Filmes por gênero

ADIVINHE QUEM VEM PARA JANTAR (1967)

Guess who's coming to dinner
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Adivinha Quem Vem Jantar (Portugal)
Devine qui vient dîner? (França, Canadá)
Indovina chi viene a cena? (Itália)
Adivina quién viene esta noche (Espanha, )
¿Sabes quién viene a cenar? (Argentina)
Rat mal, wer zum Essen kommt (Alemanha, Austria)
Gissa vem som kommer på middag (Suécia)
Gæt hvem der kommer til middag (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Comédia
Direção: Stanley Kramer
Roteiro: William Rose
Produção: Stanley Kramer, Georges Glass
Design Produção: Robert Clatworthy
Música Original: Frank De Vol
Fotografia: Sam Leavitt
Edição: Robert C. Jones
Guarda-Roupa: Joe King, Jean Louis
Maquiagem: Ben Lane, Joe DiBella
Efeitos Sonoros: Robert Martin, Charles Rice, Clem Portman
Efeitos Especiais: Geza Gaspar
Efeitos Visuais: Lawrence W. Butler
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 1968

Elenco

Spencer Tracy Matt Drayton
Sidney Poitier Dr. John Wade Prentice
Katharine Hepburn Christina Drayton
Katharine Houghton Joey Drayton
Cecil Kellaway Monsenhor Mike Ryan
Beah Richards Sra. Prentice
Roy Glenn Sr. Prentice
Isabel Sanford Matilda 'Tillie' Binks
Virginia Christine Hilary St. George
Barbara Randolph Dorothy
D'Urville Martin Frankie
Tom Heaton Peter
Grace Gaynor Judith
John Hudkins Taxista
Skip Martin Jovem que faz entregas
Jacqueline Fontaine Cantora
Yuki Tani Garçonete japonesa
Natalie Core .
Timothy Scott .
June Whitley Taylor .

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Katharine Hepburn)

Oscar de Melhor Roteiro Original (William Rose)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Ator (Spencer Tracy)

Prêmio de Melhor Atriz (Katharine Hepburn)

Prêmio Nações Unidas (Stanley Kramer)

Prêmios David di Donatello, Itália

Prêmio de Melhor Produção de um Filme Estrangeiro (Stanley Kramer)

David de Melhor Ator Estrangeiro (Spencer Tracy)

David de Melhor Atriz Estrangeira (Katharine Hepburn)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Stanley Kramer)

Oscar de Melhor Filme (Stanley Kramer)

Oscar de Melhor Ator (Spencer Tracy)

Oscar de Melhor Direção de Arte - Decoração de Cenários (Robert Clatworthy, Frank Tuttle)

Oscar de Melhor Edição (Robert C. Jones)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Frank De Vol )

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (Cecil Kellaway)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Beah Richards)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Roteiro (William Rose)

Prêmio de Melhor Direção (Stanley Kramer)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Spencer Tracy)

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Katharine Hepburn)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Beah Richards)

Prêmio de Melhor Revelação Feminina (Katharine Houghton)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Stanley Kramer)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Comédia

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Drama (Spencer Tracy)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (Spencer Tracy)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (William Rose )

Prêmio de Melhor Roteiro Original (William Rose )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Filha de um rico e liberal proprietário de um jornal de São Francisco, Matt Drayton, e de sua mulher, Christina, a jovem Joanna, de 23 anos, foi criada ouvindo os pais combaterem qualquer tipo de discriminação, principalmente no que tange ao relacionamento entre brancos e negros.

De férias, no Havaí, ela conhece e se apaixona pelo Dr. John Wade Prentice, médico negro, dez anos mais velho que ela, sendo por ele correspondido.  Ao concluir uma série de palestras na Universidade local, o médico deve retornar à Genebra, onde é diretor da Organização Mundial de Saúde.  Decidida a se casar com ele, Joanna pede-lhe que, em sua viagem de volta à Suíça, ele passe um dia na Califórnia a fim de conhecer seus pais.  Assim, os dois viajam juntos para São Francisco.  Do aeroporto, antes de seguirem para a casa de Joanna, a jovem decide passar pela Galeria de Arte da mãe, mas não a encontra.  A Sra. Hilary St. George, que trabalha com Christina, mostra-se curiosa em relação ao jovem casal.

Uma vez em casa, Tillie, empregada negra da família há mais de 20 anos, recebe mal o médico por achar que, sendo de cor, não é digno de Joanna.  Christina chega, logo a seguir e, após se sentir chocada com a notícia inesperada, recupera-se e passa a apoiar a filha, principalmente por vê-la tão feliz.  Na ocasião, a jovem lhe explica que John deve seguir no dia seguinte para Nova York e, logo depois, para Genebra, enquanto ela deverá permanecer uma semana em São Francisco, antes de seguir para a Suíça a fim de se casar com ele.

