Filmes por gênero

A AVENTURA (1960)

L'avventura
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: The adventure (USA, UK)
La aventura (Argentina, Espanha, México)
Die mit der liebe spielen (Alemanha)
De elskendes eventyr (Dinamarca)
Äventyret (Suécia)
Przygoda (Polônia)
A kaland (Hungria)
Приключение (União Soviética)
Pais: Itália, França
Gênero: Drama, Mistério
Direção: Michelangelo Antonioni
Roteiro: Michelangelo Antonioni, Elio Bartolini, Tonino Guerra
Produção: Amato Pennasílico
Design Produção: Piero Poletto
Música Original: Giovanni Fusco
Direção Musical: Giovanni Fusco
Fotografia: Aldo Scavarda
Edição: Eraldo Da Roma
Figurino: Adriana Berselli
Maquiagem: Ultimo Peruzzi
Efeitos Sonoros: Claudio Maielli, Fausto Ancillai, Nino Renda
Nota: 9.2
Filme Assistido em: 1961

Elenco

Monica Vitti Claudia
Gabriele Ferzetti Sandro
Lea Massari Anna
Dominique Blanchar Giulia
Renzo Ricci Pai de Anna
James Addams Corrado
Dorothy de Políolo Gloria Perkins
Lelio Luttazzi Raimondo
Giovanni Petrucci Príncipe Goffredo
Esmeralda Ruspoli Patrizia
Jack O'Connell Idoso na ilha
Angela Tommasi di Lampedusa A princesa
Prof. Cucco Ettore
Renato Pinciroli Zuria, jornalista
Franco Cimino .
Giovanni Danesi .
Enrico Bologna .
Vincenzo Tranchina .
Rita Mole .

Prêmios

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio do Júri (Michelangelo Antonioni)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Trilha Sonora (Giovanni Fusco )

Instituto Britânico do Cinema

Troféu Sutherland (Michelangelo Antonioni)

Prêmios Cálices de Ouro, Itália

Prêmio do Júri Especial por sua excelente atuação (Monica Vitti)

Prêmio Cálice de Ouro de Melhor Atriz (Monica Vitti)

Festival Internacional do Cinema de Thessaloniki, Grécia

Menção Especial (Michelangelo Antonioni)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme (Michelangelo Antonioni)

Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Monica Vitti)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Michelangelo Antonioni)

Sindicato dos Jornalistas Críticos de Cinema, Itália

Prêmio Fita de Prata de Melhor Direção (Michelangelo Antonioni)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz Coadjuvante (Lea Massari)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Estória Original (Michelangelo Antonioni)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Atriz (Monica Vitti)

Prêmio Fita de Prata de Melhor Fotografia em Branco e Preto (Aldo Scavarda )

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Filme Estrangeiro (Itália)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Aproveitando os últimos dias do verão, um grupo de amigos parte em um iate rumo a uma pequena ilha vulcânica situada no mar Tirreno, ao norte da Sicília.  Todos têm posses e, entre eles, encontram-se Sandro, um arquiteto que sacrificou seu talento pelo dinheiro, sua namorada, Anna, e a grande amiga desta, Claudia.

Ao chegarem lá, alguns tomam banho de mar, enquanto outros preferem escalar o paredão rochoso, a fim de explorarem a pequena ilha.  Anna discute com Sandro pela sua indecisão em oficializar o relacionamento deles.

Na hora de voltarem à Sicília, Claudia nota a ausência de Anna.  Preocupados, todos passam a procurá-la, sem sucesso.  Sandro sugere, então, que parte do grupo vá a uma ilha próxima e habitada, a fim de comunicar o desaparecimento de Anna junto às autoridades policiais e à Guarda Costeira.  Eles acreditam que em 1 hora poderão chegar à ilha de Panarea ou, em um pouco mais de tempo, à Lipari.  No local, ficam Claudia, Corrado e Sandro.

Os três continuam a procurá-la.  Quase noite, encontram um pequeno abrigo de pedra, onde mora um pescador, único habitante da ilha.  Este comenta ser comum turistas caírem do alto dos rochedos e morrerem.  Na manhã seguinte, dois barcos da Guarda Costeira e um helicóptero chegam ao local.  Novas buscam têm início, porém todas infrutíferas.  Sandro tenta beijar Claudia, mas esta se esquiva.

