Filmes por gênero

AMOR PAGÃO (1950)

Pagan love song
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: A canção pagã (Portugal)
Chanson païenne (França, Bélgica)
Canzone pagana (Itália)
Canción pagana (Uruguai)
Söderhavets sång (Suécia)
Het lied van de Zuidzee (Holanda)
Kærlighed på Tahiti (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Musical, Romance
Direção: Robert Alton
Roteiro: Robert Nathan, Jerry Davis
Produção: Arthur Freed
Música Original: Sidney Cutner, Leo Shuken, Roger Edens e outros
Direção Musical: Adolph Deutsch
Fotografia: Charles Rosher
Edição: Adrienne Fazan
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Randall Duell
Figurino: Helen Rose
Maquiagem: William Tuttle
Efeitos Sonoros: Norwood A. Fenton
Efeitos Especiais: Warren Newcombe, A. Arnold Gillespie
Nota: 7.4
Filme Assistido em: 1952

Elenco

Esther Williams Mimi Bennett
Howard Keel Hazard Endicott
Minna Gombell Kate Bennett
Charles Mauu Tavae
Rita Moreno Teuru
Marcelle Corday Condessa Mariani
Carlo Cook Sr. Bouchet
Alex Romero Vendedor de caranguejos
Philip Costa Manu
Dione Leilani Tani
Charles Freund Papera
Birdie DeBolt Mama Ruau
Helen Rapoza Angele
Sam Maikai Tua
Bill Kaliloa Mata
Freddie Letuli Dançarino

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Mimi Bennett, uma jovem mestiça taitiana/americana, vive com sua tia rica, Kate Bennett, numa das mais elegantes "Villas"da Ilha do Taiti.  Apesar de sua confortável vida, Mimi deseja largar tudo e começar uma vida nova nos Estados Unidos.

Certo dia, ao se juntar a um grupo de nativos para a tradicional e costumeira cerimônia de boas-vindas aos navios que chegam, Mimi atrai a atenção de Hazard Endicott, um professor americano de Ohio, que acaba de herdar as plantações que um tio possuía na ilha.

Hazard confunde Mimi com uma das nativas que não falam inglês, e ao invés de corrigi-lo, ela aproveita o mal-entendido e finge conhecer apenas um limitado número de palavras inglesas. Assim, quando ele tenta contratá-la como sua empregada particular, ela usa um inglês mascavado para dizer-lhe que já trabalha para uma outra família.

Logo depois, Hazard chega à sua nova casa e fica extremamente desapontado ao descobrir que o imóvel herdado é pequeno, arruinado, necessitando de reparos e de uma banheira.  Nesse ínterim, Mimi chega à casa de sua tia para um chá em companhia da condessa Mariani.  Durante o chá, ela descreve Hazard para as duas senhoras, dando a entender que se sente atraída por ele.

Já aclimatado às cercanias, Hazard contrata os serviços de dois nativos, Tavae e Teuru, a fim de ajudá-lo a refazer as plantações.  Certo dia, ao entrar em casa, ele encontra uma nativa, Mama Ruau, carregando um porco em seus braços.  Ela lhe presenteia o animal por admirar sua inteligência e desejar que ele continue a datilografar seus belos testos.  O porco foge, mas é encontrado por Mimi, que o devolve a Hazard, ocasião em que o convida para uma festa na Villa. Ele aceita o convite, apesar de acreditar que ela não passa de uma empregada.

Acreditando que os convidados serão todos nativos, ele chega à festa precariamente vestido, o que o deixa extremamente embaraçado, ao verificar que a grande maioria presente não é nativa e se acha formalmente vestida.  Ele deixa o local imediatamente, ocasião em que Mimi percebe que sua brincadeira foi longe demais.  Arrependida, o procura e lhe conta toda a verdade a seu respeito.

Invocando uma tradição local, Mama Ruau oferece a Hazard seu neto, Papera, como um presente, esperando que ele receba uma boa educação.  Embora  considere tal atitude no mínimo estranha, Hazard termina adotando o garoto.  A experiência com Papera faz com que ele adote duas outras crianças, Manu e Tani, e ensine aos três a língua inglesa.  Ao mesmo tempo, a relação entre ele e Mimi evolui para uma relação amorosa.  Quando ele lhe propõe casamento, ela desiste de seus planos de começar uma vida nova na América.

O romance entre os dois segue de vento em popa até o dia em que Mimi presencia Hazard repreendendo Tavae por não ter salvo a colheita de cocos dos estragos de uma chuva torrencial. Após protestar contra a atitude dele, ela desmancha o casamento.  Pouco tempo depois, ele se dá conta que Mimi estava com a razão, mas os dois permanecem separados.

Sentindo-se responsáveis pelo afastamento do casal, Tavae e Teuru decidem pescar uma enorme quantidade de peixes, a fim de compensarem o prejuízo tido com a colheita, bem como, armar um plano que faça com que Hazard e Mimi se reconciliem.  Estes, finalmente, fazem as pazes e anseiam por um futuro feliz, juntos, no Taiti.

imagem

Comentários

Baseado no livro "Tahiti Landfall" de William S. Stone, "Amor Pagão" é um razoável musical produzido pela MGM.  Tecnicamente, não se acha entre os melhores filmes com Esther Williams.  O próprio roteiro é fraco.  Entretanto, o público que o procura não está preocupado em assistir a uma obra-prima.  O que ele realmente quer é se distrair um pouco com um entretenimento sadio.

Robert Alton realiza seu segundo e último trabalho como diretor.  Sua carreira no cinema, iniciada em 1933 e se estendendo até 1955, foi marcada basicamente por sua grande contribuição como coreógrafo e diretor de danças.  Nessa área, ele marcou presença em filmes como "Escola de Sereias", "Quando as Nuvens Passam", "É Deste Que Eu Gosto", entre tantos outros.

Em cena, Esther Williams e Howard Keel demonstram ter uma boa química, mas, o que mais chama a atenção do espectador, nesse filme, são as belezas do Taiti, de suas danças, das canções e do balé aquático.

 CAA