Filmes por gênero

MEU OFÍCIO É MATAR (1954)

Suddenly
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O seu ofício era matar (Portugal)
Je dois tuer (França, Bélgica)
Gangsters in agguato (Itália)
Repentinamente (Espanha)
Der attentäter (Alemanha, Austria)
Attentatorn (Suécia)
Nagle (Polônia)
By i alarm (Dinamarca)
Внезапный (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Filme Noir, Suspense, Crime, Drama
Direção: Lewis Allen
Roteiro: Richard Sale
Produção: Robert Bassler
Música Original: David Raksin
Fotografia: Charles G. Clarke
Edição: John F. Schreyer
Direção de Arte: Frank Paul Sylos
Guarda-Roupa: Jack Masters
Maquiagem: Willard Buell
Efeitos Sonoros: Joe Edmondson, Del Harris, Win Hancock
Efeitos Especiais: Herman E. Townsley, Jack Rabin, Louis DeWitt
Nota: 7.8
Filme Assistido em: 1955

Elenco

Frank Sinatra John Baron
Sterling Hayden Xerife Tod Shaw
James Gleason Pop Benson
Nancy Gates Ellen Benson
Kim Charney Peter Benson III
Willis Bouchey Dan Carney
Paul Frees Benny Conklin
Christopher Dark Bart Wheeler
James O'Hara Jud Hobson
Kem Dibbs Wilson
Clark Howat Haggerty
Charles Smith Bebop
Paul Wexler Slim Adams
Richard Collier Ed Hawkins
Charles Wagenheim Iz Kaplan
Dan White Burg
Ted Stanhope Motorista pedindo informações ao Xerife
Roy Engel Motorista pedindo informações a Slim

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Tod Shaw, o xerife da pequena cidade de Suddenly, na Califórnia, está cortejando Ellen Benson, uma viúva cujo marido foi morto na guerra da Coreia. Ellen e seu filho de oito anos, Peter Benson III, vivem com seu sogro, Pop Benson, um agente aposentado do Serviço Secreto. Ellen, que se tornou amargurada pela morte do marido em batalha, é superprotetora do filho, não permitindo que ele assista filmes de guerra ou tenha armas de brinquedo. Numa manhã de sábado, ela fica consternada ao descobrir que Tod comprou uma pistola de brinquedo para seu filho. Mais tarde, ele toma conhecimento de que um trem especial, transportando o Presidente dos EUA, vai chegar à estação ferroviária da cidade naquele dia. Ao desembarcar, o Presidente deverá ir de automóvel para um rancho nas proximidades, a fim de gozar férias e fazer o que mais gosta: pescar.

Tod é instruído a coordenar os procedimentos de segurança e, após solicitar a assistência da polícia estadual, ele se reúne com membros da equipe do Serviço Secreto, liderados pelo agente Dan Carney. Este ordena que seus homens inspecionem e protejam todos os edifícios com vista para a Estação, incluindo a casa de Benson. Por outro lado, ele tem o prazer de saber que seu ex-chefe, Pop Benson, vive em Suddenly.  Naquele momento, quando Pop tenta consertar um aparelho de televisão, o mesmo explode e Ellen é obrigada a telefonar para o serviço de manutenção local a fim de solicitar a vinda de um técnico especializado.

Logo depois, John Baron, Benny Conklin e Bart Wheeler, assassinos contratados passando por agentes do FBI, chegam à cidade e pedem para inspecionar a casa. Pop, orgulhosamente, os informa que foi guarda-costas do Presidente Coolidge, e pergunta por que Baron e seus homens estão ali. Depois que Baron ordena que ninguém saia da casa, ele fala para Pop sobre a chegada do Presidente. Na estação, Carney revela a Tod que a segurança será muito rigorosa porque um informante alertou as autoridades sobre uma trama para assassinar o Presidente. Depois que Pop questiona o envolvimento do FBI na segurança do Presidente, Baron lhe diz que eles foram chamados por causa de informações sobre uma possível tentativa de assassinato do Presidente.

Quando Tod leva Carney para rever Pop, Baron atira e mata o agente secreto, enquanto Conklin fere seriamente Tod no braço. Em seguida, Baron ameaça fazer mal ao filho de Ellen, a menos que todos sigam suas instruções. Depois que os assassinos posicionam um rifle especial em uma janela, com vista para o depósito, eles escondem o carro de patrulha de Tod na garagem. Mais tarde, Baron afirma que eles são assassinos contratados e se gaba de que, durante a guerra, ganhou uma medalha de prata por matar vinte e sete alemães. Tod supõe que eles serão mortos quando os homens se prepararem para deixar o local e, calmamente, pergunta a Pop se ele tem alguma arma em casa. Depois que Baron envia Conklin para verificar a situação na cidade, Jud Hobson, o técnico enviado para consertar a televisão, chega e Baron o faz prisioneiro. Enquanto esperam, o assassino admite para Tod que ele não tem a menor idéia de quem está lhe pagando meio milhão de dólares para matar o Presidente.

Na cidade, depois que Conklin não consegue responder corretamente às perguntas do ajudante do Xerife, ele atira no policial, que revida. Embora a Polícia Estadual tenha emitido uma instrução no sentido de prender Conklin vivo, este termina morto num tiroteio. Na casa, Baron ordena que todos sigam para o porão. Quando um dos agentes do Serviço Secreto procura por Carney, Baron diz à Ellen que, a menos que ela convença o agente de que Carney, Tod, Pop e Peter Benson III foram para o rancho, ele vai matar todos eles. Satisfeito com a explicação de Ellen, o agente vai embora. Após deixar o porão, Tod provoca Baron ao sugerir que ele deve ser submetido a uma corte marcial como um psicopata.

Enquanto isso, secretamente, Pop sugere a Jud que prenda um fio de alta tensão da televisão na mesa metálica existente no local. Em seguida, ele finge um pequeno ataque cardíaco e pede ao neto para pegar uns comprimidos na gaveta em que havia escondido sua arma. O garoto, inteligentemente, substitue sua arma de brinquedo pela do avô. Alguns minutos mais tarde, depois que Pop derrama propositadamente um copo de água no chão perto da mesa, Wheeler pisa na água e segura o rifle, sendo prontamente eletrocutado. Depois que a polícia volta a atacar, Baron corta a eletricidade e dispara contra Jud. Forçada a reconsiderar seus sentimetos em relação ao uso da força, Ellen apanha a arma de Pop e dispara contra Baron. Em seguida, Tod atira e acaba com a vida do criminoso. Mais tarde, enquanto Pop se recupera, Tod chega do hospital e diz à Ellen que, embora Jud tenha morrido, seu ajudante vai sobreviver. Ellen, finalmente, lhe pergunta se agora, com a paz da cidade restabelecida, eles podem retomar seu namoro.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Lewis Allen, a partir de um roteiro escrito por Richard Sale, “Meu Ofício é Matar” é um bom filme norte-americano produzido pela Libra Productions Inc. em 1954. A direção de Allen se mostra apenas razoável, embora consiga manter um ótimo ritmo, principalmente nos últimos vinte minutos de projeção.

Sua trama lembra uma peça teatral, já que a grande maioria das cenas se passa dentro de uma sala e a emoção transmitida vem do diálogo e das situações criadas. Até certo ponto, o filme lembra “Horas de Desespero”, com Humphrey Bogart, onde uma família é mantida refém de uma quadrilha.

No elenco, Frank Sinatra brilha no papel de John Baron, um criminoso frio e psicótico, seguido pelas atuações bastante convincentes de Sterling Hayden, James Gleason e Nancy Gates.

CAA