Filmes por gênero

PARIS VIVE À NOITE (1961)

Paris Blues
imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Noites de Paris (Portugal)
Un día volveré (Espanha)
París vive de noche (México)
Paryski blues (Polônia)
Párizs blues (Hungria)
Pariisin rytmiä (Finlândia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Música, Romance
Direção: Martin Ritt
Roteiro: Irene Kamp, Walter Bernstein, Jack Sher
Produção: Sam Shaw
Fotografia: Christian Matras
Edição: Roger Dwyre
Direção de Arte: Alexandre Trauner
Maquiagem: Michel Deruelle
Efeitos Sonoros: Joseph de Bretagne, André Smagghe
Nota: 7.1
Filme Assistido em: 1963

Elenco

Paul Newman Ram Bowen
Joanne Woodward Lillian Corning
Sidney Poitier Eddie Cook
Louis Armstrong Wild Man Moore
Diahann Carroll Connie Lampson
Barbara Laage Marie Seoul
André Luguet René Bernard
Marie Versini Nicole
Serge Reggiani Michel Duvigne
Moustache Baterista
Roger Blin Gypsy, guitarrista
Aaron Bridgers Pianista
María Velasco Pianista
Guy Pederson Baixista
Jack Lenoir Garçom do Club 33
André Tomasi Garçom do Club 33
Jo Labarrère Cliente do Club 33
Claude Rollet Cliente do Club 33
Dominique Zardi .

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Trilha Sonora de um Musical (Duke Ellington)

Prêmios Grammy, EUA

Grammy de Melhor Album da Trilha Sonora de um Filme (Duke Ellington)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Ram Bowen e Eddie Cook são dois músicos de jazz expatriados, morando em Paris onde, ao contrário dos Estados Unidos, se sentem mais valorizados e livres de preconceitos e racismo.  Bowen é trombonista e, além de se apresentar num Clube Noturno, trabalha como compositor.  Eddie toca na mesma banda e faz arranjos para Bowen.  Este mantém um caso, sem maiores compromissos, com a cantora do Clube, Marie Seoul.

Um dia, os dois vão a uma estação ferroviária assistir à chegada do famoso trompetista, Wild Man Moore.  Lá, conhecem duas americanas, Lillian Corning e Connie Lampson, que se acham em férias na França.  Eddie imediatamente se sente atraído por Connie, o mesmo ocorrendo com Lillian em relação a Bowen.

À noite, por insistência de Lillian, as duas vão ao Clube onde os dois músicos se apresentam.  Lá, permanecem até a hora do mesmo fechar, quando são convidadas por Eddie para jantarem juntos.  Ao contrário, embora assediado por Lillian, Bowen se mostra desinteressado.  Sua insistência, entretanto, faz com que ele se junte ao grupo.

Os quatro passam a madrugada juntos, passeiam ao longo do Sena e Lillian termina no apartamento de Bowen.  Assim, os dois casais iniciam um relacionamento em que, com exceção de Bowen, todos se mostram apaixonados.  Este, embora goste de estar com Lillian, tem na música sua maior paixão.

Ao se aproximar a data da partida das americanas, entretanto, Bowen diz que voltará com elas para os Estados Unidos.  Na véspera, Eddie procura o amigo e lhe diz que também voltará, só que precisará de algumas semanas para resolver algumas pendências em Paris.

No dia do embarque, Eddie acompanha Connie e Lillian até a estação ferroviária, onde vai se despedir de sua amada.  Todos acham-se apreensivos por Bowen estar atrasado.  No último minuto, ele chega para dizer que não vai mais viajar porque, depois de pensar bastante, concluiu que a música é o que ele tem de mais importante na vida.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado num livro de Harold Flender, "Paris Vive à Noite", embora não seja um grande filme, não deixa de ser um bom entretenimento, principalmente para os apreciadores de jazz/blues.

Realizado pelo cineasta Martin Ritt, que apresenta um trabalho razoável, o filme não conta com um bom roteiro.  O forte dessa produção é, sem dúvida, a música de Duke Ellington e a ótima participação do fabuloso Louis Armstrong e seu trompete, numa 'jam session'.

"Paris Vive à Noite" apresenta, ainda, boas interpretações, principalmente dos quatro principais atores: Sidney Poitier, Paul Newman, Joanne Woodward, esposa de Newman na vida real, e Diahann Carroll.

CAA