Filmes por gênero

CIÚME, SINAL DE AMOR (1949)

The Barkleys of Broadway
imagem

Ficha Técnica

Outros Títulos: O bailado do ciúme (Portugal)
Entrons dans la danse (França)
I barkleys di Broadway (Itália)
Vuelve a mí (Espanha)
Tänzer vom Broadway (Alemanha)
Vi dansar igen! (Suécia)
Barkleyowie z Broadwayu (Polônia)
Парочка Баркли с Бродвея (União Soviética)
Pais: Estados Unidos
Gênero: Musical, Comédia Romântica
Direção: Charles Walters
Roteiro: Betty Comden, Adolph Green
Produção: Arthur Freed
Música Original: Lennie Hayton
Direção Musical: Lennie Hayton
Coreografia: Robert Alton
Fotografia: Harry Stradling Sr.
Edição: Albert Akst
Direção de Arte: Cedric Gibbons, Edward C. Carfagno
Figurino: Valles
Guarda-Roupa: Irene
Maquiagem: Jack Dawn
Efeitos Sonoros: Douglas Shearer, Charles E. Wallace
Efeitos Especiais: Warren Newcombe
Nota: 8.2
Filme Assistido em: 1950

Elenco

Fred Astaire Josh Barkley
Ginger Rogers Dinah Barkley
Oscar Levant Ezra Millar
Billie Burke Sra. Livingston Belney
Gale Robbins Shirlene May
Jacques François Jacques Pierre Barredout
George Zucco Juiz
Clinton Sundberg Bert Felsher
Inez Cooper Pamela Driscoll
Carol Brewster Gloria Amboy
Wilson Wood Larry
Claire Carleton Marie
Lorraine Crawford Cleo Fernby
Mary Jo Ellis Clementine
Frank Ferguson Sr. Perkins
Roberta Johnson Henrietta
Bess Flowers Convidada no Saguão do Teatro
Joyce Mathews Genevieve
Allen Wood Motorista de táxi

Indicações

Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA

Oscar de Melhor Fotografia a Cores (Harry Stradling Sr.)

Grêmio dos Roteiristas da América

Prêmio de Melhor Roteiro de um Musical Americano (Betty Comden, Adolph Green)

Videoclipes

70 anos de cinema

Sinopse

Em Nova York, na noite de abertura do seu novo show, Josh e Dinah Barkley, dois comediantes musicais casados, discutem quando ele acusa a mulher de flertar com o dramaturgo francês Jacques Pierre Barredout. Jacques havia sugerido que Dinah abandonasse o teatro de comédia para desempenhar papéis trágicos, mas Josh quer que ela continue como sua parceira.

No dia seguinte, o produtor dos Barkleys, Ezra Millar, apresenta o casal a uma cantora sem talento, Shirlene May, que foi indicada como substituta de Dinah.

Num final de semana, os Barkleys e Ezra visitam Jacques em seu país de origem, onde ele está comemorando a conclusão de sua nova peça. A peça, sobre a vida de Sarah Bernhardt, deverá estrelar Pamela Driscoll, uma atriz de segunda categoria. Quando Dinah critica o fato de Jacques ter escolhido Pamela, ele concorda com ela e lhe diz que ela seria a melhor escolha. De volta à Nova York, Josh descobre que Dinah tinha estado, secretamente, ensaiando para o papel principal na peça de Jacques e a acusa de ter um caso com o dramaturgo.

A discussão que se segue resulta na separação dos Barkleys e no fim de sua associação profissional. Josh apresenta seu novo show sem Dinah, enquanto ela continua a ensaiar para a peça de Jacques. Como ela não está acostumada a papéis dramáticos, os ensaios iniciais se mostram desastrosos. Na esperança de reunir o casal, Ezra faz com que eles participem de um show beneficente. O show é um retumbante sucesso, após o qual Josh sugere uma reconciliação, rejeitada por Dinah.

Sem que ela perceba, Josh observa secretamente seus ensaios para a peça sobre a vida de Sarah Bernhardt e, fazendo-se passar por Jacques, a ajuda a melhorar sua atuação. Como consequência, na noite da estreia, Dinah brilha com um excelente desempenho e, depois do show, ao descobrir acidentalmente que seu mentor foi Josh e não Jacques, ela corre até seu apartamento e os dois se reconciliam.

imagem

Comentários

Realizado pelo cineasta Charles Walters, a partir de um roteiro escrito por Sidney Sheldon, Betty Comden e Adolph Green, “Ciúme, Sinal de Amor” é um bom musical norte-americano produzido pela Metro-Goldwyn-Mayer em 1949.

Sua trama, marcada por ótimos números musicais, registra o último filme em que Fred Astaire contracena com Ginger Rogers. Dentre os vários números de dança por eles protagonizados, chamou-me especial atenção “They Can't Take That Away from Me”, de George e Ira Gershwin. Merece ainda ser destacada a excelente fotografia a cargo de Harry Stradling Sr.

Enfim, embora “Ciúme, Sinal de Amor” não esteja entre os maiores musicais de todos os tempos, sem dúvida alguma merece ser visto por aqueles que acompanharam a era de ouro de Hollywood.

CAA