Filmes por gênero

ADEUS, MINHA CONCUBINA (1993)

Ba wang bie ji
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Adieu, ma concubine (França, Bélgica)
Addio mia concubina (Itália)
Adiós a mi concubina (Argentina, Espanha, México)
Lebewohl, meine konkubine (Alemanha)
Farväl min konkubin (Suécia)
Farvel min konkubine (Dinamarca)
Farewell my concubine (Reino Unido, Estados Unidos)
Прощай, моя наложница (Rússia)
Pais: China, Hong Kong
Gênero: Drama, Música, Romance
Direção: Kaige Chen
Roteiro: Lillian Lee
Produção: Feng Hsu
Design Produção: Yuhe Yang, Zhanjia Yang
Música Original: Jiping Zhao
Fotografia: Changwei Gu
Edição: Xiaonan Pei
Direção de Arte: Huaikai Chen
Figurino: Changmin Chen
Maquiagem: Fan Qingshan, Guangrui Xu
Efeitos Sonoros: Jing Tao
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1994

Elenco

Leslie Cheung Cheng Dieyi (segmento "Douzi")
Fengyi Zhang Duan Xiaolou (segmento "Shitou")
Li Gong Juxian
Qi Lu Mestre Guan Jinfa
Da Ying Gerente
You Ge Mestre Yuan
Chun Li Xiao Si, adolescente
Han Lei Xiao Si, adulto
Di tong Zhang
Mingwei Ma Douzi, criança
Yang Fei Shitou, criança
Zhi Yin Douzi, adolescente
Hailong Zhao Shitou, adolescente
Dan Li Laizi / Estudante da Ópera de Pekim
Wenli Jiang Mãe de Douzi
Yitong Zhi Aoki Saburo
David Wu Guarda Vermelho
Qing Xu .

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua não Inglesa (Feng Hsu, Kaige Chen)

Festival do Cinema Pacífico-Asiático

Prêmio de Melhor Edição (Xiaonan Pei)

Prêmio de Melhor Direção (Kaige Chen)

Sociedade dos Críticos de Cinema de Boston

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Prêmios Camerimage, Lodz, Polônia

Prêmio Silver Frog (Changwei Gu )

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Kaige Chen)

Prêmio da Federação Internacional dos Críticos de Cinema (FIPRESCI) (Kaige Chen)

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Filme em Língua Estrangeira do Ano

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Kaige Chen)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Li Gong)

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro

Sociedade dos Filmes Políticos, Estados Unidos

Prêmio Especial

Festival de Cinema do SESC, Brasil

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Kaige Chen)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia (Changwei Gu)

Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira (Hong Kong)

Prêmios Camerimage, Lodz, Polônia

Prêmio Golden Frog (Changwei Gu)

Associação dos Críticos de Cinema de Chicago

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmios César - Academia das Artes do Cinema, França

César de Melhor Filme Estrangeiro (Kaige Chen)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro (Kaige Chen)

Sociedade Nacional dos Críticos de Cinema dos Estados Unidos

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Na Pequim de 1924, não podendo manter seu filho Douzi, no bordel onde vive, uma prostituta o leva à Academia "Toda Sorte e Felicidade", que ensina a arte da interpretação a meninos pobres e sem lar.  Inicialmente rejeitado pelos companheiros, o jovem Douzi acaba sendo acolhido por Shitou, um dos alunos mais talentosos da turma.

Dirigida pelo rigoroso Mestre Guan Jinfa, a academia prima por treinamentos intensivos, onde os erros são punidos com castigos implacáveis, sendo sua principal finalidade a de preparar atores para a tradicional Ópera de Pequim.

Por seus traços delicados, Douzi é treinado para atuar em papéis femininos, enquanto Shitou, com seu tipo mais rude, a interpretar personagens masculinos.  Um dia, Douzi foge da academia e, por um acaso, tem oportunidade de assistir a uma ópera.  É quando tem absoluta certeza que é aquilo que quer para sua vida, de modo que, decide voltar e enfrentar os brutais castigos que o esperam.  Os anos passam, Douzi e Shitou aprofundam seus estudos e se tornam atores famosos da Ópera de Pequim.

Em 1937, pouco antes da invasão japonesa, Douzi e Shitou, agora mais conhecidos por seus nomes artísticos, Cheng Dieyi e Duan Xiaolou, são a maior atração de Pequim, com a famosa ópera que conta a história do Rei Chu e de sua concubina favorita.  Encantado com as brilhantes atuações da dupla, o rico e conhecido Mestre Yuan torna-se seu benfeitor.

Os problemas começam quando Xiaolou se apaixona por Juxian, a prostituta mais desejada da cidade.  Dieyi a vê como uma rival e passa a ter um comportamento estranho, movido pelo ciúme.  A festa de noivado de Xiaolou é marcada pela invasão da China por tropas japonesas.

Sendo a principal atração local, os rapazes são forçados a se apresentarem para um grupo de oficiais inimigos, oportunidade em que o orgulho e temperamento de Xiaolou fazem com que ele saia preso do teatro.  Dieyi consegue sua liberdade após se apresentar para os oficiais seniores japoneses, numa sessão privada, algo que o faria se arrepender mais tarde.  Na época, entretanto, ele não era ligado a assuntos políticos.

Quando as tropas japonesas são finalmente rechaçadas pelas forças nacionalistas do General Chang Kai-shek, é a vez de Dieyi ser preso e levado a julgamento sob a acusação de ter colaborado com o inimigo.  Agora, Xiaolou e Juxian usam o prestígio do Mestre Yuan para conseguirem a liberdade do amigo.

Eles se separam e só voltam a se encontrar em 1948, no dia em que as forças comunistas de Mao Tsé-tung conquistam o controle da cidade.  Xiaolou é encontrado por Dieyi como um vendedor de rua.  A vida de todos sofre sob o novo regime.  As atividades da Ópera de Pequim tornam-se cada vez mais controladas pela juventude fanática comunista.  Dieyi e Xiaolou se vêem obrigados a escolherem entre a liberdade física e a artística.  Dieyi, ainda solteiro e agora um viciado em ópio, reclama das mudanças, enquanto Xiaolou tem que considerar, como prioridade, a segurança de Juxian.

imagem

Comentários

"Adeus, Minha Concubina" é um excelente filme do cinema chinês.  Realizado pelo cineasta Kaige Chen, o filme acompanha as vidas de dois jovens, unidos pelo destino e pela arte, ao longo de vinte e quatro anos, ao mesmo tempo em que nos apresenta as modificações históricas ocorridas na China no mesmo período.

A história é comovente e brilhantemente conduzida por Kaige Chen, que nos brinda com seqüências inesquecíveis.  A inserção de fatos históricos como, por exemplo, a invasão japonesa de 1937, a vitória de Chang Kai-shek e o início da Revolução Cultural, além de educativa, só faz enriquecer o trabalho de Chen.

A fotografia assinada por Changwei Gu é uma verdadeira festa para os olhos, complementada com um belíssimo e bem elaborado figurino e um trabalho de maquiagem perfeito.

O elenco é um outro ponto forte desse imperdível filme: Fengyi Zhang, no papel do amigo e protetor de Cheng Dieyi, está magnífico; Leslie Cheung, com seus traços e maneiras delicados, está perfeito no papel do efeminado Dieyi; Li Gong, além de chamar a atenção para sua beleza e seu charme, completa esse trio de atores com uma atuação igualmente impecável.

CAA