Filmes por gênero

O TREM (1964)

The train
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O comboio (Portugal)
Le train (França)
Il treno (Itália)
El tren (Argentina, Espanha, México)
Der zug (Alemanha, Austria)
Tåget (Suécia)
De trein (Holanda)
Поезд (Rússia)
Pais: Estados Unidos, França, Itália
Gênero: 2ª Guerra Mundial, Suspense, Ação
Direção: John Frankenheimer
Roteiro: Frank Davis, Franklin Coen
Produção: Jules Bricken
Design Produção: Willy Holt
Música Original: Maurice Jarre
Direção Musical: Maurice Jarre
Fotografia: Jean Tournier, Walter Wottitz
Edição: David Bretherton
Guarda-Roupa: Jean Zay
Maquiagem: Georges Bouban
Efeitos Sonoros: Joseph de Bretagne, Jacques Carrère, Jacques Maumont
Efeitos Especiais: Lee Zavitz
Efeitos Visuais: Jean Fouchet
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 1966

Elenco

Burt Lancaster Paul Labiche
Jeanne Moreau Christine
Paul Scofield Coronel Von Waldheim
Suzanne Flon Mademoiselle Villard
Michel Simon Papa Boule, engenheiro
Wolfgang Preiss Major Herren
Albert Rémy Didont
Charles Millot Pesquet
Richard Münch General Von Libitz
Jacques Marin Jacques, chefe da Estação em Rive-Reine
Paul Bonifas Spinet
Jean Bouchaud Capt. Schmidt
Donald O'Brien Sgt. Schwartz
Jean-Pierre Zola Octave
Arthur Brauss Pilzer
Jean-Claude Bercq Major
Howard Vernon Dietrich
Christian Fuin Robert
Christian Rémy Tauber
Richard Bailey Grote
Roger Lumont Oficial Engenheiro
Gérard Buhr Cabo
Daniel Lecourtois Padre
Bernard La Jarrige Dr. Bernard
Max Fromm Oficial da Gestapo
Jacques Blot Hubert

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Roteiro Original (Franklin Coen, Frank Davis )

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Filme de Ação (Burt Lancaster)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Paris, agosto de 1944.  As tropas aliadas estão prestes a libertar a capital francesa da ocupação nazista.  O general comandante, das forças de ocupação, determina máxima prioridade para os trens que deixam a cidade carregando equipamentos, armas e soldados.  Entretanto, obcecado por arte, o coronel Von Waldheim convence seu superior a liberar um dos trens para que ele possa levar para a Alemanha um tesouro inestimável, formado por grandes obras dos maiores gênios da pintura, armazenadas no Museu Jeu de Paume.

A curadora do museu, Mademoiselle Villard, informa a Resistência Francesa sobre os planos dos alemães, a quem pede para que evitem que esse verdadeiro patrimônio cultural da França deixe o País.

No pátio ferroviário de Vaires, o inspetor-chefe da Estação, Paul Labiche, supervisiona as intensas manobras de locomotivas.  É quando lhe pedem para atrasar a partida do "trem da arte" em dez minutos, tempo necessário para que aviões aliados bombardeiem o local.  Por outro lado, o coronel Waldheim apressa a saída do trem.  O maquinista, engenheiro Papa Boule, num ato de sabotagem, entope a bomba de óleo da locomotiva, retardando sua partida.

O ataque aéreo tem efeito, destruindo um grande número de equipamentos militares alemães.  Ao descobrir que Papa Boule foi o responsável pela sabotagem, Von Waldheim ordena seu imediato fuzilamento.  Labiche é, então, intimado a conduzir o "trem da arte" até a Alemanha.

A viagem é marcada por vários atos de sabotagem organizados por membros da Resistência, tendo em Labiche um dos seus principais protagonistas.  Ao passarem por Metz, os manobristas locais desviam o trem para um ramal em direção ao sul, ao invés de deixá-lo seguir no sentido de Zweibrucken, na Alemanha.

As estações seguintes têm seus nomes temporariamente mudados para que os nazistas não desconfiem que se acham fora da rota prevista.  Ao passar por Commercy, o trem muda novamente de rumo, agora em direção ao oeste.  Em Vitry Le François, os alemães vibram ao lerem o nome "Zweibrucken" no prédio da Estação.  Integrantes da Resistência e Labiche, em particular, conseguem sabotar o "trem da arte" duas outras vezes, até que o mesmo fica sem condições de prosseguir viagem.

imagem

Comentários

Embora baseado numa história verídica, os eventos mostrados em "O Trem" são fictícios.  O verdadeiro "trem da arte" não chegou a deixar Paris, sendo retardado por burocratas franceses e forçado a se deslocar em círculos em torno da cidade.

Realizado pelo cineasta John Frankenheimer, essa co-produção americano-franco-italiana parte de um ótimo roteiro, assinado por Franklin Coen e Frank Davis, e apresenta um elenco de primeira linha, uma magnífica fotografia e a bela trilha sonora de Maurice Jarre.

No quesito interpretação, os maiores destaques são as atuações de Burt Lancaster e Paul Scofield. A grande atriz francesa, Jeanne Moreau, tem um papel relativamente curto como a proprietária de um hotel.

CAA