Filmes por gênero

A FILHA DE RYAN (1970)

Ryan's daughter
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: La fille de Ryan (França, Canadá)
La figlia di Ryan (Itália)
La hija de Ryan (Espanha, Argentina, México, Peru)
Ryans Tochter (Austria, Alemanha)
Ryan's dotter (Suécia)
Ryan's Dochter (Holanda)
Ryans datter (Dinamarca)
Дочь Райана (Rússia)
Pais: Reino Unido
Gênero: Drama, Histórico, Romance
Direção: David Lean
Roteiro: Robert Bolt
Produção: Anthony Havelock-Allan, Roy Stevens
Design Produção: Stephen B. Grimes
Música Original: Maurice Jarre
Direção Musical: Maurice Jarre
Fotografia: Freddie Young
Edição: Norman Savage
Direção de Arte: Roy Walker
Figurino: Jocelyn Rickards
Guarda-Roupa: Evangeline Harrison
Maquiagem: Charles E. Parker
Efeitos Sonoros: Gordon McCallum, John Bramall
Efeitos Especiais: Robert MacDonald
Nota: 8.5
Filme Assistido em: 1971

Elenco

Robert Mitchum Charles Shaughnessy
Trevor Howard Padre Hugh Collins
Christopher Jones Major Randolph Doryan
John Mills Michael
Sarah Miles Rosy Ryan
Leo McKern Thomas Ryan
Barry Foster Tim O'Leary
Marie Kean Sra. McCardle
Arthur O'Sullivan Sr. McCardle
Evin Crowley Maureen
Douglas Sheldon Motorista
Gerald Sim Capitão
Barry Jackson Cabo
Niall Toibin O'Keefe
Philip O'Flynn Paddy
Donal Neligan Namorado de Maureen
Brian O'Higgins Policial O'Connor
Pat Layde Policial
Niall O'Brien Bernard
Owen Sullivan Joseph
Emmet Bergin Sean
Ed O'Callaghan Bernard

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (John Mills)

Oscar de Melhor Fotografia (Freddie Young)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (John Mills)

Prêmios David di Donatello, Itália

David de Melhor Produção Estrangeira (Anthony Havelock-Allan)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (John Mills)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Revelação Masculina (Christopher Jones)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Atriz (Sarah Miles)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Gordon K. McCallum, John Bramall)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Fotografia (Freddie Young)

Prêmio de Melhor Direção de Arte (Stephen B. Grimes )

Prêmio de Melhor Figurino (Jocelyn Rickards )

Prêmio de Melhor Edição (Norman Savage)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (Winston Ryder, Gordon K. McCallum)

Prêmio de Melhor Direção (David Lean)

Prêmio de Melhor Atriz (Sarah Miles)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (John Mills)

Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante (Evin Crowley)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Atriz em um Drama (Sarah Miles)

Prêmio de Melhor Ator Coadjuvante (Trevor Howard)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (David Lean)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Trilha Sonora (Maurice Jarre)

Prêmios Laurel, USA

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Atriz em um Drama (Sarah Miles)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Filme

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Compositor Musical (Maurice Jarre)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante (Trevor Howard)

Prêmio Laurel de Ouro de Melhor Fotografia a Cores (Freddie Young)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No ano de 1916, em plena 1ª Guerra Mundial, em Kerry, Irlanda, uma das pessoas mais respeitadas é o Padre Hugh Collins, um homem sempre atento a tudo que ocorre no local, confessor e conselheiro da grande maioria de seus moradores.

Thomas Ryan é o proprietário do único Pub do vilarejo, local onde obviamente se reúne um grande número de seus habitantes.  Sua filha, Rosy, uma jovem extremamente romântica, sonha com o dia em que encontrará alguém com quem possa se casar e constituir uma família feliz.

Com sua sexualidade à flor da pele, Rosy termina se casando com Charles Shaughnessy, seu ex-professor.  Viúvo, Charles é um perfeito cavalheiro e um homem de um enorme coração.  Mais velho que ela, esta logo descobre que ele não tem maiores interesses por sexo, o que a deixa triste e infeliz.  Na época, independentemente da guerra mundial, grupos revolucionários irlandeses lutavam com o fim de conseguirem a independência da Irlanda do Império Britânico, contando com o apoio da quase totalidade dos habitantes locais.

Algum tempo depois, chega à cidade o Major Randolph Doryan, a fim de assumir o destacamento militar britânico da região.  O Major Doryan é um veterano da 1ª Guerra, condecorado com a Cruz de Victoria por seus feitos no campo de batalha, de onde saiu ao ter uma de suas pernas marcada por um sério ferimento.  Doryan conhece Rosy no Pub e esta sente-se fortemente atraída por ele.  Michael, conhecido como o idiota local, presente na ocasião, irrita o oficial a ponto dele sofrer um colapso nervoso, ao relembrar os maus momentos passados nas trincheiras da guerra.  Ao se recobrar do mesmo, é confortado por Rosy e os dois terminam com um apaixonado beijo, interrompido com a chegada ao Pub de Tom Ryan.  No dia seguinte, eles se encontram numa floresta e se tornam amantes.  Rosy, finalmente, sente-se sexualmente realizada.

