Filmes por gênero

O OLHO MÁGICO DO AMOR (1981)

imagem

Ficha Técnica

Pais: Brasil
Gênero: Comédia Dramática
Direção: José Antônio Garcia, Ícaro Martins
Roteiro: José Antônio Garcia, Ícaro Martins
Produção: Adone Fragano
Música Original: Luiz Lopes
Fotografia: Antônio Meliande
Edição: Jair Garcia Duarte
Direção de Arte: Cristina Mutarelli
Maquiagem: Vavá Torres
Nota: 6.6
Filme Assistido em: 1983

Elenco

Carla Camurati Vera Maria Gatta
Tânia Alves Penélope
Sérgio Mamberti Prolíxenes
Cida Moreyra Mãe de Vera
Ênio Gonçalves Átila
Tito Alencastro Nelson
Arrigo Barnabé Office-boy
Casagrande Ele próprio
Maria Helena
Jorge Mautner .
Hércules Barbosa .
Luiz Felipe .
Luis Roberto Galizia .
José Antonio Garcia .
Ismael Ivo .
Nelson Jacobina .
Leonor Lambertini .

Prêmios

Festival de Gramado, Brasil

Kikito de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Carla Camurati)

Associação Paulista de Críticos de Arte

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Cida Moreira)

Prêmio de Melhor Direção (Ícaro Martins, José Antonio Garcia)

Prêmio de Melhor Atriz (Tânia Alves)

Prêmio de Melhor História Original (Ícaro Martins, José Antonio Garcia)

Prêmio de Melhor Fotografia (Antonio Meliande)

Prêmio de Melhor Edição (Jair Garcia Duarte)

Prêmio de Melhor Cenografia e Figurinos (Cristina Mutarelli)

Prêmio de Melhor Filme (Ícaro Martins, José Antonio Garcia)

Prêmio de Melhor Atriz (Carla Camurati)

Indicações

Festival de Gramado, Brasil

Kikito de Ouro de Melhor Filme (José Antonio Garcia, Ícaro Martins)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Vera é uma bela jovem à procura de um emprego.  Através de um anúncio, procura a Sociedade Paulista de Amigos da Ornitologia para candidatar-se ao cargo de secretária.  Recebida por Prolíxenes, o presidente da Sociedade, é imediatamente contratada.

Embora gostando do trabalho, a presença, na sala que divide com Prolíxenes, de vários pássaros empalhados, assim como, de uma série de quadros pendurados nas paredes, a incomoda bastante.  Certo dia, ao retirar um dos quadros da parede, verifica com surpresa que, por trás do mesmo, há um grande furo, através do qual, vê-se todo o movimento do quarto de Penélope, uma prostituta.

Como Prolíxenes está quase sempre ausente, ela passa a bisbilhotar com freqüência as atividades de Penélope, observando as mais diferentes e esquisitas figuras que passam por sua cama.  Enquanto observa, excita-se e acaricia seu próprio corpo.  Passando a chegar mais tarde em casa, à noite tem sonhos eróticos.  Marcos, seu namorado, a procura, mas ela não sente mais nada por ele.

Em sua nova rotina, a jovem assiste às mais diversas situações:  Penélope e Átila drogam-se e se divertem no quarto;  após estar com a prostituta, Prolíxenes chega ao escritório e tenta tocar o seu corpo, mas ela não permite.

Certo dia, ao sair tarde do trabalho, é assaltada e estuprada por Átila em plena rua.  Traumatizada, falta três dias ao trabalho e, ao voltar, resolve pedir demissão.  Em casa, a mãe reclama por ela estar desempregada e sem procurar um novo emprego.  Certa noite, ao se deitar, tem um sonho erótico no qual ela se vê no papel de Penélope.

No dia seguinte, vai ao escritório de Prolíxenes onde, após dar uma olhadela pelo buraco, vai até a janela, de onde vê Átila passando pela rua.  Ela joga um objeto pesado em sua cabeça e ele cai no chão.  Em seguida, ela desce, pega o casaco que ele estava usando, veste-o e vai até o quarto de Penélope.  As duas finalmente se encontram, ocasião em que se beijam, trocam carícias e transam.

imagem

Comentários

Embora "O Olho Mágico do Amor" tenha sido indicado ao Kikito de Ouro de Melhor Filme do Festival de Gramado, não chega a ser um bom filme.  Escrito e dirigido por José Antônio Garcia e Ícaro Martins, o filme tem um roteiro simples, razoavelmente estruturado.

Seu ritmo chega às vezes a ser um pouco lento.  As cenas de 'voyeurismo' são bastante repetitivas.  Trata-se de um filme de baixo orçamento com forte apelo erótico.

No elenco, os destaques são as boas atuações de Carla Camurati, ganhadora de um Kikito de Ouro, e de Tânia Alves, no papel da prostituta Penélope.

CAA