Filmes por gênero

O TERCEIRO TIRO (1955)

The trouble with Harry
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Mais qui a tué Harry? (França, Bélgica, Canadá)
La congiura degli innocenti (Itália)
Pero... ¿quién mató a Harry? (Espanha)
El tercer tiro (Argentina, México)
Immer Ärger mit Harry (Alemanha, Austria)
Ugglor i mossen (Suécia)
Hvem har dræbt Harry? (Dinamarca)
Неприятности с Гарри (Rússia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Comédia, Mistério
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: John Michael Hayes
Produção: Alfred Hitchcock, Herbert Coleman
Música Original: Bernard Herrmann
Fotografia: Robert Burks
Edição: Alma Macrorie
Direção de Arte: Hal Pereira, John Goodman
Figurino: Edith Head
Guarda-Roupa: Ed Fitzharris, Joan Joseff
Maquiagem: Wally Westmore
Efeitos Sonoros: Harold Lewis, Winston Leverett
Efeitos Visuais: John P. Fulton, Scott Dougherty
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1961

Elenco

Edmund Gwenn Comandante Albert Wiles
John Forsythe Sam Marlowe
Mildred Natwick Srta. Ivy Gravely
Mildred Dunnock Sra. Wiggs
Shirley MacLaine Jennifer Rogers
Jerry Mathers Arnie Rogers
Royal Dano Calvin Wiggs, assistente de xerife
Parker Fennelly O Milionário
Dwight Marfield Dr. Greenbow
Ernest Curt Bach Ellis
Alfred Hitchcock Homem que passa defronte ao stand da Sra. Wiggs
Philip Truex Harry Worp
Leslie Wolff Crítico de arte do Museu
Barry Macollum Vagabundo

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Shirley MacLaine)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Alfred Hitchcock)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Um velho comandante aposentado de um rebocador, Albert Wiles, aproveita um belo dia de outono para caçar coelhos numa colina de Vermont, ao mesmo tempo em que um garoto, Arnie, filho de uma jovem mulher, Jennifer Rogers, brinca com sua espingarda de plástico na mesma região.

Logo depois de ouvir três tiros, Arnie se depara com um homem morto e corre para contar à sua mãe o que acabara de presenciar.  Por outro lado, acreditando ter abatido um coelho, o velho Albert sai à procura do animal e também se depara com o cadáver.  Preocupado por acreditar ter sido ele o autor do disparo que matou acidentalmente o estranho, decide enterrá-lo para não correr o risco de vir a ser indiciado por um crime que não teve a intenção de cometer.

Ao arrastar o cadáver, dá de cara com uma sua vizinha, a solteirona Ivy Gravely.  Ele lhe fala sobre o ocorrido e, compreensiva, ela lhe promete sigilo sobre o acidente.  Sozinho, Albert prepara-se para retomar seu plano quando ouve a voz de Arnie, que está retornando ao local em companhia da mãe.  Com sorte, consegue esconder-se atrás de uma árvore, de onde observa que Jennifer reconhece o morto e demonstra um certo alívio com sua morte.

Quando mãe e filho vão embora, aparece um mendigo que rouba os sapatos do morto.  Em seguida, o artista plástico Sam Marlowe chega ao local onde, ao ver o cadáver, pára para esboçar seu rosto, por achá-lo intrigante.  Como Marlowe é seu amigo, Albert sai de trás da árvore e lhe conta o ocorrido, recebendo dele todo o apoio, inclusive o de ajudá-lo a enterrar o corpo.  Ao terminarem o trabalho, Albert vai à casa de Ivy, que lhe havia convidado para um chá, enquanto Marlowe procura Jennifer para sondar se ela falou sobre o cadáver à polícia.

Quando Arnie chega com um coelho que encontrou morto, próximo ao local onde o cadáver fora achado, Albert fica em dúvida se realmente foi o responsável pela morte do desconhecido, já que atirara três vezes num coelho: uma das balas perfurou uma pequena lata; a segunda, uma placa de sinalização; e a terceira, que acreditava ter atingido o estranho, poderia ter realmente abatido o coelho.  Assim, convence Marlowe a desenterrarem o corpo para acabarem com tamanha dúvida.  Os dois retornam ao local onde, depois de examinarem o cadáver, chegam à conclusão que o ferimento encontrado, em sua testa, não tinha sido provocado por uma bala e sim por um objeto pontiagudo.  Em seguida, reenterram o morto.

