Filmes por gênero

CARTAS DE IWO JIMA (2006)

Letters from Iwo Jima
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Lettres d'Iwo Jima (França)
Lettere da Iwo Jima (Itália)
Cartas desde Iwo Jima (Espanha)
Pais: Estados Unidos
Gênero: 2ª Guerra Mundial
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Iris Yamashita
Produção: Clint Eastwood, Steven Spielberg, Robert Lorenz
Design Produção: Henry Bumstead, James Murakami
Música Original: Michael Stevens, Kyle Eastwood
Fotografia: Tom Stern
Edição: Joel Cox, Gary Roach
Figurino: Deborah Hopper
Guarda-Roupa: Mitchell Kenney, John M. Wright, Ann Culotta e outros
Maquiagem: Eryn K. Mekash, Zoe Hay, Dave Snyder e outros
Efeitos Sonoros: Bub Asman, Michael Dressel, Jason Jennings e outros
Efeitos Especiais: Mike Edmonson, Steve Riley, Dominic Ruiz e outros
Efeitos Visuais: Michael Owens, Holly Horter, Brian Gazdik e outros
Nota: 8.8
Filme Assistido em: 2007

Elenco

Ken Watanabe Ten. Gen. Tadamichi Kuribayashi
Kazunari Ninomiya Saigo
Tsuyoshi Ihara Baron Nishi
Ryo Kase Shimizu
Shido Nakamura Ten. Ito
Hiroshi Watanabe Ten. Fujita
Takumi Bando Capt. Tanida
Yuki Matsuzaki Nozaki
Eijiro Ozaki Ten. Okubo
Nobumasa Sakagami Almirante Ohsugi
Takashi Yamaguchi Kashiwara
Lucas Elliott Sam
Steve Sekiyoshi Kanda
Hiro Abe Ten. Cel. Oiso
Toshiya Agata Capt. Iwasaki
Yoshi Ishii Soldado Yamazaki
Toshi Toda Cel. Adachi
Ken Kensei Maj. Gen. Hayashi
Koji Wada Hashimoto
Mathew Botuchis Fuzileiro americano
Jeremy Glazer Ten. Fuzileiro

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Edição de Som

Associação de Críticos de Cinema de Los Angeles, EUA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Prêmios Bodil - Copenhague, Dinamarca

Bodil de Melhor Filme Americano

Academia Japonesa de Cinema, Japão

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Direção (Clint Eastwood)

Oscar de Melhor Roteiro Original

Associação dos Críticos de Cinema da Argentina

Condor de Prata de Melhor Filme Estrangeiro em Língua não Espanhola

Círculo de Críticos de Cinema de Londres, Inglaterra

Prêmio Filme em Língua Estrangeira do Ano

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Direção (Clint Eastwood)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Filme Estrangeiro

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em 1945, na ilha de Iwo Jima, ocorreram sangrentas batalhas entre japoneses e americanos, com a vitória destes últimos.  Décadas depois, centenas de cartas foram encontradas e retiradas do solo árido da ilha.  Tais cartas deram rostos e vozes aos militares nipônicos que ali lutaram.

Os soldados japoneses eram enviados à Iwo Jima cientes de que haveria poucas chances de saírem de lá com vida.  Entre eles, achavam-se Saigo, um padeiro que apenas desejava viver para conhecer a filha recém-nascida;  Baron Nishi, um campeão eqüestre olímpico, conhecido no mundo inteiro por suas habilidade e integridade;  Shimizu, um jovem policial cujo idealismo ainda não fora testado pela guerra;  e o tenente Ito, um austero militar que preferiria suicidar-se a render-se.

No comando, encontrava-se o tenente-general Tadamichi Kuribayashi, um hábil estrategista que estudara nos Estados Unidos, onde fizera grandes amigos, e que conhecia o exército ocidental e sua capacidade tecnológica.  Ele sabia que o principal motivo que levaria os Estados Unidos a tomar Iwo Jima era sua localização estratégica, pois se encontrava na rota e a meio caminho entre as Ilhas Marianas e Tóquio, podendo ser usada como base de apoio e reabastecimento de seus caças e bombardeiros.

