de repetir eram: "Perdoe-me".  Ao final, ela o faz.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no livro "Magnificent Bastards" de Lucy Herndon Crockett, "O Fruto do Pecado" é um razoavelmente bom melodrama, tendo como pano de fundo a 2ª Guerra Mundial no Pacífico.  Com roteiro e direção a cargo do cineasta George Seaton, o filme procura analisar os efeitos da guerra em uma sensível mulher que perdera o marido na famosa e sangrenta batalha de Guadalcanal.

Seaton não apresenta razões convincentes para os desdobramentos emocionais que ocorrem ao longo da trama.  Não sei se a presença de Deborah Kerr tem a ver com o imenso sucesso alcançado pelo filme de Fred Zinnemann, "A Um Passo da Eternidade", três anos antes, principalmente no que diz respeito ao romance entre sua personagem e um militar.

No elenco, Deborah Kerr mostra mais uma vez a excelente atriz que ele é, assim como o faz a ótima e veterana Thelma Ritter.  Já William Holden, não nos brinda com uma grande atuação como o fizera anteriormente em filmes como "Crepúsculo dos Deuses", de 1950, "Inferno nº 17", de 1953, e "Férias do Amor", de 1955.

CAA