O Sr. Drayton chega do jornal e também se sente chocado com a notícia.  Embora se comporte de forma extremamente educada com o médico, não nega ser difícil para ele aceitar aquela situação.  Pedindo licença, vai até seu escritório, de onde liga para o jornal e pede que levantem nos arquivos todas as informações sobre o médico.  Minutos depois, é informado que o Dr. John Prentice é um homem de fama mundial, formado com louvor pela Universidade Johns Hopkins em 1954, tendo lecionado na Universidade de Yale e, em seguida, sido professor de medicina tropical, em Londres, antes de assumir uma diretoria na OMS; do seu currículo, constam ainda a publicação de dois livros e uma lista imensa de monografias e homenagens; no que tange à sua vida pessoal, foi casado com Elizabeth Bowers, com quem teve um filho, mas ambos morreram em um acidente em 1959.

John procura os pais de Joanna, em particular, aos quais diz que, se não houver o consentimento deles, não haverá casamento pois, embora ame demais a jovem, não quer ser responsável por um desentendimento na família, o que certamente a faria sofrer.  Tal colocação deixa o Sr. Drayton sentindo-se ainda mais pressionado a tomar uma decisão em menos de um dia.

Enquanto isso, quando John se comunica com os pais, que residem em Los Angeles, para lhes informar que se acha em São Francisco de passagem para Genebra, Joanna toma o telefone e os convida para virem a São Francisco e jantarem em sua casa naquela noite.

A curiosa e fofoqueira Sra. Hilary, inventando uma desculpa, vai à casa dos Drayton a fim de observar o que está ocorrendo por lá.  Percebendo suas reais intenções, Christina a demite no ato.  Logo a seguir, chega ao local o Monsenhor Mike Ryan, um dos maiores amigos da família.  Ao tomar conhecimento da situação, fica muito feliz e passa a dar a maior força aos dois jovens.

Às 19 horas, o Sr. e a Sra. Prentice chegam para o jantar.  A exemplo do que está ocorrendo com os pais de Joanna, a mãe de John apóia a decisão do filho, enquanto seu pai mostra-se ainda mais radical que o Sr. Drayton.  Várias encontros se sucedem entre os diversos envolvidos: Christina e a Sra. Prentice; o Monsenhor e o Sr. Drayton; John e o pai; o Sr. Drayton e o Sr. Prentice; o Sr. Drayton e a Sra. Prentice.

Ao final, depois de reunir todos na sala de estar, inclusive a empregada Tillie, o Sr. Drayton, num discurso emocionante, faz uma análise perfeita da situação, mostrando principalmente os problemas e dificuldades que o jovem casal vai ter que enfrentar, junto à sociedade cheia de preconceitos, e dizendo que, mesmo assim, não pode deixar de apoiar a decisão da filha.  Em seguida, convida todos a passarem para a sala de jantar.

imagem imagem imagem

Comentários

Produzido e dirigido pelo cineasta Stanley Kramer, "Adivinhe Quem Vem Para Jantar" é um ótimo e inesquecível filme.  A trama se passa ao longo de um dia, quando duas famílias, uma branca e a outra negra, são surpreendidas com a inesperada informação de que seus respectivos filhos decidiram se casar.  Assim, num pequeno espaço de tempo, as duas famílias têm que superar problemas de preconceito racial, principalmente por parte dos pais homens.  As mães, ao contrário, logo após o primeiro impacto da notícia, passam a apoiar a decisão de seus filhos.  É interessante observar o preconceito por parte da empregada negra da família da noiva, quando ela tenta persuadir o jovem médico de cor a abandonar seus planos de casamento.

Alguns críticos colocam que os Drayton só apoiaram o casamento da filha pelo fato do noivo negro ser um médico internacionalmente famoso; que, se ele fosse um negro viciado em drogas, a união dos dois não seria por eles apoiada.  A pergunta que faço é: será que eles apoiariam o casamento da filha no caso do noivo ser um branco viciado?  Na minha opinião, foi mais do que acertada a colocação de um noivo negro educado, famoso, de boa índole, pois, somente dessa forma, o não apoio à filha seria, com certeza, atribuído ao preconceito racial.

Na época, já com a saúde bastante abalada, Spencer Tracy teve negadas quaisquer coberturas por parte das Companhias de Seguro, de modo que, Stanley Kramer e Katharine Hepburn decidiram levar à frente o projeto considerando que, no caso da morte de Tracy durante as filmagens, os dois bancariam um novo ator para concluí-las.  Na realidade, Spencer Tracy faleceu duas semanas após o término do filme.

Nos últimos minutos, as lágrimas derramadas por Katharine Hepburn, durante o comovente discurso proferido pelo personagem de Spencer Tracy foram, segundo ela própria, verdadeiras, pois ambos sabiam que aquele seria o último filme deles.  Eles foram amantes por muitos anos mas Tracy, sendo católico, jamais tomou a decisão de se divorciar de Louise Treadwell, com quem foi casado por 44 anos.

Além do excelente trabalho realizado por Stanley Kramer, "Adivinhe Quem Vem Para Jantar" nos brinda com um roteiro perfeito, diálogos inteligentes, a bela trilha sonora de Frank De Vol e um ótimo elenco.  Katharine Hepburn, como de costume, está maravilhosa e elegante como a Sra. Drayton.  Apesar de doente, o velho Tracy também nos emociona.  Merecem ainda destaques as atuações de Beah Richards, Cecil Kellaway, Sidney Poitier e Isabel Sanford, esta última como a empregada Tillie.

CAA