Filmes por gênero

REBECCA, A MULHER INESQUECÍVEL (1940)

Rebecca
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: Rebecca, la prima moglie (Itália)
Rebeca, una mujer inolvidable (Argentina)
Rebeka (Sérvia, Polônia)
Rebekka (Finlândia, Islândia)
Ребека (Bulgária)
Ребекка (União Soviética, Ucrânia)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Drama, Mistério, Suspense
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Robert Sherwood, Joan Harrison
Produção: David O. Selznick
Música Original: Franz Waxman
Fotografia: George Barnes
Edição: W. Donn Hayes
Direção de Arte: Lyle R. Wheeler
Maquiagem: Monte Westmore
Efeitos Sonoros: Jack Noyes
Efeitos Especiais: Jack Cosgrove
Efeitos Visuais: Albert Simpson
Nota: 9.8
Filme Assistido em: 1949

Elenco

Laurence Olivier George Maximillian 'Maxim' de Winter
Joan Fontaine A 2ª Sra. de Winter
Florence Bates Sra. Edythe Van Hopper
Judith Anderson Sra. Danvers
Gladys Cooper Beatrice Lacy
Nigel Bruce Major Giles Lacy
George Sanders Jack Favell
Alfred Hitchcock Homem do lado de fora da cabine telefônica
Leo G. Carroll Dr. Baker
Melville Cooper Investigador
Leonard Carey Ben
Edward Fielding Frith
C. Aubrey Smith Coronel Julyan
Gino Corrado Gerente do Hotel
Billy Bevan Policial
Forrester Harvey Chalcroft
Leyland Hodgson Mullen, o motorista
Reginald Denny Frank Crawley
Philp Winter Robert

Prêmios

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Filme

Oscar de Melhor Fotografia em Preto e Branco (George Barnes )

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Direção (Alfred Hitchcock)

Oscar de Melhor Trilha Sonora (Franz Waxman)

Oscar de Melhor Roteiro (Robert E. Sherwood, Joan Harrison)

Oscar de Melhor Direção de Arte (Lyle R. Wheeler)

Oscar de Melhor Edição (Hal C. Kern)

Oscar de Melhores Efeitos Especiais e Sonoros (Jack Cosgrove, Arthur Johns)

Oscar de Melhor Ator (Laurence Olivier)

Oscar de Melhor Atriz (Joan Fontaine)

Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante (Judith Anderson)

Círculo dos Críticos de Cinema de Nova York, EUA

Prêmio de Melhor Atriz (Joan Fontaine)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Uma jovem viaja para Monte Carlo acompanhando a rica viúva americana, Sra. Edythe Van Hopper, sua patroa.  No saguão do hotel, a Sra. Van Hopper encontra um velho amigo, Maxim de Winter, um inglês de Manderley, e o convida para tomar um café com elas.  Embora Maxim dê atenção à Sra. Van Hopper, na realidade ele gostaria de conversar com a jovem acompanhante.

A caminho de seus quartos, a Sra. Van Hopper diz à jovem que o Sr. de Winter ainda não se recuperou da morte de sua mulher, Rebecca, num acidente de barco no ano anterior. 

A Sra. Van Hopper apanha uma forte gripe, de modo que, na hora do almoço, a jovem desce sozinha para o restaurante do hotel, onde é convidada por Maxim para sentar-se à mesa dele.  Na oportunidade, ela explica seu emprego como acompanhante da Sra. Van Hopper, emprego que ela assumira um anos antes, logo após a morte de seu pai, um pintor.  Após falar sobre Manderley, Maxim a convida para um passeio.  Nos dias que se seguem, a jovem é sempre convidada para novos passeios.  O relacionamento entre os dois é ameaçado quando a Sra. Van Hopper diz para a jovem que terão que retornar à Nova York para o casamento da filha.

Antes de partir, a jovem procura Maxim para se despedir, oportunidade em que este a pede em casamento.  Ela, que já se sentia apaixonada, aceita sua proposta e, em seguida, Maxim comunica a novidade à Sra. Van Hopper.  Depois de se casarem na França, o casal segue para a mansão de Manderley.  No caminho, ele lhe diz que todos vão adorá-la e que ela não precisa se preocupar com a mansão, pois isso é responsabilidade da governanta, a Sra. Danvers.