De volta à sua casa, Albert é procurado por Ivy que lhe confessa ter sido atacada pelo estranho e que, ao lutar contra ele, o golpeou com o salto de seu sapato, fato que deve ter causado sua morte.  Por outro lado, Jennifer diz a Marlowe que o morto chamava-se Harry, era seu marido, de quem se separara após dois dias de convivência, e que o mesmo a tinha procurado em sua casa, para levá-la à força para Massachusetts.  Na ocasião, para se defender, o golpeou com uma garrafa de leite, de modo que, ele havia saído de sua casa meio tonto.

Ainda na casa de Albert, Ivy insiste em desenterrar mais uma vez o corpo do estranho, pois está decidida a comunicar o fato à polícia, uma vez que, não tem nada a temer, já que agira em legítima defesa.  Devido à sua insistência, Albert atende a seu pedido.  De volta ao pequeno vilarejo onde moram, Albert e Ivy vão até a casa de Jennifer, onde a encontram em companhia de Marlowe.  Quando Ivy lhes fala de suas intenções, todos são contra a idéia e resolvem, juntos, voltar ao local para proporcionarem a Harry um enterro definitivo.  Os quatro reenterram o cadáver e, ao voltarem, encontram a Sra. Wiggs, proprietária do único empório local e encarregada da venda dos quadros pintados por Marlowe, radiante com a chegada de um multimilionário disposto a comprar toda sua obra, não importa o preço, por considerá-la fruto de um gênio.  Depois de ouvir as preferências de seus amigos, Marlowe entrega seus quadros em troca de: 2 caixas de morango, todo início de mês, para Jennifer; 1 kit de química para Arnie; 1 caixa registradora para a Sra. Wiggs, um baú para Ivy; e 1 rifle com munição, acrescidos de trajes adequados a um caçador, para Albert.

Apaixonado por Jennifer, Marlowe a pede em casamento e ela aceita o pedido.  Todos comemoram a decisão quando Marlowe se lembra que, para se casar, Jennifer terá que, antes, provar ser ela uma mulher viúva.  Ivy, mais uma vez, se diz disposta a comunicar o ocorrido à polícia e pede a ajuda de todos para desenterrar, pela terceira vez, o cadáver.  A essa altura, apaixonado pela solteirona, Albert é contra a idéia, mas a insistência dela prevalece e eles pegam suas pás e retornam à colina.

Ao terminarem de desenterrar o morto, já noite, surge no local o Dr. Greenbow, um médico legista. Depois de lhe falarem sobre a morte repentina de Harry, eles perguntam ao Dr. Greenbow sobre a possibilidade dele diagnosticar sua causa mortis.  O médico diz que sim, desde que num local bem iluminado.  Assim, os quatro levam o cadáver para a casa de Jennifer, onde o banham, lavam e passam suas roupas, enquanto aguardam Dr. Greenbow, que fora apanhar sua valise.

O médico finalmente chega à casa de Jennifer onde, após examinar o cadáver, conclui que Harry morrera de um ataque cardíaco.  Aliviados com a notícia, os quatro decidem recolocá-lo no local da colina, onde efetivamente Harry caíra morto, e fazer com que Arnie o reencontre, a fim de tomarem as providências que se fazem necessárias junto às autoridades.

imagem imagem imagem

Comentários

"O Terceiro Tiro" é, sem dúvida, uma pequena obra-prima do humor negro.  Produzido e dirigido pelo mestre do suspense, Alfred Hitchcock, o filme gira em torno de um homem morto que é encontrado numa colina, de três pessoas que individualmente acreditam ser responsáveis por sua morte, e de um amigo que tenta ajudá-las.

Com sua rara habilidade, Hitchcock parte de um roteiro de John M. Hayes, simples, mas muito bem construído, para prender o espectador até a última cena, principalmente pelas reviravoltas que se sucedem a todo instante.  Seu trabalho é realçado pela fotografia de Robert Burks, que capta muito bem as belezas naturais do interior de Vermont, por uma excelente trilha sonora e por magníficas interpretações de todo o seu elenco.

"O Terceiro Tiro" marca a estréia de Shirley MacLaine no cinema, com uma atuação que lhe valeu uma indicação ao Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira da Academia Britânica de Cinema.

CAA