Filmes por gênero

SÓ FICOU A SAUDADE (1958)

Kings go forth
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Diables au soleil (França)
Cenere sotto il sole (Itália)
Cenizas bajo el sol (Espanha)
Los reyes van al frente (Chile)
Rivalen (Austria, Alemanha)
Rivalerna (Suécia)
Kammerater, krig og kærlighed (Dinamarca)
Rivalen zien niet om (Holanda)
Wojenna milosc (Polônia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, 2ª Guerra Mundial, Romance
Direção: Delmer Daves
Roteiro: Merle Miller
Produção: Frank Ross
Música Original: Elmer Bernstein
Direção Musical: Elmer Bernstein
Fotografia: Daniel L. Fapp
Edição: William B. Murphy
Direção de Arte: Fernando Carrere
Figurino: Leah Rhodes
Guarda-Roupa: Joan Joseff
Maquiagem: Bernard Ponedel
Efeitos Sonoros: Francis J. Scheid, Bert Schoenfeld
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1996

Elenco

Frank Sinatra 1º Tenente Sam Loggins
Tony Curtis Cabo Britt Harris
Natalie Wood Monique Blair
Leora Dana Sra. Blair
Karl Swenson O Coronel
Ann Codee Madame Brieux
Eddie Ryder Cabo Lindsay
Jacques Berthe Jean-François Dauvah
Mark Tapscott Capitão Harrison
Cyril Delevanti Mordomo dos Blairs
Marie Isnard Francesa idosa com vinho
Jimmy Weible Músico de Jazz: Guitarra
Richie Kamuca Músico de Jazz: Sax Tenor
Red Norvo Músico de Jazz: Vibrafone
Mel Lewis Músico de Jazz: Bateria
Red Wooten Músico de Jazz: Baixo

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

No último ano da Segunda Guerra Mundial , unidades do Exército dos Estados Unidos encontram-se no sopé dos Alpes entre a França e a Itália, tentando desalojar uma unidade de soldados alemães de uma pequena aldeia. O 1º Tenente Sam Loggins é responsável por uma unidade de reconhecimento que acaba de perder o seu operador de rádio. Um caminhão chega ao local com novos militares e o Cabo Britt Harris é admitido por Loggins como o novo operador de rádio.

O Cabo Lindsay, encarregado da burocracia e logística da Unidade, comenta com Loggins que Harris é filho de um rico proprietário de uma fábrica de tecidos em New Jersey, e que, para evitar acusações criminais por tentar subornar um membro do Consellho de Recrutamento, decidiu se apresentar como voluntário para combater na Europa. Embora Harris demonstre coragem ao resgatar um grupo de homens presos em um campo minado, quando atacavam um bunker alemão, Loggins ainda tem suas reservas em relação a ele.

Quando o Coronel concede uma folga, na Riviera Francesa, ao caminhar sozinho por um cais de Nice, Loggins é atraído por uma bela jovem, Monique Blair. Eles vão a um Café e, enquanto jantam, ela comenta que nasceu nos Estados Unidos, mas que vive na França desde criança. No final, eles prometem se encontrar na semana seguinte, no mesmo Café, às 20 horas.

Na semana seguinte, conforme combinado, Loggins a espera no Café, mas ela não aparece. Desanimado, ele se prepara para ir embora quando é convidado, por uma americana mais velha, para tomarem uma bebida. Ele descobre, então, que se trata da mãe de Monique que estava a observá-lo. No final, ela o convida para acompanhá-la até sua suntuosa mansão, onde Monique se encontra.

Os dois passam grande parte do tempo juntos. Certa noite, quando ele confessa que a ama, ela finalmente lhe revela que tem medo de se envolver com um soldado norte-americano porque seu pai, agora morto, era um negro e viveu o preconceito demonstrado pelos americanos. Loggins se mostra confuso e vai embora sem ter certeza de seus reais sentimentos.

De volta ao acampamento, o Coronel e Loggins concordam que precisam de melhores informações sobre a situação dos alemães na aldeia. Loggins sugere que seja planejada uma missão secreta com o fim de colocar um observador na torre de sua igreja. O Coronel, concordando com a ideia, diz que vai submetê-la a seus superiores.