De volta à Sicília, quando Claudia toma um trem, Sandro corre e consegue alcançá-lo.  Ao vê-lo, ela fica surpresa e lhe diz que não quer nada com ele, mas Sandro insiste.  Ela comenta que não entende tal comportamento, apenas três dias depois do desaparecimento de Anna, e pede-lhe que desça na próxima Estação.

Em Palermo, Sandro procura Zuria, um jornalista que escreveu um artigo sobre o desaparecimento da jovem.  Este lhe confidencia que recebera alguns telefonemas que falavam da presença de Anna em Roma, ou num porto conversando com marinheiros estrangeiros, ou na pequena cidade de Noto.

Sandro encontra-se com Claudia e os dois vão até Noto.  No caminho, ela é por ele seduzida.  Os dois ficam juntos num hotel, onde a proprietária sugere à Claudia procurar sua amiga no Albergue da Juventude em Pergusa.  Sandro, que não se encontrava presente, na ocasião, ao saber sobre o albergue, não dá a menor atenção à sugestão.

Dizendo-se apaixonado, ele a pede em casamento e, em seguida, viajam para um luxuoso hotel, o San Domenico Palace, onde encontram sua amiga Patrizia, mulher do antigo patrão de Sandro.  Depois de tomar banho no apartamento, alegando estar com sono, Claudia diz ao marido que não vai descer para os salões do hotel.

O tempo passa e ela termina acordando de madrugada com insônia.  Sandro ainda não retornou ao apartamento.  Ela fica com receio que Anna tenha voltado.  Preocupada, desce aos salões do hotel, onde não encontra nenhum movimento.  Bate, então, à porta do apartamento de Patrizia, mas esta não tem notícias de Sandro.

Seus receios aumentam em relação a uma provável volta de Anna.  Decidida a encontrar Sandro, Claudia volta a procurá-lo, passando por cada dependência do hotel, a essa altura iluminadas pela luz do dia que amanhece, e termina encontrando-o nos braços de uma prostituta de luxo.

Desesperada, sai correndo do local sem saber que posição tomar.  Sandro deixa algumas cédulas com a mulher com quem se achava, e sai à procura de Claudia, encontrando-a num pátio deserto.  Arrasado, ele se senta num banco público e começa a chorar.  Ao vê-lo, ela se aproxima por trás e, depois de alguns minutos de hesitação, passa a mão sobre sua cabeça.

imagem

Comentários

"A Aventura" é mais uma pérola do cinema italiano dos anos 60.  Dirigido e co-escrito pelo grande cineasta Michelangelo Antonioni, o filme procura analisar o isolamento emocional, a decadência moral, a falta de comunicação, a fragilidade dos sentimentos, o vazio, existentes no mundo das pessoas abastadas da época.  Este filme forma com "A Noite" e "O Eclipse", a famosa trilogia de Antonioni sobre "o tédio existencial".

Seu título parece ser, de um certo modo, irônico, já que não se trata literalmente de uma aventura.  Acredito que Antonioni queira referir-se a uma possível viagem exploratória pela alma humana com todos os seus sentimentos contraditórios.

Num filme convencional, principalmente hollywoodiano, o desaparecimento de Anna seria, pelo menos, um de seus pontos focais e, com certeza, seu destino seria conhecido ao longo ou ao final da projeção.  Aqui, entretanto, através de um processo gradual, seu nome vai sendo esquecido.  No dia seguinte ao do seu desaparecimento, por exemplo, ainda na ilha, Sandro, seu namorado, tenta beijar Claudia, como que desejando trocar a dúvida do reencontro com Anna pela certeza do amor de alguém que está ali presente.

O ritmo um pouco lento que Antonioni imprime, ao desenvolvimento da trama, permite ao espectador melhor absorver as sutilezas de sua linguagem, com ênfase para as expressões faciais  e os pequenos gestos.  Na cena final, por exemplo, quando Sandro senta-se num banco público e começa a chorar por ter sido apanhado em adultério, Claudia chega por trás, sem que ele a veja, e embora hesitante, pousa a mão sobre a cabeça do marido, num evidente gesto de perdão.

A fotografia de Aldo Scavarda capta muito bem as belezas naturais do mar Tirreno e das ilhas vulcânicas.  No elenco, Monica Vitti, a atriz favorita de Antonioni, presente em toda sua trilogia, acha-se maravilhosa no papel de Claudia.  Os demais atores estão bem em seus respectivos papéis.
 
CAA