Ao chegarem à Manderley, o casal é cumprimentado pelos 15 criados da mansão e pela Sra. Danvers, que se mostra hostil para com a nova Sra. de Winter.  Naquela mesma noite, a governanta procura a Sra. de Winter para lhe dizer que seus aposentos serão os da Asa Leste, uma parte da mansão que nunca fora usada antes e sem vista para o mar.  A adoração e devoção patológicas da Sra. Danvers em relação à memória de Rebecca, a primeira dona da casa,  está presente em todos os seus atos e palavras.  Por outro lado, em todos os cantos se vê o monograma com o "R" de Rebecca.

No dia seguinte, enquanto Maxim trata de negócios, a Sra. Danvers solicita a aprovação da Sra. de Winter para o menu do almoço.  Esta, insegura, lhe diz para manter as rotinas estabelecidas por Rebecca.

A irmã e o cunhado de Maxim, Beatrice e o major Giles Lacy chegam para o almoço.  Beatrice pergunta à Sra. de Winter como ela está se dando com a governanta.  Durante a conversa, os Lacys descobrem que a nova mulher de Maxim não possui as qualidades de Rebecca, como gostar de cavalgar, caçar e dançar rumba.

Quando o casal vai dar um passeio pelos penhascos locais, a Sra. de Winter pede ao marido para seguir a trilha que leva a uma pequena casa à beira-mar, no que ele não concorda.  Mesmo assim, ela desce até o local, onde encontra mais evidências da influência de Rebecca  (todas as toalhas da casa possuem o monograma com o "R".  Ao voltar, ela encontra Maxim furioso que lhe ordena nunca mais voltar àquela casa.  Ela chora e o marido lhe oferece um lenço, com o "R" de Rebecca, para que ela enxugue suas lágrimas.

Sentindo-se sempre comparada por todos com Rebecca, e sofrendo com a hostilidade da Sra. Danvers, a Sra. de Winter coloca para o marido que talvez tenha sido um grande erro casar-se com ele e vir morar em Manderley.  Ele lhe diz que não é bem assim e que ela é, afinal, a dona da casa.

Um dia, quando seu marido se encontra em Londres, a Sra. de Winter ouve o barulho de uma janela na Asa Oeste e resolve investigar, descobrindo Jack Favell sendo acompanhado pela Sra. Danvers.  Ela sai do local e nota que os dois saem pela janela para depois entrarem pela porta da casa, quando Favell é apresentado à Sra. de Winter como sendo o primo preferido de Rebecca.  Na ocasião, ele pede que sua visita seja mantida em segredo.

Curiosa a respeito dos segredos de Manderley, a Sra. de Winter sobe as escadas que levam aos aposentos de Rebecca, na Asa Oeste.  Lá, ela abre as cortinas e uma janela.  A Sra. Danvers logo aparece e diz que tudo ali se encontra como Rebecca deixou e que ela continua a habitar a mansão.  Quando a Sra. Danvers sai, a Sra. de Winter encontra um bilhete que sugere que Rebecca e Favell eram amantes.  Ela chama, então, a Sra. Danvers e lhe ordena que destrua tudo o que lembra a antiga patroa, inclusive os monogramas.  A Sra. Danvers protesta, mas ela se impõe como a nova Sra. de Winter e a lembra sobre a secreta visita de Favell.

Quando Maxim retorna, ela cai em seus braços, feliz, e lhe pede permissão para providenciar seu vestido para o próximo baile à fantasia.  A Sra. Danvers sugere maldosamente que ela copie o modelo do vestido de Lady Caroline de Winter, uma ancestral da família, cujo retrato se encontra na parede.  No dia da festa, ela surge com o novo vestido, mas Maxim fica transtornado ao notar que ela está usando o mesmo modelo que Rebecca usou no último baile à fantasia.  Ele ordena que ela o tire imediatamente.  Humilhada, a Sra. de Winter se retira.  Mais tarde, quando ela vai tomar satisfações junto à Sra. Danvers, esta lhe responde que ela jamais tomará o lugar de Rebecca.