Entretanto, dispondo de poucos recursos e sabendo que não poderia contar com reforços de Tóquio, Kuribayashi introduziu um audacioso e inovador plano de defesa.  Tendo plena consciência de que, sem contar com apoio naval ou aéreo, a ilha não poderia ser por muito tempo mantida pelas forças japonesas, frente a um poderoso inimigo, só lhe restava aumentar o custo da tomada de Iwo Jima, quando os invasores chegassem.

Contrariando as determinações de seu antecessor, que previa a defesa da ilha a partir da colocação da artilharia perto das praias, Kuribayashi planejou defender a ilha com um sistema de fogo cruzado fornecido por armas automáticas e infantaria.  Artilharia, morteiros e rockets seriam posicionados nas encostas do Monte Suribachi, bem como, em outros terrenos altos ao norte do aeroporto de Chidori.  Sabendo que as instalações à superfície não suportariam um bombardeio intensivo e duradouro, determinou que as tais encostas fossem dotadas de um extenso sistema de cavernas e túneis, menos vulneráveis aos ataques aéreos e navais.  Suas ordens para o momento da invasão esperada incluíam:

1.  Silêncio durante o bombardeio que certamente precederia ao desembarque.  Assim, nenhum fogo seria direcionado contra os navios norte-americanos;

2.  Logo após o desembarque, os invasores não deveriam encontrar oposição nas praias;

3.  Quando os mesmos tivessem avançado 500 metros em terra, seriam colocados debaixo de fogo concentrado de armas automáticas e de posições de artilharia localizadas nos terrenos altos;

4.  Após infligir o maior número de baixas e de danos à força terrestre, a artilharia seria realocada em terreno alto próximo ao aeroporto de Chidori.

Seu plano, entretanto, despertou a desconfiança de vários de seus principais oficiais, dando origem a dissidências na cadeia de comando, que se tornariam ainda mais graves devido à estranha noção de "morte honrosa" que esses militares insubordinados impunham aos seus comandados.

As táticas inovadoras do general Kuribayashi transformaram o que, em princípio, seria uma rápida e sangrenta derrota, em quase 40 dias de um combate heróico e hábil, embora todos soubessem que o fim seria o mesmo: a aniquilação das forças japonesas e a tomada da ilha pelos americanos.

Dos quase 22.000 soldados nipônicos que defenderam galhardamente Iwo Jima, apenas 200 foram feitos prisioneiros.  Enquanto isso, as forças norte-americanas sofreram 26.000 baixas, com mais de 7.000 mortos.  As areias negras de Iwo Jima estão manchadas de sangue, porém o sacrifício desses homens, sua luta e coragem permanecem vivos nas cartas que escreveram para suas famílias.

imagem imagem imagem

Comentários

"Cartas de Iwo Jima" é um excelente filme de guerra.  Dirigido e co-produzido pelo ator e cineasta Clint Eastwood, o filme mostra uma das mais famosas e sangrentas batalhas da 2ª Guerra Mundial, sob a ótica dos soldados japoneses.

Indicado a 4 Oscars, dos quais 3 referentes às principais categorias (Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Roteiro Original), "Cartas de Iwo Jima" terminou agraciado com a estatueta de Melhor Edição de Som.  Tal fato, por si só, demonstra a qualidade dessa produção.  Adicionalmente, sua trilha sonora, que leva a assinatura de Kyle Eastwood, filho de Clint com sua primeira esposa, Maggie Johnson, adequa-se muito bem ao espírito da trama.

Partindo de um roteiro muito bem construído por Iris Yamashita, com base em cartas do general Kuribayashi, Eastwood monta um elenco basicamente constituído de atores japoneses, com destaque para Ken Watanabe, que brilha no papel do general.

De forma magistral e sutil, Eastwood procura mostrar o absurdo e a crueldade de uma guerra, não importa quem sejam os contendores.

A câmera capta admiravelmente os detalhes do comportamento do general, bem como, de seus subordinados, cada vez mais cônscios de que se acham presos numa armadilha que se fecha sobre eles.

CAA