Filmes por gênero

ANATOMIA DE UM CRIME (1959)

Anatomy of a murder
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Autopsie d'un meurtre (França)
Anatomia di un omicidio (Itália)
Anatomía de un asesinato (Espanha, Argentina, México)
Anatomie eines Mordes (Alemanha, Austria)
Analys av ett mord (Suécia)
Et mords analyse (Dinamarca)
Analyse van een moord (Holanda)
Anatomia morderstwa (Polônia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Crime, Drama, Mistério, Suspense
Direção: Otto Preminger
Roteiro: Wendell Mayes
Produção: Otto Preminger
Design Produção: Boris Leven
Música Original: Duke Ellington
Fotografia: Sam Leavitt
Edição: Louis Loeffler
Guarda-Roupa: Hope Bryce, Vou Lee Giokaris, Michael J. Harte
Maquiagem: Del Armstrong, Harry Ray
Efeitos Sonoros: Jack Solomon
Efeitos Especiais: George Harris
Nota: 9.2
Filme Assistido em: 1962

Elenco

James Stewart Paul Biegler
Lee Remick Laura Manion
Ben Gazzara Ten. Frederick Manion
Arthur O'Connell Parnell Emmett McCarthy
Eve Arden Maida Rutledge
Kathryn Grant Mary Pilant
George C. Scott Claude Dancer, assistente da Promotoria
Orson Bean Dr. Matthew Smith
Russ Brown George Lemon
Murray Hamilton Alphonse Paquette
Brooks West Promotor Mitch Lodwick
Ken Lynch Det. Sgt. James Durgo
John Qualen Policial Sulo
Howard McNear Dr. Dompierre
Alexander Campbell Dr. W. Gregory Harcourt
Ned Wever Dr. Raschid
Jimmy Conlin Clarence Madigan
Royal Beal Xerife Battisfore
Joseph Kearns Lloyd Burke
Don Ross Duane 'Duke' Miller
James Waters Sargento do Exército
Joseph N. Welch Juiz Weaver
Duke Ellington Pie Eye

Prêmios

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Roteiro (Wendell Mayes)

Prêmio de Melhor Ator (James Stewart)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Copa Volpi de Melhor Ator (James Stewart)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Drama

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator em um Drama (James Stewart)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante (Arthur O'Connell)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Album da Trilha Sonora de um Filme (Duke Ellington)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Otto Preminger)

Oscar de Melhor Fotografia (Sam Leavitt )

Oscar de Melhor Ator (James Stewart)

Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Wendell Mayes)

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (George C. Scott e Arthur O'Connell)

Oscar de Melhor Edição (Louis R. Loeffler)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme (Otto Preminger)

Prêmio de Melhor Revelação Masculina (Joseph N. Welch)

Prêmio de Melhor Ator Estrangeiro (James Stewart)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Otto Preminger)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Direção (Otto Preminger)

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Lee Remick)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Joseph N. Welch)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Otto Preminger)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Drama Americano (Wendell Mayes )

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante (Eve Arden )

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No Estado de Michigan, Laura Manion, uma bela mulher, casada com o Ten. do exército Frederick Manion, é estuprada por Barney Quill, proprietário do Thunder Bay Inn.  Ao chegar ao trailer de seu marido, cheia de hematomas, conta-lhe o ocorrido e, revoltado, Manion pega uma Luger e vai ao estabelecimento de Quill onde o mata.  Em seguida, procura George Lemon, ajudante do xerife, a quem diz que pode prendê-lo pois acaba de atirar em Quill.  Por ser tarde da noite, Lemon lhe pede para retornar ao seu trailer, enquanto ele chama o Det. James Durgo.  Assim, na manhã seguinte, Manion é preso.

Laura recorre, então, ao advogado Paul Biegler, no sentido de que este aceite assumir a defesa do marido.  Após ter sido afastado da promotoria, onde trabalhara por 10 anos, Biegler desinteressou-se um pouco pela profissão, passando a maior parte de seu tempo em pescarias ou tocando jazz, e pegando apenas pequenos casos de divórcio ou de cobrança de dívidas de caloteiros, como forma de sobrevivência.  Assim, hesita em aceitar o caso mas, incentivado por um velho amigo, o advogado aposentado e agora alcoólatra, Parnell Emmett McCarthy, termina concordando em defender o militar.

Na manhã seguinte, depois de ouvir separadamente o tenente Manion e Laura, Biegler chega à conclusão de que a única linha a seguir é a de alegar insanidade temporária, ou melhor, tentar provar que Manion agiu por impulso incontrolável.

A batalha judicial tem início com os promotores tentando convencer os jurados de que se trata de um caso de homicídio premeditado.  Por outro lado, Parnell larga o álcool e passa a ajudar Biegler na localização de testemunhas de defesa.  Este conta ainda com a eficiente colaboração de sua secretária, Maida Rutledge.

Depois de incansáveis pesquisas, Biegler e Parnell descobrem uma jurisprudência firmada pelo Supremo Tribunal de Michigan sobre um caso de impulso incontrolável.  Por outro lado, em suas investigações, Parnell descobre que a atual gerente do Thunder Bay Inn, Mary Pilant, é filha de uma garçonete, Simone Pilant, e de Barney Quill.

Essas duas descobertas são os pontos-chave para a grande reviravolta que se dá no tribunal, resultando no veredicto de inocente dado pelos jurados ao tenente Manion.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no livro homônimo de Robert Traver, "Anatomia de um Crime" é um magnífico filme de tribunal.  Produzido e dirigido pelo cineasta Otto Preminger, sua trama gira em torno da batalha judicial que se trava quando um tenente do exército americano vai a julgamento pelo assassinato do homem que estuprou sua esposa.

O trabalho de Preminger beira a perfeição, na forma como apresenta cada detalhe e no ritmo dado à trama, mantendo o interesse do espectador da primeira à última cena.  Sem dúvida, seu trabalho foi facilitado ao contar com um roteiro muitíssimo bem construído e com um elenco de primeiríssima linha.

A fotografia de Sam Leavitt e a brilhante trilha sonora do grande Duke Ellington complementam, tecnicamente, essa pérola do cinema hollywoodiano do final dos anos 50.

No elenco, James Stewart e George C. Scott estão ótimos como sempre.  Arthur O'Connell nos brinda com uma de suas melhores interpretações.  Lee Remick, no papel da esposa estuprada, mostra-se convincente.  Merecem ainda ser destacadas as atuações de Joseph N. Welch e Eve Arden.

CAA