Filmes por gênero

O MÉDICO E O MONSTRO (1941)

Dr. Jekyll and Mr. Hyde
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Dr. Jekyll et Mr. Hyde (França, Bélgica)
Il dottor Jeckyll e Mr. Hyde (Itália)
El extraño caso del Doctor Jekyll (Espanha)
El hombre y la bestia (Argentina, Venezuela)
Arzt und Dämon (Alemanha, Austria)
Dr. Jekyll och Mr. Hyde (Suécia)
Tri Jekyll ja Mr. Hyde (Finlândia)
Доктор Джекилл и мистер Хайд (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Terror
Direção: Victor Fleming
Roteiro: John Lee Mahin
Produção: Victor Saville
Música Original: Franz Waxman
Fotografia: Joseph Ruttenberg
Edição: Harold F. Kress
Direção de Arte: Cedric Gibbons
Figurino: Adrian
Guarda-Roupa: Gile Steele
Maquiagem: Jack Dawn
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1950

Elenco

Spencer Tracy Dr. Henry Jekyll / Sr. Hyde
Ingrid Bergman Ivy Peterson
Lana Turner Beatrix Emery
Donald Crisp Sir Charles Emery
Ian Hunter Dr. John Lanyon
Barton MacLane Sam Higgins
C. Aubrey Smith Bispo Manners
Peter Godfrey Sr. Poole, mordomo de Dr. Jekyll
Sara Allgood Sra. Higgins
Frederick Worlock Dr. Heath
Frances Robinson Marcia
Denis Green Freddie
Billy Bevan Sr. Weller
Forrester Harvey Velho Prouty
Lumsden Hare Coronel Weymouth
Lawrence Grant Dr. Courtland
John Barclay Policial na igreja
Aubrey Mather Inspetor
Hillary Brooke Sra. Arnold
Al Ferguson Policial
Claude King Tio Geoffrey
Doris Lloyd Sra. Marle
Rudolph Andrean Estudante de Arte
Olaf Hytten Hobson
Gwendolyn Logan Sra. Courtland
Lydia Bilbrook Lady Copewell
Gwen Gaze Sra. French
Winifred Harris Sra. Weymouth

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (Joseph Ruttenberg )

Oscar de Melhor Edição (Harold F. Kress)

Oscar de Melhor Trilha Sonora Original de um Drama (Franz Waxman)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1887, um homem interrompe a celebração de uma cerimônia numa igreja de Londres, ao fazer uma série de comentários sugestivos.  Policiais tentam prendê-lo, por se achar embriagado, mas o Dr. Henry Jekyll intervém.  Acreditando que ele sofre de um distúrbio mental, o leva para seu hospital.  Ele pretende usá-lo como cobaia, em suas pesquisas sobre a natureza do bem e do mal, no homem.  À noite, durante um jantar em companhia de sua noiva, Beatrix, e do pai dela, Sir Charles Emery, quando ele fala de suas teorias e pesquisas, Sir Charles se mostra perturbado e o aconselha a desistir das tais pesquisas.

Ao voltar para casa naquela noite, caminhando em companhia de seu amigo, Dr. John Lanyon, ele salva uma jovem, Ivy Peterson, quando ela estava sendo atacada por seu companheiro.  Os dois a levam para sua casa em um táxi.  Encantada com a atenção recebida, ela finge estar ferida.  Dr. Jekyll a carrega até o quarto dela, onde a examina.  Ela lhe dá uma de suas ligas como presente e o beija.  Os dois são interrompidos por Dr. Lanyon, que se preocupa com o comportamento de Jekyll.

O paciente do Dr. Jekyll morre no hospital, deixando-o sem sua cobaia.  Assim, depois de escrever uma carta para Beatrix, decide experimentar, nele próprio, a droga por ele desenvolvida.  Como resultado, transforma-se numa outra pessoa, com uma terrível aparência, que ele a chama de Sr. Hyde e que representa seu lado demoníaco.  Ao mesmo tempo, Beatrix acorda com um terrível pesadelo.  Assustada, vai até a casa do Dr. Jekyll para se assegurar de que ele está bem.  Quando ela chega lá, já tendo voltado ao seu estado normal e rasgado a carta, Dr. Jekyll tenta confortá-la.

Sir Charles anuncia que vai levar a filha consigo, numa viagem pelo continente, adiando assim o casamento deles.  Sozinho, Dr. Jekyll continua com suas experiências.  Um dia, ele libera seu lado maligno, Hyde, e vai a um show.  Lá, encontra Ivy e a convida para um drink.  Os dois se desentendem e Ivy termina com umas cicatrizes nas costas.

No hospital, Dr. Jekyll encontra Ivy como paciente.  Ela mostra suas costas, acusando Hyde pelo ocorrido.  Ela lhe pede veneno para suicidar-se, a menos que ele possa ajudá-la.  Dr. Jekyll lhe diz que o Sr. Hyde não vai mais lhe importunar.

No Parque, Dr. Jekyll transforma-se espontaneamente no Sr. Hyde, que visita Ivy e a culpa por ela ter ido ver o médico.  Já em casa, toma a droga e volta a ser Dr. Jekyll.  Este vai à casa de Beatrix, a quem diz não poder se casar com ela.  Ao sair, ela grita. Ele volta como Hyde e ela desmaia.

Hyde bate num dos empregados com sua bengala.  Em seguida, arrebenta uma janela, derruba o Sr. Poole e vai para o laboratório.  A polícia chega e, juntamente com o Dr. Lanyon, procura por ele.  No laboratório, encontram Dr. Jekyll.  Dr. Lanyon diz ser ele o homem que procuram.  Dr. Jekyll nega, mas transformando-se em Hyde, luta até ser alvejado mortalmente por Dr. Lanyon.  O cadáver retoma a forma do Dr. Jekyll.

imagem

Comentários

"O Médico e o Monstro" é uma referência entre os clássicos filmes de horror e mistério.  Baseado na obra de Robert Louis Stevenson, "The Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde", o filme procura mostrar o conflito entre o bem e o mal, onde o Dr. Jekyll representa a personalidade normal do médico, enquanto Hyde seu lado obscuro, demoníaco.

Embora não conheça, a primeira versão dessa obra, realizada para o cinema em 1931, pelo cineasta Rouben Mamoulian, é considerada por um grande número de críticos como sendo a melhor delas.  Em termos de premiação, enquanto esta teve três indicações ao Oscar, a versão anterior foi agraciada com o Oscar de Melhor Ator  (Fredric March), além de receber outras duas indicações.

Mesmo apresentando uma boa direção, o cineasta Victor Fleming já nos havia oferecido trabalhos melhores, como em "... E o Vento Levou" ou em "O Mágico de Oz".

A fotografia em preto-e-branco de Joseph Ruttenberg, capturando magnificamente a atmosfera de Londres, na era Vitoriana, com sua constante neblina e a peculiar iluminação de suas ruas, é, sem dúvida, um dos pontos altos do filme.

No elenco, Spencer Tracy, Lana Turner e Ingrid Bergman são os grandes destaques, com ênfase para esta última, no papel de Ivy Peterson.  Embora seja uma atriz sueca, Bergman está perfeita em seu 'cockney', dialeto usado pelas classes mais baixas da zona leste de Londres.

CAA