Charles começa a desconfiar da fidelidade da esposa, mas não toma nenhuma ação.  Quando ele leva um grupo de estudantes até a praia, encontra as pegadas de Rosy e Doryan que levam até uma gruta.  Mais tarde, já em casa, descobre algumas conchas da praia juntas aos pertences de Rosy, mas prefere não falar sobre o assunto.  Entretanto, Michael, que tinha visto os dois amantes e roubado o uniforme de Doryan, espalha pela cidade o 'affair' entre eles.  Rosy passa a ser detratada por grande parte da população, por ter-se tornado uma mulher adúltera e, principalmente, por estar ligada a um oficial britânico, considerado inimigo dos ideais de independência do povo irlandês.

Certa noite, no meio de uma forte tempestade, o líder revolucionário Tim O'Leary e seu grupo chegam ao Pub, onde pedem a Ryan que os ajude a recolher, na praia, um carregamento de armas alemães.  Ryan denuncia a operação aos britânicos, mas segue até a praia onde assiste à retirada das armas do mar ainda revolto.  Logo a seguir, quase todos os habitantes do vilarejo chegam à praia para ajudarem os revolucionários.

Terminada a operação, O'Leary e seus seguidores são parados na estrada pelo Major Doryan e seus homens.  Ao receber ordem de prisão, o revolucionário tenta fugir mas é alvejado e preso por Doryan.

Charles diz à Rosy que tem conhecimento de sua infidelidade, mas que está disposto a esquecer tudo se ela der um ponto final em seu relacionamento com o oficial britânico.  Entretanto, naquela mesma noite, ele observa a esposa sair ao encontro do major.  Na manhã seguinte, ao perambular pela praia, Charles é encontrado pelo Padre Collins, que o convence a voltar para casa.

Embora Rosy declare que seu caso com Doryan acha-se definitivamente encerrado, Charles, a essa altura, encontra-se decidido a romper com seu casamento.  É quando uma multidão chega ao local onde eles se encontram, acusando Rosy de ter informado a guarnição militar britânica sobre o carregamento de armas que resultou na prisão de O'Leary.  Enfurecidos, os participantes tosquiam os cabelos dela e rasgam suas roupas, sendo detidos com a chegada do Padre Collins.

Enquanto isso, Doryan caminha pela praia quando encontra Michael.  Este o leva até um local onde se acham algumas armas, inclusive dinamite, que não haviam sido recuperadas.  Quando Michael se afasta, Doryan comete suicídio ao detonar os explosivos, por achar que sua presença em Kerry só trouxe humilhação à Rosy, a mulher que ama.

No dia seguinte, Charles e Rosy deixam o vilarejo, por se terem tornado motivo de chacota.  Enquanto o casal toma o ônibus que os levará à Dublin, Padre Collins tenta convencê-los a não terminarem com seu casamento.

imagem imagem imagem

Comentários

"A Filha de Ryan" é mais um excelente filme do início dos anos 70.  Realizado pelo maior cineasta britânico, David Lean, não chega a ser uma de suas obras-primas, como "Lawrence da Arábia", "A Ponte do Rio Kwai", ou mesmo "Doutor Jivago", mas tem sua marca.  É como na pintura:  Pode não ser um grande Picasso, mas é um Picasso!

A história é interessante e muito bem escrita por Robert Bolt: um caso de amor extraconjugal entre uma jovem mulher irlandesa e um oficial inglês, tendo, como pano de fundo, o movimento pela libertação do País, do jugo britânico, durante o desenvolvimento da 1ª Guerra Mundial.

A trama gira em torno de questões como o sexo no casamento, infidelidade, religião, comunidade, guerra e, sobretudo, o amor.  Os dois principais personagens, Rosy e Charles, cada um a seu modo, tentam lidar com suas emoções e encontrar respostas para questões como o verdadeiro significado da felicidade.

Lean nos brinda com grandes momentos, dentre os quais cito:  a cena de amor entre os dois jovens amantes, repleta de simbolismos;  a seqüência em que Charles encontra e segue as pegadas de Rosy e do oficial britânico, imaginando o que pode ter ocorrido e concluindo que sua esposa tem um outro homem em sua vida;  o magnífico momento em que os habitantes do vilarejo enfrentam uma terrível tempestade, a fim de recolherem um carregamento de armas que as fortes ondas do mar lançam sobre a praia.

A extraordinária fotografia de Freddie Young, ganhadora do Oscar, a magnífica trilha sonora de Maurice Jarre e as interpretações dos principais atores são outros grandes destaques desse belo filme.

CAA