Filmes por gênero

BELÍSSIMA (1952)

Bellissima
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Die Schönste (Alemanha)
Najpiekniejsza (Polônia)
Szépek szépe (Hungria)
Pais: Itália
Gênero: Comédia Dramática
Direção: Luchino Visconti
Roteiro: Luchino Visconti, Suso Cecchi d'Amico, Francesco Rosi
Produção: Salvo D'Angelo
Design Produção: Gianni Polidori
Música Original: Franco Mannino
Música Não Original: Gaetano Donizetti
Direção Musical: Franco Mannino
Fotografia: Piero Portalupi, Paul Ronald
Edição: Mario Serandrei
Figurino: Piero Tosi
Maquiagem: Alberto de Rossi
Efeitos Sonoros: Ovidio del Grande
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1957

Elenco

Anna Magnani Maddalena Cecconi
Walter Chiari Alberto Annovazzi
Tina Apicella Maria Cecconi
Gastone Renzelli Spartaco Cecconi
Tecla Scarano Tilde Spernanzoni
Lola Braccini A mulher do fotógrafo
Arturo Bragaglia Fotógrafo
Nora Ricci Funcionária da Lavanderia
Linda Sini Mimmetta
Teresa Battaggi A mãe esnobe
Liliana Mancini Iris
Alessandro Blasetti Ele próprio
Mario Chiari Ele próprio
Luigi Filippo D'Amico Ele próprio
George Tapparelli Ele próprio
Vittorio Glori Ele próprio
Gisella Monaldi A porteira
Franco Ferrara Diretor da Orquestra da RAI
Guido Martufi Jovem no Cabeleireiro

Prêmios

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz (Anna Magnani)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Maddalena Cecconi vive com o marido, Spartaco, e sua filha de 7 anos, Maria, num verdadeiro cortiço da zona pobre de Roma.  Como enfermeira, consegue algum dinheiro aplicando injeções em domicílio, durante o dia.  Fascinada pelo cinema hollywoodiano, tem a alegria de ver sua casa invadida pelas luzes e pela vibração de uma tela cinematográfica, já que de seu quintal é possível assistir aos filmes exibidos pelo cinema ao ar livre do lado.  Essa tela faz com que sonhe em sair um dia de sua atual pobreza para uma vida de encantos e esplendor.

Quando a Stella Films lança um grande concurso para a escolha de uma menina, entre 7 e 9 anos, para ser a protagonista do novo filme de um famoso cineasta, Maddalena vê, diante de si, a grande possibilidade de realizar seu sonho através de sua pequena filha.

Mesmo sem contar com o apoio do marido, ela atende ao chamado da Cinecittà, levando Maria para disputar a vaga tão cobiçada por centenas de outras mães.  Quando a garotinha fica entre as candidatas pré-selecionadas, no dia seguinte bate à sua porta a Sra. Tilde Spernanzoni, um atriz aposentada, que vem se oferecer para dar aulas de interpretação à Maria.  Maddalena em princípio não aceita a idéia, mas depois, receando que a falta dessas aulas possa representar a não escolha da filha, decide fazer mais esse sacrifício, já que a renda da família é baixa.  Logo depois, ocorre o mesmo em relação ao balé.

Em sua obsessão para ver a filha tornar-se uma estrela do cinema, Maddalena não se dá conta que está expondo sua pequena Maria a um mundo cruel marcado por uma assustadora competição e a insaciável sede pela fama.  Para sobreviver e se destacar nesse ambiente, é preciso se dedicar integralmente a ele e até mesmo se escravizar, obedecendo cegamente às suas severas regras. Submetida a uma serie de humilhações, a menina tenta de sua forma comunicar-se com a mãe e expressar o que está sentindo diante daquela situação, porém um grandioso abismo torna mãe e filha incomunicáveis, e esse abismo é exatamente o sonho obstinado de Maddalena.

Depois de mais um árduo dia de atividades, Maria é posta na cama pelos pais e, após ficar sozinha em seu quarto, cai num melancólico e contido choro. Ela, a principal vítima e sofredora das duras conseqüências de um sonho que não lhe pertence, é ignorada e usada como um ser que não possui o direito de exprimir seus próprios sentimentos. Somente quando está só, portanto, surge o momento propicio para emanar e soltar todas as suas mágoas.

Certo dia, indo com a filha aos estúdios de Cinecittà, Maddalena, com o auxílio de uma funcionária, fica escondida enquanto o diretor Blasetti e sua equipe analisam, numa sala de projeção, os diversos testes das candidatas pré-selecionadas.  Ao projetarem o de Maria, todos começam a rir e a debochar quando ela aparece gaguejando e, em seguida, chorando sem parar.  Tal fato faz com que Maddalena se dê conta de quão cruel é o mundo do cinema, principalmente para uma criança de apenas sete anos.  Ela deixa os estúdios completamente arrasada.  Enquanto aguarda um transporte coletivo, sentada com Maria num banco público, abraça e beija sua filha, desabando num choro incontido.

Enquanto isso, ao rever o teste da garotinha, até o fim, Blasetti conclui ser Maria a criança de que precisa para seu filme.  Ordena, então, aos seus auxiliares, que procurem imediatamente os pais da criança e consigam suas assinaturas no contrato pré-redigido.  Estes chegam à casa dos Cecconis antes de Maddalena. O Sr. Spartaco os recebe e lhes pede que aguardem a chegada de sua mulher, pois ela fez tudo sem consultá-lo.

Ao chegar em casa, com Maria, e encontrar os representantes da Stella Films a esperá-la com o contrato, Maddalena se nega a assiná-lo.  Vittorio Glori, que tem em suas mãos o contrato, afirma que, uma vez assinado o documento, ela receberá 250 mil libras no ato, outras 250 mil em uma semana, além de 1000 libras por dia, entre outras coisas.  O contrato, em si, deverá somar 2 milhões de liras.  Com todas as reservas da família esgotadas, Spartaco ainda tenta fazer com que ela mude de idéia.  Maddalena mantém-se firme em sua decisão, alegando que não colocou sua filha no mundo para ser objeto de risadas e chacotas.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num livro de Cesare Zavattini, "Belíssima" é mais uma magnífica obra do período neo-realista pós-guerra do cinema italiano.  Realizado por um dos grandes mestres de sua época, o cineasta Luchino Visconti, que também participou da elaboração do roteiro, o filme passa uma mensagem sobre os perigos da fama imediata, ao mostrar o cinema como uma fábrica de ilusões.

A trama gira em torno de uma mulher casada, pobre, que vive em um cortiço nos arredores de Roma.  Apaixonada pelo cinema hollywoodiano e, em particular, pelo ator Burt Lancaster, ela tenta realizar-se ao fazer de tudo para transformar sua filha de 7 anos numa estrela mirim da Cinecittà.  Nessa sua luta, as reais necessidades da criança não são levadas em consideração, de modo que, sua filha não passa de um mero instrumento usado em benefício dessa sua obsessão.  No final, uma grande decepção faz com que ela caia na real, passando a defender sua pequena Maria com unhas e dentes.  "Belíssima" é, por conseguinte, também um bem elaborado conto sobre a desilusão.

A direção de Visconti é precisa, sem falhas.  Anna Magnani, por outro lado, está maravilhosa no papel de Maddalena, com uma atuação digna de um Oscar.  Ela vive sua personagem com tamanha intensidade que passa ao espectador a impressão de que ele não está assistindo a um filme, e sim, presenciando uma cena da vida real.

CAA