Filmes por gênero

À MARGEM DA VIDA (1950)

Caged
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Encarcerada (Portugal)
Femmes en cage (França, Bélgica)
Sin remisión (Espanha)
Prima colpa (Itália)
Verlorene frauen (Alemanha, Austria)
Kvinnor i fängelse (Suécia)
Vrouwengevangenis (Holanda)
Indespærret (Dinamarca)
В клетке (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Filme Noir, Drama, Crime
Direção: John Cromwell
Roteiro: Virginia Kellogg
Produção: Jerry Wald
Música Original: Max Steiner
Fotografia: Carl Guthrie
Edição: Owen Marks
Direção de Arte: Charles H. Clarke
Maquiagem: Perc Westmore, Ed Voight
Efeitos Sonoros: Stanley Jones
Nota: 8.6
Filme Assistido em: 1953

Elenco

Eleanor Parker Marie Allen
Agnes Moorehead Ruth Benton
Ellen Corby Emma Barber
Hope Emerson Evelyn Harper
Betty Garde Kitty Stark
Jan Sterling Smoochie
Lee Patrick Elvira Powell
Olive Deering June Roberts
Gertrude Michael Georgia Harrison
Sheila MacRae Helen
Joan Miller Claire
Davison Clark Médico
Gertrude Hoffman Millie
Edith Evanson Srta. Barker
Lynn Sherman Ann
Marlo Dwyer Julie
Pauline Drake Esposa do médico
Ann Tyrrell Edna
George Baxter Jeffries
Guy Beach Sr. Cooper
Jean Calhoun Detenta
Pauline Creasman Detenta
Gail Bonney Detenta
Claudia Cauldwell Detenta

Prêmios

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Internacional de Melhor Atriz (Eleanor Parker)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Eleanor Parker)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Hope Emerson)

Oscar de Melhor História e Roteiro (Virginia Kellogg, Bernard C. Schoenfeld)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (John Cromwell)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Entre as novas detentas que chegam à Prisão Estadual para Mulheres, encontra-se a jovem Marie Allen, de 19 anos, sentenciada como participante de um roubo a um Posto de Gasolina durante o qual seu marido foi morto.

Ao ser examinada fisicamente, é verificado que ela se acha grávida e, assim, Ruth Benton, a administradora, a designa para trabalhar na lavanderia. Quando Evelyn Harper, a carcereira do bloco de celas onde Marie se encontra, acostumada a trocar favores por dinheiro, toma conhecimento que ela não tem dinheiro, faz com que ela passe a trabalhar como faxineira das celas. Marie torna-se amiga das presidiárias Smoochie, Kitty Stark e Claire, que lhe revelam que, como ela, a maioria das detentas acham-se na prisão por causa de homens.

À medida que sua gravidez avança, Marie torna-se doente. Como ela vai estar ainda na prisão quando seu bebê nascer, Marie tem esperanças que a criança seja criada por sua mãe e por seu padrasto, até que ela consiga a liberdade condicional. Kitty sugere que Marie se junte a ela num negócio ilegal, alegando que, mesmo gozando da liberdade condicional, ela será forçada a passar pela prisão até que lhe seja oferecido um trabalho. Marie, entretanto, não aceita a proposta.

Uma das detentas sofre um ataque psicótico e uma outra, June, se enforca quando lhe é negada a condicional. Depois que Marie entra em trabalho de parto, o médico voluntário que a assiste expressa seu descontentamento em relação às condições da prisão, o que faz com que Ruth Benton apresente uma proposta ao Conselho Médico no sentido de que o orçamento do Setor seja aumentado.

Ruth tem conhecimento do tratamento sádico imposto por Evelyn às mulheres, mas seus esforços para que esta seja demitida esbarram sempre nos amigos políticos da carcereira. Da mesma forma, seus pedidos para que sejam admitidos professores e psicólogos são sempre negados pelo Conselho Diretor da prisão.

Depois que a mãe de Marie se recusa a ficar com seu bebê, este é colocado para adoção. Por outro lado, quando o julgamento da liberdade condicional de Marie se aproxima, Kitty renova sua oferta de trabalho. A despeito da recomendação favorável de Ruth, a condicional lhe é negada.

Nesse meio tempo, Elvira Powell, uma inimiga de Kitty, é enviada para a prisão. Seu dinheiro logo compra o favoritismo de Evelyn e assim ela se sente confortável. Elvira tenta se aproximar de Marie para recrutá-la como garota de programa, mas esta permanece leal à Kitty. Um dia, quando esta tenta treinar uma detenta nas técnicas de furto de lojas, uma Marie mais endurecida demonstra como é fácil enganar uma recrutadora de pessoas. Elvira sugere então a Evelyn que informe Ruth sobre o recrutamento de mulheres por Kitty para trabalharem em seus negócios escusos. Esta é, então, confinada numa cela solitária onde apanha.

Depois que Marie encontra um gatinho perdido, os esforços de Evelyn para retirá-lo terminam gerando um motim. Como punição, Ruth acaba com todos os privilégios das detentas e envia Marie para o confinamento solitário. Evelyn raspa o cabelo de Marie e Ruth tenta mais uma vez removê-la de sua posição. Os amigos de Evelyn, no entanto, vêem que os esforços dela não surtiram efeito e pedem à Ruth para que se demita.

Depois que Marie volta do hospital, Kitty mata Evelyn com um garfo. Determinada a deixar a prisão a qualquer preço, Marie pede ajuda à Elvira e consegue finalmente sua liberdade condicional. A despeito de seus esforços, Ruth mostra-se incapaz de reformar suas prisioneiras, e depois que Marie é libertada instrui sua secretária a manter o arquivo dela ativo, acreditando que ela logo voltará.

imagem

Comentários

Realizado em 1950 pelo cineasta John Cromwell, ‘’À Margem da Vida’’ é um excelente filme noir do cinema americano e, provavelmente, o melhor a abordar os problemas do sistema prisional feminino. Sua trama gira em torno de uma jovem de 19 anos que é enviada para uma prisão, após uma tentativa de roubo à mão armada, protagonizada por seu marido, na qual ele é morto.

Na direção, Cromwell realiza um belo trabalho, aproveitando o roteiro irrepreensivel escrito por Virginia Kellogg. Na área técnica, merecem ainda atenção a música de Max Steiner e a bela fotografia de Carl Guthrie.

No elenco, Eleanor Parker, Hope Emerson e Agnes Moorehead se destacam em seus respectivos papéis, tendo a primeira recebido o prêmio de melhor atriz do Festival de Veneza, além de ter sido indicada ao Oscar de melhor atriz. Hope Emerson, no papel de uma das carcereiras da prisão, foi igualmente indicada ao Oscar, como melhor atriz coadjuvante.

Enfim, ‘’À Margem da Vida’’ é um filme imperdível.

CAA