Frank diz para Maxim que o barco de Rebecca foi localizado.  Quando a Sra. de Winter encontra o marido na casa da praia, deprimido, este lhe diz que a sombra de Rebecca entre eles é uma prova de que ela venceu.  Na ocasião, ele lhe confessa que o corpo que se acha no túmulo da família não é o de Rebecca e que o dela permanece no fundo do mar, pois foi ele mesmo quem o colocou lá.  Tal revelação deixa a Sra. de Winter atônita.  Ele continua dizendo que nunca foi feliz com Rebecca e que a odiava por ela ser uma pessoa cruel, infiel e que se casara com ele apenas pelo seu dinheiro; que ele permaneceu casado por ser a única forma de proteger a 'honra da família'; que ela mantinha um 'flat' em Londres onde passava dias; que ela passou a trazer seus amigos para Manderley; que Favell a visitava freqüentemente na casa da praia;  que uma noite, esperando encontrá-la alí com o amante, foi disposto a enfrentar a situação; que ela estava realmente esperando por Favell; que ela, ao vê-lo, esperava que ele a matasse quando lhe dissesse que estava grávida de outro; que durante a discussão, ela acidentalmente tropeçou num guincho do barco que estava no chão, caiu e morreu com a forte batida que levou na cabeça; que, em seguida, atordoado com o que acontecera, pegou seu corpo e o colocou no barco, partindo para o mar, onde o afundou e que, ao surgir um corpo em Edgecoombe, ele o identificou como sendo o de Rebecca.

Com o surgimento de outro corpo, Maxim é chamado para identificá-lo e admite que se enganou no reconhecimento do primeiro.  Durante o inquérito policial, um construtor de barcos revela que foram feitos furos intencionais no barco, surgindo, então, a hipótese de que Rebecca pode ter deliberadamente cometido suicídio.  Tentando incriminar o Sr. de Winter, Favell lê uma nota que teria sido escrita por Rebecca no dia de sua morte, em que diz: "Querido Jack.  Estive com o médico e estou indo agora para Manderley.  À noite, estarei lhe esperando na casa da praia.  Tenho algo importante a lhe dizer.  Rebecca".

Favell diz que tal nota não é de uma suicida e sim de sua amante marcando um encontro para lhe dizer que estava grávida dele.  Na tentativa de conseguir o elo que está faltando para incriminar o Sr. de Winter, Favell pede que a Sra. Danvers apresente a prova contra ele.  Ela tenta defender Rebecca, mas é forçada a admitir que ela era uma pessoa manipuladora e que o amor para ela era simplesmente um jogo.  Ao falar, a Sra. Danvers deixa escapar o nome do Dr. Baker, o médico com quem ela estivera no dia de sua morte.  Favell insiste que a visita ao médico tem a ver com o motivo do crime, já que Rebecca teria provocado o marido ao falar sobre a gravidez.

Após as alegações de Favell, ele, Maxim e o coronel Julyan vão ao consultório do Dr. Baker e, lá, tomam conhecimento de que Rebecca não estava grávida e sim acometida de um câncer em estado terminal.  Dr. Baker revela ainda suas últimas palavras:  "Estou determinada a por fim à minha vida imediatamente a fim de evitar uma morte com maior sofrimento".  Com o depoimento do Dr. Baker, a tese de Favell cai por terra e o inquérito é encerrado.

De uma cabine telefônica, Favell conta para a Sra. Danvers que Rebecca escondeu a verdade dos dois.  A governanta, enlouquecida, resolve atear fogo à mansão.  Ao chegar de Londres, Maxim encontra a mansão em chamas.  Do lado de fora, ele e sua mulher se abraçam.  Ela lhe diz que a Sra. Danvers enlouqueceu e que teria dito que preferia destruir Manderley a nos ver felizes nela.  Na última vez em que a governanta foi vista, ela se encontrava presa nos aposentos de sua querida e inesquecível Rebecca.

imagem

Comentários

"Rebecca" é, essencialmente, um drama de mistério e romance, o qual, em mãos menos capazes, poderia facilmente cair na armadilha do melodrama.  Mas, a hábil direção de Hitchcock, a ótima fotografia e a maravilhosa interpretação de seu elenco, fizeram deste filme um dos melhores de todos os tempos e um dos meus favoritos.

O filme começa como uma comédia romântica, em Monte Carlo.  Depois, na Inglaterra, ele se transforma num drama.  Em seguida, ele apresenta momentos de mistério e suspense. 

CAA