Filmes por gênero

ABRIL DESPEDAÇADO (2001)

imagem imagem imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Behind the Sun (USA, UK)
Avril brisé (França)
Disperato aprile (Itália)
Hinter der Sonne (Alemanha)
Pais: Brasil, França, Suíça
Gênero: Drama
Direção: Walter Salles
Roteiro: Karim Ainouz, Walter Salles, Sérgio Machado
Produção: Arthur Cohn
Música Original: Antonio Pinto, Ed Cortês, Beto Villares
Fotografia: Walter Carvalho
Edição: Isabelle Rathery
Direção de Arte: Cássio Amarante
Figurino: Cao Albuquerque
Guarda-Roupa: Fernanda Fabrizzi, António Medeiros, Jefferson Miranda
Maquiagem: Martin Macias, Gabi Moraes, Irma Verdugal
Efeitos Sonoros: Waldir Xavier , François Groult, Felix Andrew e outros
Efeitos Especiais: Philippe Hubin, Mauricio Couto Bevilaqua, Guillaume Watrinet
Efeitos Visuais: Eve Ramboz, François Dumoulin
Nota: 7.5
Filme Assistido em: 2003

Elenco

Rodrigo Santoro Tonho
Wagner Moura Mateus
Othon Bastos Sr. Lourenço
José Dumont O pai
Rita Assemany A mãe
Gero Camilo Reginaldo
Luiz Carlos Vasconcelos Salustiano
Caio Junqueira Inácio
Vinícius de Oliveira Membro da família Ferreira
Maria do Socorro Nobre Membro da família Ferreira
Everaldo Pontes Velho cego
Ravi Ramos Lacerda Pacu
Flávia Marco Antônio Clara
Mariana Loureiro Viúva
Servílio de Holanda Isaías

Prêmios

Festival de Cinema de Havana, Cuba

Prêmio de Melhor Direção (Walter Salles)

Prêmio Casa das Américas (Walter Salles)

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Pequeno Leão de Ouro (Walter Salles e Arthur Cohn)

Indicações

Academia Britânica de Cinema e Televisão, Inglaterra

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Festival Internacional de Veneza, Itália

Prêmio Leão de Ouro (Walter Salles)

Prêmios Globo de Ouro, EUA

Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Abril, 1910 - Após a morte de seu filho primogênito, executado por um clã vizinho, numa disputa ancestral pela posse da terra, o patriarca espera pacientemente até que a camisa branca ensangüentada do filho morto torne-se amarelada, sinal de que chegou a hora de cobrar seu sangue.

Ele envia, então, seu segundo filho, Tonho, para vingar a morte do irmão.  Tonho executa as ordens do pai após perseguir sua vítima pela caatinga.  Atormentado pelo peso de seu ato, ele pede permissão à família do morto para assistir ao funeral.  É quando interpela o avô da vítima, pedindo-lhe uma trégua e o fim da violência.

O ancião, entretanto, concorda com a suspensão temporária das hostilidades somente até a próxima lua cheia, dizendo a Tonho que sua vida agora está partida em duas: os primeiros 20 anos que já viveu e o pouco tempo que lhe resta para viver.  A família amargurada do velho, mais uma vez, pendura uma camisa ensangüentada à espera de que fique amarelada.  

Observado atentamente por Pacu e sua mãe, Tonho se vê no dilema de ficar e enfrentar a morte ou fugir.  Sua decisão é influenciada pela chegada à cidade de dois artistas de um circo itinerante, Salustiano e sua enteada, Clara, que desperta em Tonho o desejo de conhecer o amor antes de morrer.  Seu dever de honra, no entanto, demonstra ser por demais arraigado, obrigando-o a voltar para casa.

Angustiado pela perspectiva da morte e instigado pelo seu irmão menor, Pacu, Tonho começa a questionar a lógica da violência e da tradição.

imagem imagem imagem

Comentários

Baseado no romance homônimo de Ismail Kadare, "Abril Despedaçado" é um filme cheio de simbolismos e, ao mesmo tempo, poético.  Walter Salles, com sua direção excepcional, consegue passar uma forte carga emocional através das violentas confrontações entre duas famílias que lutam pela posse da terra.  Nesse contexto, a cena que mais se destaca é aquela em que Tonho vinga a morte do irmão.

O elenco está bem, com destaques para as atuações de Rodrigo Santoro e do garoto Ravi Ramos Lacerda.  O filme conta ainda com uma produção bem acabada, uma maravilhosa fotografia, que consegue dar vida à aridez do sertão nordestino, e uma ótima trilha sonora.
 
CAA