Filmes por gênero

ADORÁVEL JÚLIA (2004)

Being Julia
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Csodálatos Júlia (Hungria)
Conociendo a Julia (Espanha)
Adorable Julia (França)
Pais: Canadá, Estados Unidos, Hungria, Reino Unido
Gênero: Comédia Dramática
Direção: István Szabó
Roteiro: Ronald Harwood
Produção: Robert Lantos
Design Produção: Luciana Arrighi
Música Original: Mychael Danna
Fotografia: Lajos Koltai
Edição: Susan Shipton
Direção de Arte: Paul Ghirardani, Lorand Javor
Figurino: John Bloomfield
Guarda-Roupa: Zsuzsa Stenger, David Murphy, Gabor Szabo e outros
Maquiagem: Erzsébet Forgács, Sarah-Jane Sheehy, Jordan Samuel e outros
Efeitos Sonoros: Andy Malcolm, Margot Massie, David Sutton e outros
Efeitos Especiais: Ferenc Ormos, David Harris, Gyula Krasnyánszky
Efeitos Visuais: Genevieve Forte, John Furniotis, Motassem Younes, Chris Wallace
Nota: 8.3
Filme Assistido em: 2006

Elenco

Annette Bening Julia Lambert
Jeremy Irons Michael Gosselyn
Shaun Evans Tom Fennel
Tom Sturridge Roger Gosselyn
Lucy Punch Avice Crichton
Miriam Margolyes Dolly de Vries
Michael Gambon Jimmie Langton
Michael Culkin Rupert
Bruce Greenwood Lord Charles
Julian Richings Sr. Turnbull
Juliet Stevenson Evie
Leigh Lawson Archie Dexter
Mari Kiss Secretária do Sr. Gosselyn
Ronald Markham Mordomo
Marsha Fitzalan Florence
Sheila McCarthy Grace Dexter
Teresa Churcher Cynthia
Rosemary Harris Mãe de Júlia
Rita Tushingham Tia de Júlia

Prêmios

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Musical ou Comédia (Annette Bening)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Annette Bening)

Academia do Cinema Europeu

Prêmio de Melhor Direção (István Szabó)

Prêmio de Melhor Fotografia

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Atriz do Ano (Annette Bening)

Prêmios Génie - Academia Canadense

Génie de Melhor Filme

Génie de Melhor Ator Coadjuvante (Bruce Greenwood)

Prêmios Goya - Academia Espanhola, Espanha

Goya de Melhor Filme Europeu

Videoclipes

70 anos de cinema 70 anos de cinema 70 anos de cinema 70 anos de cinema

Sinopse

Na Londres de 1938, a famosa diva do teatro, Julia Lambert, tem um casamento aberto com seu empresário, Michael Gosselyn.  O casal tem um filho adolescente, Roger.  Cansada de meses ininterruptos de trabalho, ela pede ao marido que interrompa a apresentação da peça por algum tempo, a fim de poder descansar um pouco e visitar sua mãe na Ilha de Jersey.  Ele lhe promete ver o que pode fazer a respeito.

Michael apresenta Julia a Tom Fennel, um jovem americano ambicioso, mais ou menos da idade de seu filho Roger.  Fennel se mostra um fã ardoroso de Julia, a ponto de enviar flores para o seu camarim.

Dias depois, ao voltar a se encontrar com ela, o jovem a convida para um chá e termina beijando-a.  Ela vai embora logo a seguir mas, num segundo encontro, os dois terminam indo para a cama.  Quando Michael finalmente consegue alugar o teatro a uma Companhia italiana, o que permitirá a suspensão das apresentações da peça e as tão esperadas férias de Julia, a atriz, a essa altura apaixonada pelo jovem americano, pede ao marido que desfaça o negócio com os italianos.  Os amantes continuam a se encontrar, ocasiões em que Julia cobre o jovem com presentes caríssimos.

Michael convida Fennel para passar uns dias em sua casa de campo, pois gosta do rapaz e acha que ele vai ser uma ótima companhia para o filho Roger, já que basicamente são da mesma idade.  Uma vez lá, todos se reúnem com alguns vizinhos, ocasião em que Fennel começa a dar uma atenção especial à Avice Crichton, uma jovem aspirante à atriz.  Julia sente-se incomodada e enciumada, principalmente quando os jovens decidem ir a um pub em Londres.  Quando eles voltam, altas horas da noite, Julia vai ao quarto de Fennel pedir satisfações.  Os dois terminam se afastando.

Fennel continua a se encontrar com Avice e decide voltar às boas com Julia, a fim de usá-la no seu plano para conseguir um papel, em sua nova peça, para a jovem aspirante à atriz.  Na primeira oportunidade, Julia pergunta a Fennel se ele está apaixonado por Avice.  Embora tente negar, ele termina confessando que sim.  À noite, ainda abalada com a confissão, Julia realiza a pior atuação de sua carreira, o que faz com que Michael suspenda as apresentações da peça em cartaz.  Julia viaja e passa alguns dias com sua mãe.

Ao retornar, prepara-se para iniciar os ensaios de sua nova peça.  Seu filho Roger, que havia passado uma temporada na Itália, lhe diz que Avice tornou-se amante de Fennel e mantém um caso com seu pai, Michael.

Julia decide aprovar a indicação dela para o 2º melhor papel de sua nova peça.  Nos ensaios, dá a maior atenção à jovem, deixando surpresos Michael e Fennel.  No dia da estréia, entretanto, ela consegue realizar sua grande vingança, ao alterar o texto original, substituindo dois personagens por outros que representam as pessoas de Michael e Fennel.  Avice sente-se humilhada, ao mesmo tempo em que Julia, majestosa, tripudia sobre sua rival.  Na platéia, Michael e Fennel se mostram apreensivos, enquanto Roger vibra com a atitude da mãe.  Ao final, todo o teatro a aplaude freneticamente.

Nos bastidores, Michael abraça sua mulher, a quem diz que o sucesso alcançado vai fazer com que a peça continue em cartaz com as modificações por ela introduzidas.

imagem imagem imagem

Comentários

Adaptado de uma peça de W. Somerset Maugham pelo roteirista  Ronald Harwood, "Adorável Júlia" é um ótimo filme.  Realizado pelo cineasta húngaro, István Szabó, o filme narra a história de uma diva do teatro inglês, no final da década de 30.

Szabó mostra-se seguro na condução do filme, que apresenta ainda uma ótima trilha sonora e uma boa fotografia, além de magníficas interpretações.

Em várias ocasiões, a trama lembra a do excepcional "A Malvada", de Joseph L. Mankiewicz, 1950.

No elenco, o grande nome é o de Annette Bening, indicada ao Oscar de Melhor Atriz.  Em 2000, indicada ao prêmio por sua atuação em "Beleza Americana", Bening perdeu a estatueta para Hilary Swank, por seu trabalho em "Meninos Não Choram".  Ironicamente, ela volta a perder o Oscar para a mesma Hilary Swank, agora por seu trabalho em "Menina de Ouro".   Merecem ainda destaques as atuações de Michael Gambon, Bruce Greenwood e Jeremy Irons.

CAA