Filmes por gênero

A CONVERSAÇÃO (1974)

The conversation
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O vigilante (Portugal)
Conversation secrète (França, Canadá)
La conversazione (Itália)
La conversación (Espanha, México, Peru, Argentina)
Der dialog (Alemanha, Áustria)
Avlyssningen (Suécia)
Magánbeszélgetés (Hungria)
Aflytningen (Dinamarca)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Suspense, Mistério
Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: Francis Ford Coppola
Produção: Francis Ford Coppola, Fred Roos
Design Produção: Dean Tavoularis
Música Original: David Shire
Música Não Original: Johnny Green, Duke Ellington
Fotografia: Bill Butler
Edição: Richard Chew
Figurino: Aggie Guerard Rodgers
Efeitos Sonoros: Walter Murch, Art Rochester, Nathan Boxer, Michael Evje
Nota: 9.0
Filme Assistido em: 1975

Elenco

Gene Hackman Harry Caul
John Cazale Stanley
Allen Garfield Bernie Moran
Frederic Forrest Mark
Harrison Ford Martin Stett
Cindy Williams Ann
Michael Higgins Paul
Elizabeth MacRae Meredith
Teri Garr Amy Fredericks
Mark Wheeler Recepcionista
Robert Shields Comediante
Phoebe Alexander Lurleen
Robert Duvall O Diretor
Gian-Carlo Coppola Garoto na Igreja
George Meyer Vendedor
Richard Hackman Padre
Al Nalbandian Vendedor na Convenção de Segurança

Prêmios

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Edição (Walter Murch, Richard Chew)

Prêmio de Melhor Trilha Sonora (Art Rochester, Nathan Boxer, Michael Evje, Walter Murch)

Festival Internacional de Cannes, França

Prêmio Palma de Ouro (Francis Ford Coppola)

Prêmio do Júri Ecumênico - Menção Especial (Francis Ford Coppola)

Círculo dos Críticos de Cinema de Kansas City, USA

Prêmio de Melhor Filme

Prêmio de Melhor Direção (Francis Ford Coppola)

Prêmios Sant Jordi de Barcelona

Prêmio de Melhor Interpretação em Filme Estrangeiro (Gene Hackman)

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme (Francis Ford Coppola)

Oscar de Melhores Efeitos Sonoros (Walter Murch, Art Rochester)

Oscar de Melhor Roteiro Original (Francis Ford Coppola)

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Direção (Francis Ford Coppola)

Prêmio de Melhor Roteiro (Francis Ford Coppola)

Prêmio de Melhor Ator (Gene Hackman)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme - Drama

Prêmio de Melhor Roteiro (Francis Ford Coppola)

Prêmio de Melhor Direção (Francis Ford Coppola)

Prêmio de Melhor Ator em um Drama (Gene Hackman)

Grêmio dos Diretores da América

Prêmio por Direção Excepcional (Francis Ford Coppola)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Ator (Gene Hackman)

Prêmio de Melhor Roteiro (Francis Ford Coppola)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Drama escrito diretamente para o cinema (Francis Ford Coppola)

Prêmios Edgar Allan Poe

Prêmio de Melhor Filme (Francis Ford Coppola)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Harry Caul é um detetive particular especializado em realizar trabalhos de escuta eletrônica para entidades governamentais e para empresas industriais.  È um profissional obsessivo e meticuloso, atento aos mínimos detalhes, mas que nunca se interessa pelo conteúdo do seu trabalho nem pelas intenções de seu cliente.

Um dia, ele é contratado pelo Diretor de uma grande Corporação para gravar a conversa entre um casal, mais tarde identificado como sendo formado por Ann, uma mulher de vinte e poucos anos, e Mark, um executivo.  Pelo trabalho, ele deve receber US$ 15 mil.

Harry encontra Ann e Mark em uma praça pública de San Francisco, onde começa a seguí-los.  Para realizar a gravação da conversa do casal, o detetive conta com a ajuda de dois assistentes, Paul e Stanley, e de uma 'van' equipada com os equipamentos necessários.