Enquanto isso, Loggins decide deixar de lado os antigos preconceitos que teria tido em relação ao parentesco de Monique, e volta a procurá-la. Ela e sua mãe ficam felizes ao revê-lo. Ele convida a jovem a acompanhá-lo até um Café-Concerto, onde são surpreendidos ao assistirem Harris apresentar um fantástico solo de jazz em um trompete, para aplausos de todos os presentes. Harris se junta a Loggins e Monique na sua mesa. Ele e Monique se sentem imediatamente atraídos um pelo outro, deixando Loggins de lado. No final, do lado de fora, os dois se beijam.

Quando Loggins a deixa em casa, Monique lhe pede para falar a Harris sobre seu pai negro. No final da semana seguinte, os dois militares voltam à Nice para visitar a jovem. Mais uma vez, Loggins é deixado de lado, o que faz com que ele retorne ao seu quarto de hotel sozinho.

Depois de passar a maior parte da noite em companhia de Monique, Harris retorna ao hotel, ocasião em que diz a Loggins que a pediu em casamento e que ela disse sim. Loggins se sente arrasado, mas procura disfarçar. Em seguida, ele fala para Harris sobre a papelada que ele precisa preencher para obter permissão do exército para se casar.

Ao voltarem para sua Unidade, Harris pede imediatamente o formulário para requerer a permissão. Dois meses se passam sem que ele receba uma resposta do exército. Certo dia, ao conversar com o Cabo Lindsay, Harris toma conhecimento que os papéis se encontram há três semanas em poder de Loggins.

Enquanto isso, o Coronel diz a Loggins que seus superiores aprovaram a operação secreta. Loggins comenta que tal operação deverá ser efetuada por dois homens, um dos quais deve ser Harris por ser seu operador de rádio. Na oportunidade, ele pede permissão para ir à cidade por algumas horas, o que é aprovado pelo Coronel.

Assim, Loggins e Harris vão à mansão dos Blair, onde o tenente força Harris a admitir para Monique que não vai poder se casar com ela, o que a deixa em lágrimas. Harris tenta se explicar para Loggins, mas é abatido com um forte soco. Em seguida, o tenente sai à procura da jovem, ocasião em que toma conhecimento de que ela tentou se afogar, mas que foi salva por um pescador. Ao encontrá-la, ela se nega a falar com ele.

De volta à Unidade, os dois se preparam para a missão secreta. Ainda inconformado com o fora recebido de Monique, Loggins diz que ainda vai matar Harris, após a missão ou, talvez, depois que a guerra acabar. Harris responde: “Só se eu não matá-lo antes”.

Ao iniciarem a missão, eles encontram e matam um soldado alemão. Ao chegarem à torre da igreja, conforme planejado, começam a enviar informações sobre as posições das tropas alemãs e, principalmente, dos seus depósitos de munição. Os bombardeios são iniciados e, à medida que se intensificam, os oficiais germânicos ordenam a evacuação da aldeia. Finalmente, pouco antes de abandonarem a torre da igreja, Loggins informa que os dois estarão deixando o local. Na fuga, Harris é morto por um soldado alemão. Por outro lado, Loggins é encontrado vivo, por tropas norte-americanas, sob os escombros de uma explosão. Levado a um hospital, ele tem seu braço direito amputado. Ao receber alta, quatro meses depois, ele decide fazer uma visita à Monique, antes de retornar aos Estados Unidos.

Ao chegar à Nice, Monique lhe diz que, após a morte de sua mãe, ela decidiu transformar a mansão em uma escola para órfãos de guerra. Na ocasião, ela o convida para entrar numa das salas de aula onde, como um tributo a ele e a todos os soldados americanos que lutaram para libertar a França do jugo nazista, as crianças cantam uma canção de agradecimento.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Delmer Daves, a partir de um roteiro escrito por Merle Miller, “Só Ficou a Saudade” é um agradável filme do cinema norte-americano do final dos anos 1950. Sua trama aborda temas interessantes como a miscigenação e o preconceito racial.

Na direção, Daves realiza um bom trabalho, procurando evitar determinados clichês e imprimir um bom ritmo à narrativa. No elenco, Natalie Wood, Tony Curtis e Frank Sinatra se saem bem em seus respectivos papéis, com destaque para este último.

Enfim, embora não se trate de uma obra-prima, “Só Ficou a Saudade” é um filme que merece ser visto.

CAA