Depois de editar o material, Harry telefona para o secretário do Diretor que o contratou, marcando uma hora para a entrega do trabalho produzido.  À noite, vai até o apartamento de Amy Fredericks, uma mulher com quem tem um caso.  Uma vez lá, ela reclama que não sabe nada a seu respeito: onde mora, com quem mora, o que faz.  Ele se irrita com suas perguntas e decide ir embora.

No dia seguinte, Harry se dirige aos escritórios do empresário, onde é recebido por seu assistente, Martin Stett.  Este lhe informa que o Diretor encontra-se fora do País e, quando lhe é entregue um envelope com os US$ 15 mil, Harry não o aceita, alegando que entregará as fitas diretamente  a quem o contratou.  Ao sair, é advertido por Stett que lhe pede para não se envolver com o caso, pois, como ele deve saber, o conteúdo das fitas é perigoso.

A advertência de que as fitas eram perigosas o deixa preocupado, de modo que, contrariando sua política de não se envolver com o conteúdo do seu trabalho, volta ao seu escritório para fazer uma melhor avaliação do material gravado.  Assim, ao analisar mais cuidadosamente o conteúdo das fitas, ele percebe que o casal está profundamente apaixonado, que Ann é casada com o Diretor, e que os dois podem vir a ser assassinados no domingo seguinte, quando marcaram um novo encontro em um hotel.

Ao comparecer a uma Convenção sobre vigilância e segurança, no Hotel St. Francis, Harry é apresentado por Paul a William 'Bernie' Moran, da 'Moran & Associates', uma companhia especializada em interceptação de ligações telefônicas, para a qual Paul passou a trabalhar a partir do dia anterior.  Em seguida, junta-se ao grupo uma linda modelo, Meredith, que se achava fazendo a apresentação dos novos produtos da empresa de Moran.

Ao sairem da Convenção, Meredith acompanha Harry e termina seduzindo-o.  Ao acordar, no dia seguinte, ele descobre que ela roubou suas fitas e que, provavelmente, tudo havia sido planejado por Moran.

Por telefone, ele sabe de Stett que foi preparado um dossiê completo sobre ele, que eles já estão de posse das fitas e que o Diretor o aguarda para pagar o valor contratado.  Na hora marcada, ele chega aos escritórios do diretor, onde se encontra com o mesmo e com Stett, que estão a ouvir as fitas.  Após receber os US$ 15 mil, Harry sai disposto a fazer algo para evitar a tragédia que está para ocorrer.

Pouco antes da hora do encontro entre Ann e Mark, no hotel, Harry consegue ficar no quarto vizinho ao que será ocupado pelo casal.  Uma vez lá, verifica a melhor forma de escutar o que vier a acontecer.  Enquanto espera, termina adormecendo.  Ao acordar, verifica que não há mais ninguém no quarto vizinho.  Conseguindo entrar lá, descobre vestígios de sangue.  Horrorizado, ele corre até os escritórios do Diretor, onde não permitem sua entrada.

No estacionamento, ele vê Ann sentada no banco traseiro de uma limusine.  Harry fica surpreso ao vê-la viva e, mais ainda, ao ler a manchete de um jornal falando da morte do Diretor num acidente automobilístico.  Ele, então, percebe que Ann atraiu seu marido até o hotel, onde ele foi morto por Mark.

imagem imagem imagem

Comentários

"A Conversação" é um ótimo 'thriller'.  Escrito, dirigido e produzido pelo grande cineasta Francis Ford Coppola, o filme trata de espionagem eletrônica e dos problemas psicológicos vividos por um profissional da área, quando percebe que o fruto de seu trabalho pode vir a ser responsável por um assassinato.

Coppola realiza um magnífico trabalho, tanto na direção quanto na construção do roteiro.  Os diálogos são inteligentes.  Fugindo dos clichês, Coppola apresenta vários momentos brilhantes e reviravoltas inimagináveis, prendendo a atenção do espectador ao longo de toda a projeção.

Gene Hackman nos brinda com uma excepcional atuação.  Harrison Ford tem um pequeno mas importante papel, como o braço direito do Diretor da Corporação.  O elenco de suporte é de primeira, incluindo nomes como Robert Duvall, John Cazale, Cindy Williams e Teri Garr.
 
CAA